Girls night out – A missão – Pepe – Pt6

Fiquei um pouco receosa, achando que a Becky não daria conta de guiar a moto comigo na garupa, mas até que ela se virou. Claro, que não pilotou tão bem quanto o Fê e quase caímos por causa de alguns buracos.  Abstrai o medo de cair, me concentrei num celular que peguei de um dos capangas que matamos e depois liguei imediatamente para o Fê. Ele ficou feliz e bravo ao ouvir minha voz, mas me acalmou dizendo que estava junto do mestre da Lili, perto de nós e que logo tudo iria acabar.

Seguimos eles por um tempinho até que pararam numa porteira no meio do mato e que aparentava ser  a entrada de algo maior. Esperamos eles entrarem e tivemos de dar conta de um dos seguranças que havia ficado de vigia. Novamente Becky distraiu o sujeito e eu cravei minhas presas no pescoço dele. Deixei um pouco de sangue no corpo para a Becky e depois que ela sugou o resto fomos como duas felinas sorrateiras para dentro do lugar.

Na entrada tinha algumas arvores bem fechadas, que aos poucos foram ficando mais abertas e nos mostraram um lugar lindo. Estávamos numa sede social ou casa de campo grande e bem iluminada. A quantidade de seguranças havia dobrado e por algum tempo eu desejei apenas que o Fê chegasse e resolvesse tudo. Só que naquela hora eu me virei para Becky e vi seus olhos brilharem. Não consegui entender se ela estava excitada ou tão abalada quando eu, mas assim quem ela voltou a si ela me falou empolgada:

– A Lili está amarrada num canto e desacordada. Tem mais alguém com o mago e tem tanto poder quanto o dele. Tem 14 criaturas ao todo por aqui e sem contar nós duas.

– Uouu, como que você conseguiu ver tudo isso?

– Usei um poder que ainda estou aprendendo, mas digamos eu levei meu espirito para dar uma voltinha pelo lugar e consegui essas informações.

– Tô de cara amiga, será que consigo aprender? Brincs… O que sugere que façamos? Vamos esperar o Fê e pessoal?

– Tô pensando, mas eu podia distrair alguns deles e tu podia entrar super-rápida e tirar a Lili.

– Não sei amiga. E se o outro cara lá for mais punk que o mago que nos prendeu?

– Tem essa também, bom vamos tentar ser o mais silenciosa que conseguirmos e ir acabando com eles aqui por fora então?

– Ahh deixa aqueles três comigo, você  vai para o outro lado e nos encontramos atrás da casa.

Mal deixei a Becky responder sim ou não e sai a toda para cima dos malditos. Pulei de um arbusto a outro e com duas passadas quebrei o pescoço do primeiro. Em seguida me escondi numa parede, depois agarrei o segundo pelas costas e antes dele gritar eu soquei sua garganta. Ele se contorceu  um pouco, mas sufocou em seguida. O terceiro viu minha aproximação, mas por sorte havia uma faca no colete do segundo e arremessei. Ela bateu numa das paredes e caiu longe do cara. Ele deu uma risada, veio até mim e começamos uma briga pelo chão. Ele era muito forte e conseguiu me prender de costa, só não contava com um contragolpe que o Franz me ensinou e me permitiu reverter a situação. Agora era ela que estava de costas para mim no chão deixando aquele belo pescoço a mostra. Foi por pouco e tudo aquilo havia me mostrado que eu precisava treinar muito mais. Não se trata apenas dos poderes, como diz o Fê.

Encontrei Becky do lado de trás da casa e ela havia detonado mais quatro caras.

– Só falta outros sete – Disse ela com o olhar ainda mais brilhante.

– Ah tá fácil, e ai tem mais alguém aqui por fora?

– Não, vem aqui, acho que conseguimos entrar pelos fundos.

Tentamos entrar, mas tanto as janelas como as portas estavam seladas magicamente e tirando a forma espiritual acho que mais nada conseguia entrar naquele lugar. Além disso, eu marquei bobeira novamente e não percebi que alguns arbustos prenderam minhas botas ao chão. Olhei para os pés de Becky e ela também estava presa. Antes mesmo de tentarmos algo a cortina de uma das janelas foi aberta e surgia a nossa frente uma mulher velha. Seu olhos eram pretos por completo e assim que nos localizou ela olhou fixamente nos meus olhos e abriu a boca.

Uma fumaça preta começou a sair da boca da bruxa, atravessando as frestas da janela e nos envolveu. Ficamos cegas, como se estivéssemos na escuridão completa. Tentei me mexer, mas tudo acontecia mais devagar, até que sinto um forte puxão no braço direito e que me arremessou para longe. Cai há  umas 7 ou 8 passadas largas da casa e pude ver próximo de onde eu estava um sujeito forte e com uma katana presa as costas. Ele fez o mesmo com a Becky e só depois disso percebi que ao meu lado estava Hadrian concentrado de olhos fechados e ao longe correndo em direção da casa o Fê em sua forma mais sinistra, bestial e demoníaca.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

13 Resultados

  1. Ana Julia Petrova disse:

    Nossa….. está ficando cada vez melhor essa história!! Digam-me que o mago sofreu lentamente!!

  2. Cassio Ferrari disse:

    estou curioso quanto a forma bestial demoníaca do ferdinad, sera que ele virou “lobisomem”? se me lembro bem teve uma vez que ele mostrou para uma bióloga sua forma mais demoníaca onde ele se transformou em lobo e depois lobisomem

  3. Cassio Ferrari disse:

    Ferdinan vampiros se suicidam ?

  4. Cassio Ferrari disse:

    entendo, não deve ser nada fácil a vida de um vampiro e sempre caçado por magos ,lobisomens e caçadores, e sempre precisa caçar, tem pucos amigos porem os que tem são os melhores

  5. Pepe, Valeu por dizer que estava apenas “receosa” em andar de moto comigo 😛
    Acredite, eu estava mais receosa ainda…Rsrsrs

  6. Ju13 disse:

    Bom quero ver a proximo testo estou ansiosa…

  7. Ju13 disse:

    Bom quero ver o proximo texto estou ansiosa…

  8. Gabriela disse:

    Ferdinand querido, sei que aqui não é apropriado para fazer perguntas que foge do tema do texto, mas… quando um pessoa se transforma em um vampiro, os caninos “afloram” (não sei se é essa palavra) mas o fato é que eles crescem no momento em que se alimentam. Esses caninos ao longo do tempo podem tomar formas diferentes, exemplo: eles ficam mais finos ou engrossam ? E se uma pessoa que possui um determinado formato eles podem sofrer alterações ?

  9. Gabriela disse:

    E aliáis a história está ótima, e é lendo relatos como esse é que percebemos como a nossa imaginação é incrivel, através dela podemos ir em qualquer lugar, imaginar como vcs são e até captar suas emoções lendo estes textos,e o mais surpreendente é que ao longo do texto é como se tivessemos assistindo um filme, é como se estivessemos lá, presenciando tudo rsrs. Ai como eu gosto desse blog 🙂