Não caia na lábia de um serial killer

Estava analisando ontem um documentário sobre o maníaco do parque, aquele que matou 10 mulheres ou mais em São Paulo, nos anos 90. E fiquei impressionado com uma coisa tão simples: Como as mulheres estão tão abertas e descuidadas?

Está certo que ouço muitas amigas dizendo, que faltam homens descentes, que a maioria hoje só pensa em beijar ou dar “umasinha” sem compromisso, mas convenhamos. Tem que ser muito idiota ou safada para ir por livre e espontânea vontade para um mato tirar fotos sensuais. O cara era feio que dói, tinhas os dentes parecidos com um crocodilo ancião e mesmo assim convenceu 12 mulheres bonitas… (2 fugiram).

Não é de hoje que falo para vocês se cuidarem mais e não mandarem seus emails, msns, Orkuts e afins abertamente por aqui. Eu já disse que sou muito observado, que muitos podem usar os dados de vocês… No entanto para não ficar chato (mais do que já sou) eu peço encarecidamente que vocês se cuidem… Papo de pai? Sei la, eu sou velho e sei muito bem do que os seres são capazes de fazer.

Não vire uma estatística…

Só para ilustrar meu pensamento: Vítimas caem na lábia de produtor de eventos.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...