De volta a uma rotina nada normal – Parte IV

Beijei Lorenzo vorazmente.  Em meu quarto, joguei – o na cama. Sentada em cima dele, beijava-o e acariciava seu peito enquanto tirava sua camiseta.  Com as mãos em minha cintura, pressionava sua ereção em meu corpo e nos movimentávamos como em uma dança sincronizada. De repente ele parou.

– Caramba o que estou fazendo!

– Hum? O que foi Lorenzo?

– Desculpa, mas eu não sei se consigo.

– O que? Hahahaha Lorenzo, eu que devo lhe pedir desculpas, você não irá sair daqui assim.

– Mas faz tempo que…

– Shhhhhhhhhiiii – Falei colocando o dedo indicador em sua boca e rindo ao mesmo tempo – Quem manda aqui é eu.  Foi você quem começou com isso, agora terá que terminar. Espere aqui.

Ele olhou-me sério e apreensivo, mas obedeceu. Quando voltei continuava exatamente como eu havia deixado. Tranquei a porta do quarto.  Com a corda que eu havia buscado, fiz alguns nós prendendo cada um de seus braços à cabeceira da cama. Olhando-me com os olhos arregalados, soube que ele queria perguntar o que eu iria fazer.

– Você não estava me desejando? Irei matar seu desejo, mas a minha maneira, entendeu?

Aumentei o volume do rádio que já estava ligado, tocando algumas das seleções de músicas que eu adorava e que me inspiravam nesses momentos. Então, lentamente tirei meu roupão, revelando apenas uma minúscula lingerie vermelha. Puxando seus pés, o mantive esticado sobre a cama e em um movimento rápido tirei sua calça e comecei a beijá-lo e a acariciar seu corpo e seu sexo.

– Ah, por favor, não faça isso!

– Hahahahah devia ter pensando antes. Agora, cala a boca que eu não mandei você falar!

Embora envergonhado, ele estava gostando. Embora tentasse evitar, estava excitado e controlando seus gemidos de prazer. Era engraçado despertar essas sensações em alguém assim. Para mim estava sendo tudo totalmente diferente do que eu já havia visto. Ele era um homem diferente dos que conheci pelo mundo. Arranhei seu peito definido fazendo- o sangrar um pouco. O cheiro de seu sangue era tentador. Mas, eu não queria mordê-lo. Não ainda. Queria senti-lo. Vi que naquele momento ele se empolgava. Ainda amarrado, sentei sobre si e o pressionei contra meu corpo. Eu comandava. E no ritmo da música me movimentava e dava gargalhadas de prazer enquanto o observava ter um orgasmo rápido.  Soltei as amarras e ele investiu contra mim, segurando- me no colo, bateu com minhas costas na parede e demonstrou querer mais.  Deixei-o à vontade durante as últimas horas que se seguiram, enquanto nos beijávamos então, em um momento de excitação, o mordi e o mantive paralisado e quieto, sentindo a dormência tomar seu corpo com minha mordida…

Horas depois, acordei ao lado de Lorenzo, que me olhava apavorado. Eu, porém, falei sorrindo e me esticando:

– Olá Lorenzo, como está sentindo-se?

– Eu estou estranhamente bem. Mas, você… Quem é você?

Droga. Será que ele lembra que o mordi? Pensei comigo mesmo.

– O que foi Lorenzo? Qual é o problema, não gostou do que fizemos?

– Não é isso. Eu gostei sim, pode acreditar. Nunca havia sentido prazer dessa forma. Mas, vendo você dormir… É… Você tem alguma coisa estranha. Seu corpo é tão gelado. Estava dormindo de olhos abertos, parecia morta…

Merda! Foi como voltar no tempo e relembrar como foi descobrir o que Sr. Erner era. Aqueles olhos paralisados como o de um defunto. Sua expressão morta enquanto dormia. Então naquele momento nostálgico, me distrai e não vi Lorenzo levantar…

– Hey, o que está fazendo! Não faça isso!

Foi quando senti o sol queimar-me violentamente.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. Ferdinand W. di Vittore disse:

    Essa minhas amigas fanfarronas rss =X

  2. kah disse:

    Nossa!!! A história está cada vez mais interessante, fiquei preocupada quando falou que sentiu o sol te queimar violentamente: /

    • (w) Rebecca W. Erner disse:

      Que bom ^^ E obrigada por se preocupar, mas como falei foi um susto que me deixou até com certa raiva…

  3. Anna A. disse:

    Nossa que história

  4. Drica6291183031 disse:

    otimo”