Ele é ranzinza, mas é meu irmão querido

Há muito o que se decidir quando os planos envolvem os cuidados de um clã. Assim como numa família, os membros podem se conhecer por causa de afinidade ou por causa de um criador. Nesse último caso a obrigação pela convivência trás todos aqueles problemas relacionados a irmandade.

  • Estou pensando em passar uma semana na cidade resolvendo algumas coisas com fornecedores, bora lá?

Resmungos… Alguma coisa em alemão…

  • Sinceramente, não entendo estes teus resmungos frequentes, tais com algum problema, precisas de algo…?

Alguma coisa em alemão ou latim…

  • Beleza, valeu falou!

Arrumei minha mala de roupas e minha mala de itens importantes e acomodei tudo num carro. Deixei uma lista de afazeres para Sebastian e Pepe. Depois me despedi e fui para o carro. Um pouco antes de chegar no veículo eu já tinha visto o Marquês de longe e fiquei na minha.

Ele arrumou suas coisas, sentou ao meu lado na frente e disse em alemão:

  • Para que cidade vamos maninho?
  • Cara esse teu temperamento me mata as vezes… – Retruquei

Sincronizei o Bluetooth e larguei meu celular com ele. “Cuida do Spotify ao menos” Ele não devia estar relacionado o app as músicas de imediato e sua teimosia o entreteu por pelo menos uns 50km. Até que finalmente achou minha playlist, com as mais tocadas de 2016 e tivemos algum ruído dentro da BM.

  • Cara é por isso que eu fico puto contigo as vezes. Custa perguntar como que usa a porra do aplicativo?
  • Desculpa eu fiquei vendo teu Twitter e esqueci do som…
  • Porra!

Continuamos a viagem até o hotel numa rua famosa de uma cidade grande…

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

25 Resultados

  1. Ronald Santos disse:

    Em que paises vcs estão agora?

  2. Ronald Santos disse:

    N e to chamando vc de dentinho pq teu nome e muito dificil e estranho

  3. nandaindia disse:

    Sobre Franz , acredito que ele esteja precisando de uma mulher/vampira “única” na vida/ morte..rsrs… que faça com que esse vampiro se apaixone, só assim ele pare de ser tão ranzinza.

    • Não sei Nanda, acho que ele já está numa fase vampiresca que o desapego é geral com relação a humanidade. Já vi ele dispensar mulheres lindas, inteligentes, enfim, de todos os tipos incluindo as sobrenaturais…

  4. Sophi De Lima disse:

    kkkk Pelo menos seu irmão quer se manter atualizado do mundo pelo seu twitter !!! Coitado não brigue com ele rsrsrs

  5. Sophi De Lima disse:

    Não entendo por que as pessoas acham necessário a companhia de outro ser humano ou de amor para existir…Isso não faz sentido.

    • Também não entendo…

      • Sophi De Lima disse:

        rsrs..Na verdade pensando bem, o medo dos seres humanos não é não ter amor ,mas sim o medo de ficar só..As pessoa não saberiam viver somente com elas mesmas sem nenhum meio de comunicação o que de certo modo é muito ruim por que é impossivel a pessoa viver bem e feliz se ela não consegue viver apenas com própria companhia. Por isso que creio que hoje em dia existem tantos relacionamentos falidos, falsos amores apenas pela dependencia que o ser humano tem do outro. Sabe além daquela coisa chamada orgulho que as pessoas confundem com amor próprio.As pessoas esquecem que objetivo na vida deveria ser evoluir e não retroceder.

        • nandaindia disse:

          É difícil entender que alguém, seja sobrenatural ou humano, prefere sentir-se ou permanecer sozinho. Uma boa companhia nos enriquece e nos fortaleza, não necessariamente que essa companhia seja um amor ou paixão. Só acho que ninguém vive só

  6. nandaindia disse:

    Essa história que alguém é feliz sozinho é pura ilusão.

  7. Anna Sant disse:

    Uma vez, há algum tempo atrás, alguém me perguntou: Anna, o que é o amor para você?

    Na época, eu era bastante romântica, respondi em um poema. Rs
    Com o passar do tempo, com as experiências que tive, e também com o meu amadurecimento, se me perguntassem hoje, eu daria uma resposta bem diferente.
    Mas, não devemos confundir apego com o amor, são coisas totalmente diferentes.
    Existem seres que tem sim, uma certa carência afetiva e, se apegam ao amor como salvação, e não é assim que a banda toca.rs
    O amor não é para suprir a carência de alguém e poucos possuem essa consciência, é algo bem mais profundo que, não se pode explicar em palavras.
    Podemos perceber que, você não escolhe quem irá amar, simplesmente, esse sentimento te pega de surpresa, te tira de órbita, te pega desprevenido , proporcionando sensações desconhecidas ou adormecidas.
    Como dizia, Clarice Lispector: “Não procure alguém que te complete. Complete a si mesmo e procure alguém que te transborde.”
    Nanda, antigamente, eu era um tanto melosa demais quando o assunto era romantismo, daí percebi que alguns nasceram para ficar só na teoria e outros para vivenciar, e eu fiquei apenas com a teoria.hahahahahaha.
    O tempo tudo transforma!
    Então, cada ser humano ou sobrenatural possuí o poder da
    escolha e, essa escolha somente poderá ser feita por si.

    Bjs