A magia e os vampiros – pt8

Tempos atrás contei aqui a história de quando alguns integrantes da “Labraid Lámh Dhearg” vieram atrás de Hadrian. (ver A magia e os vampiros) Onde inicialmente eles quiseram levá-lo a força, e por fim depois de terem quase sucumbido aos poderem do jovem mago/vampiro, decidiram “pegar leve” e fazer tudo amigavelmente.

Ao longo da história tivemos conhecimento de muitas sociedades, grupos ou reuniões secretas com objetivos variados. Muitas delas foram ou são na verdade apenas confrarias de cavalheiros reunidos em prol do bem mútuo, porém algumas delas são realmente em prol de algo além da realidade cotidiana.

Como é o caso da Labraid Lámh Dhearg, cujo um de seus objetivos é a proteção da sociedade diante tantos seres sobrenaturais a solta mundo a fora. Inclusive, há quem diga que eles possuem relações próximas com a igreja católica ou com outros grupos, como aquele fundado por Christian Rosenkreuz, mas isso não vem ao caso agora.

– Pow maninho tu não perde essa mania de usar os pulmões como um reles humano?

Disse-me Franz assim que desembarcamos no porto de Londres e depois de eu mencionar que o cheiro do lugar me era repleto de lembranças.

Para nossa alegria não tardou e ao longe era possível sentir a presença de nosso amigo. Ele trajava um manto vermelho escuro, que cobria todo o seu corpo e o capuz deixava apenas sua barba à mostra.  Para ser bem honesto a chegada de Hadrian me lembrou de algum filme noir. Onde o cara anda em câmera lenta, tendo ao redor de si um ambiente com poucas luzes e terrivelmente sombrio, em função da tradicional neblina da região.

Déjà vu a parte, Hadrian se mostrou feliz em nos ver. Seu semblante transmitia cansaço, mas apesar disso estava bastante animado com nossa chegada. Tanto que estava com um taxi pronto para nos levar há um dos pubs mais badalados da cidade.

Nesta noite colocamos os papos em dia, Hadrian nos contou de sua estadia Londrina e do quanto estava com saudades do Brasil. Eu aproveitei para ouvir todas as suas histórias e Franz garantiu as boas-vindas ao conquistar algumas garotas para o “after” no hotel.

Por falar em hotel, fui acordado com alguns empurrões. Não foi um susto, mas assim que abri os olhos percebi que estava seminu e sentado na poltrona ao lado da cama. Para a minha alegria eu não estava sonhando e quem me trazia de volta ao mundo dos acordados era aquela beldade de bumbum empinado, chamada Claire…

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Cassio Ferrari disse:

    acho legal o tamanho laço de harmonia dos 3 vampiros, se a humanidade agisse assim estaríamos em um mundo melhor onde todos poderíamos viver em paz,incrível como temos muito a aprender com os outros

    • Garanto que não somos assim sempre harmoniosos, mas sim somos muito “irmãos”…

    • Com o passar do tempo aprendemos que é muito difícil sobreviver só, e nos permitimos depender uns dos outros, nossas habilidades, suprem o que falta em outro irmão. Não somos nada perfeitos, mas temos o tempo para entender isso.

      • Super certo, aliás, é algo que sempre discutimos em nossas conversas mais filosóficas. A sobrevivência depende das alianças, parcerias e confrarias.

      • Cassio Ferrari disse:

        E muitos de nós mortais só descobrimos isso quando o nosso esta quase no fim pois somos todos “irmãos” só que muito gananciosos e rudes onde ajudar um ao outro e praticamente impossível

  2. Allice disse:

    Ansiosa para a continuação…