Girls night out – A missão – Lilian – Pt5

Que lugar é esse? Pensei comigo. Eu ainda estava tonta por causa de algum tipo de magia pesada e pela pancada que  havia levado na nuca, mas aos poucos  consegui lembrar do que havia acontecido. Estávamos sentadas num bar a beira da estrada, apenas observando o movimento no lugar, pois seria um dos locais de encontro dos capangas do tal mago que procurávamos.

Passados alguns minutos, o lugar começou a ficar com um cheiro estranho, uma sensação de podridão,  indicando que algo pesado estava acontecendo naquele lugar. Puder sentir uma presença diferente, não era um vampiro ou lobisomem, mas sim um humano. Um humano com alguns dons bem notáveis. Olhei para Becky e Pepe, ambas pareciam retraídas com a tal presença, como se tivessem sido petrificadas. Vendo que tudo poderia ir por água abaixo e que talvez fossemos sequestradas ou atacadas não pensei duas vezes e mandei uma mensagem no Whatssap do Trevor : “Plano de ajuda ao Ferdinand indo para o buraco. Acione  o clã dele e os nossos da Ordem. Caso aconteça algo comigo, faça de tudo para salvar as meninas dele! Tentarei resistir ao máximo. Use o rastreador do meu celular para nos achar. Sorry Dad… I love you… :/”

Assim que consegui mandar a mensagem, senti que a minha katana ainda estava escondida pelo feitiço do espelho. Olhei em volta mais uma vez, e contei quantos possíveis homens teria que enfrentar. Além da espada, todas nós estávamos armadas, não queríamos dar sorte para o azar, eu então coloquei minha mão disfarçadamente dentro da minha jaqueta de couro e segurei uma Colt Phython, e em meu cinto eu havia escondido algumas facas de arremesso. Antes de entrarmos lá também dei a Becky uma arma Colt Trooper e outra arma para Pepe, uma Desert Eagle.50.

Mas de nada adiantou toda essa artilharia pesada, uma força maior e portadora de poderes mentais, entrou no lugar e baixou nossa guarda, em questão de segundos tudo foi para o ralo.  Senti uma mão tocar meu ombro e sussurrar algo do tipo “Seus poderes de luta não irão funcionar aqui. Melhor soltar essa bela Colt e nos seguir, se não suas amiguinhas morrem.”

Quando olhei na direção da Pepe e da Becky, vi que estavam no chão, sendo amarradas, e que Pepe tentou resistir e levou alguns chutes no rosto. Aquilo me fez perder o controle, minha primeira reação ao ver as duas daquele jeito foi pegar e estourar os miolos daquele brutamontes e depois atirei em mais dois, antes de finalmente ser pega e poder ver o rosto do tal mago.

– Olha o que temos aqui! Uma serva da famosa Ordem Vermelha… Senhores contemplem esse belo ser. Eles são treinados para matar de forma politizada. Como viram é melhor ficar com olhos bem abertos para essa bela donzela.

Quanta arrogância para uma pessoa só! Um homem de estatura mediana, longos cabelos ruivos, olhos negros, parecia até o próprio Satã. Como ele sabia da Ordem?

Minha cabeça girava, com perguntas e com a dor da pancada no estomago, e foi quando tentei me soltar, mais uma vez para salvar as meninas, levei uma pancada na nuca e tudo ficou escuro,  meu corpo cedeu a dor, caindo como uma pedra no chão.

Quando finalmente voltei ao normal depois de seguidas pancadas e algum tipo de feitiço que nos deixou ali congeladas como pedras por o que parecia um bom tempo, pude me sentar e olhar ao redor, vi que estávamos em algum tipo de porão, ótimo lugar para manter alguém de refém. Procurei pelo meu celular, mas ele havia sido levado, junto das outras armas, inclusive a minha katana, óbvio que aquele cara estranho percebeu a presença dela e a retirou de mim. Chamei bem baixinho Becky e ela respondeu com uma voz muito fraca, mas consciente. Logo em seguida chamei a Pepe e não obtive resposta, o desespero bateu no meu peito, tentei de todos os jeitos me soltar, em um ataque de fúria consegui romper as cordas que prendiam minhas mãos e então pude soltar minhas pernas e ajudar a Becky a se livrar das amarras.

Quando cheguei perto da Pepe a vi encolhida em um canto,  deitadinha, ainda presa, aquilo me deu um remorso, soltei ela e então a segurei em meu colo, o rosto dela ainda estava machucado dos muitos chutes que ela levou, se ainda conseguisse chorar como uma humana, com certeza eu estaria chorando naquele exato momento. Limpei o sangue dela com minha blusa, mais uma vez a chamei “Pepezita, acorda querida, acorda!”, milhares de pensamentos passaram por mim, um deles era , “Como o Ferdinand reagiria se a mais nova cria dele sofresse o pior?”, tive a certeza que ele ficaria sem rumo, afinal a Pepe era a menina dos olhos dele.

Becky sentou ao nosso lado, e começou a fazer leves carinhos na cabeça da Pepe, eu ainda a segurava como se fosse um cristal pronto para quebrar. Mais uma vez chamei Pepe e para meu alivio ela finalmente respondeu “ Lili, Becky, meu corpo dói muito.”

Lógico que doía, ela tentou de todas as formas nos proteger, foi forte, e acabou levando a pior. Eu claro que queria me vingar, e Becky compartilhava da mesma vontade de vingança.

Após alguns minutos de silencio, Becky levantou-se e começou a vasculhar o lugar em busca de alguma saída, enquanto eu ajudava Pepe levantar do chão e ficar em pé. Becky achou a saída e conseguimos ouvir alguns homens do lado de fora patrulhando o local. Era noite para nossa sorte, mas estávamos sem armas, com a Pepe ainda bem machucada e a minha espada desaparecida, se ao menos eu a tivesse, tudo seria menos complicado.

– Lili, você tem algum plano? Por que eu sinceramente não sei nem por onde começar.

– Eu não sei Becky, meus planos nesta situação, são todos planos suicidas. Estamos desarmadas, rodeadas do que parece ser um pequeno exercito particular ali fora e a Pepe está muito machucada.

– Se quisermos sair daqui, temos que tentar algo, certo?

– Mas o que?

– Se eu conseguisse chegar até a parte superior, poderia confundir alguns dos seguranças e você poderia tentar abrir passagem de alguma forma, levando a Pepe para fora e eu as seguiria.

– É uma opção muito boa. Mas eu precisaria da minha espada para isso e para nossa sorte, consigo senti-la na sala ao lado.

– Então vamos melhorar o plano, deixamos a Pepe escondida aqui enquanto subimos, pegamos tua espada e abrimos passagem. Eu volto para pegar a Pepe e a levo para fora e volto para te ajudar.

– Não precisa Becky, assim que pegar a Pepe, dê o fora daqui! Não olhe para trás e nem tente voltar. Corra até o encontro do Ferdinand, ele provavelmente está a caminho daqui junto do meu mestre  e do clã de vocês. Mandei uma mensagem para Trevor antes de sermos capturadas. Talvez os caras daqui estejam esperando por eles também.

– Lili eu não vou deixar você aqui! De jeito nenhum!

– Você vai e vai levar a Pepe com você. Assim que encontrar com eles, tenho total certeza que virão ajudar.

– Lili não…

– Becky vai dar tudo certo!

Era um plano um tanto suicida, mas era nossa única opção. Becky escondeu Pepe embaixo de uma mesa com o que parecia ser um lençol mofado e então se encontrou comigo na porta que poderia nos trazer nossa total liberdade ou a nossa ruina.

– Preparada Becky?

– Sim e você?

– Também.

Com um chute abrimos a porta e Becky se escondeu rapidamente atrás do que parecia ser um grande armário, dando inicio a manipulação mental nos seguranças, eu corri em direção a minha katana, ela estava nas mãos de um dos idiotas comandados pelo ruivo. Voltei até Becky e pedi que ela pegasse a Pepe, ela rapidamente foi e tive que enfrentar alguns homens, degolando, cortando braços, pernas e tudo que podia para abrir passagem para as duas. Becky ajudava Pepe correr enquanto eu abria passagem, senti que os poderes de manipulação da Becky estavam acabando e então empurrei as duas para o que parecia ser a porta de saída daquela casa e atrai os outros em minha direção. Vi que Becky correu alguns metros de distancia do lugar junto de Pepe e em um movimento eu senti uma fisgada na perna e então cai, pude ouvir Becky gritando meu nome, olhei na direção dela e apenas consegui dizer “ Corre! “, algumas lágrimas de sangue escorreram o rosto da Becky e da Pepe, mas elas obedeceram e saíram dali. Senti meus braços serem amarrados mais uma vez, mas aquilo não me incomodou, afinal tinha ajudado duas pessoas no qual eu criei um grande carinho e que demonstravam o mesmo afeto por mim, o mesmo afeto que eu apenas senti da minha falecida mãe e do Trevor, antes de conhecer o clã do Ferdinand.

Pude sentir a presença do ruivo de novo, o mesmo cheiro podre junto dele.

– Deixem as outras irem rapazes. Eu quero fisgar o grande Ferdinand e de brinde parece que teremos a presença dele e de mais dois vampiros antigos. Consigo sentir a presença do teu mestre querida e também de outro poderoso vampiro. Talvez consiga completar minha coleção de relíquias!

– Você não vai conseguir nada. No fim de tudo isso eu vou assistir a sua cabeça sendo arrancada e colocada em uma mesa com um peso de merda para livros.

– Veremos querida… Veremos! Além das amarras, calem a boca dela, toda essa falação está me dando nos nervos!

Fui então jogada no porão novamente, agora eu apenas torcia para ser salva de alguma forma, sabia que Trevor e Ferdinand viriam, só não tinha certeza se seria a tempo. Mas mesmo que eu não os visse mais, uma sensação de dever cumprido  por ter ajudado alguém que me aceitou do jeito que eu sou com tanto afeto, já eram suficientes para mim.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

12 Resultados

  1. Ana Julia Petrova disse:

    Maldito! Eu estou ficando com muito ódio desse mago!!! Se eu pudesse fazer alguma coisa para ajudar eu faria!! eu ansiosa para a próxima parte e também para o final da história, pois quero saber como o desgraçado morreu, e eu vou ficar feliz de saber como!!!

  2. Ana disse:

    Pobre Pepe, pelo menos conseguiu escapar com a Becky… Ao menos vão deixa-las em paz….
    E a Lili o que aconteceu depois? (Presumo que foi salva, o que é bom…. mas quero saber como)
    O que aconteceu ao tal mago?

  3. Gabriela disse:

    Pepe sua fofa 🙂 rsrs. Mas, que decisão difícil que vc tomou hein Lili! Me admira muito uma atitude como essa, ter “dado” a sua vida para salvar a das meninas, tal atitude é de se espantar,(talvez não seja a palavra certa , mas foi o que me veio a cabeça rsrs) digo isso pois, cada vez me encanto mais com as virtudes e qualidades no geral que vcs vampiros apresentam (nem todos claro), pois é difícil encontrar um humano que faça isso para uma outra pessoa, por mais que diga que goste é raro alguem dar a vida dessa maneira e ainda se sentir aliviada por ter tomado a decisão certa 🙂
    Parabéns pela bela atitude, e sabemos que tudo deu certo, pois quem faz o bem sempre recebe o bem de volta.

  4. (w) Lilian K. disse:

    Muito obrigada! Faria a mesma coisa de novo e sem pensar duas vezes. *.* 🙂

  5. TheMarchHare disse:

    Com toda a certeza Lilian,ninguém nunca poderá te acusar de covarde. Gostei da tua idéia, adoro pesos de papel. Um em formato de crânio então, que anda super na moda, coisa mais chic! 😉 Agora, o que será que o Sr. Ferdinand, que já foi anteriormente chamado de “Príncipe encantado”,sempre a postos para salvar uma donzela em perigo, (palavras do Franz, se bem me recordo) fez para salvar todas essas queridas vampirinhas?

  6. TheMarchHare disse:

    A propósito, Ferdinand ,sem ofensa alguma, causa-me risos o “Príncipe encantado”… Só que ao invés de um cavalo branco, vai a moto mesmo não? 😀 Brincadeiras a parte, prefiro mais o teu modo de ser do que o Franz “Caiu na rede é peixe!” (Risos)

  7. (w) Lilian K. disse:

    “Caiu na rede é peixe” foi ótimo! Rsrsrsrs