O que fazemos com a Eleonor?

Muitos de vocês que acompanham meu blog e redes sociais, sabem ou deveriam ter visto que tenho passado por diversos altos e baixos em meu humor. Isso sem sombra de dúvidas se deve ao fato de que minha doce morena Eleonor, está numa fase complicada. Situação gerada por ela mesma, mas que piorou nos últimos meses com o rapto da garota no qual ela havia adotado. A questão da adoção foi discutida aqui em outros posts, mas irei resumir para os novos leitores do site.

Eu tive um envolvimento com uma humana que se chamava Stephanie, um relacionamento relâmpago na verdade, onde nos aproximamos muito rápido e nos afastamos mais rápido ainda. Nos encontramos algumas vezes, criei uma certa proximidade com ela sua filhinha e nos envolvemos. Até o momento em que percebi a cruel realidade e me afastei. O problema é que um dos meus “inimigos” soube desta proximidade e a transformou em vampira. Uma vampira adoradora das forças infernais, um tipo de ser impar e desprezível.  Situação que resultou em sua morte, tão logo meu clã soube dos ocorridos.

Diante tal situação a filhinha de Stephanie acabou ficado órfã e Eleonor decidiu adotá-la. Nem Franz nem eu gostamos da ideia, mas diante a teimosia de Eleonor acabamos permitindo. O problema é que uma das protegidas de Eleonor soube desta situação toda, decidiu agir como justiceira e agiu corretamente como eu ou Franz deveríamos ter feito. “Sequestrando” a garota e levando-a de volta para os seus parentes de sangue. Com isso Eleonor entrou numa fase extremamente complicada. Ela realmente havia se apegado a garotinha, eu também nutri muitos sentimentos por ela e até Franz agiu como se fosse humano em nossos momentos de plena tranquilidade.

Soube que algumas noites atrás até mesmo a Becky, que uma das suas melhores amigas foi rejeitada, então decidimos levar este caso da forma mais séria que nos fosse possível. Eu passei por um momento delicado como este, obviamente em circunstâncias diferentes e acabei hibernando por uns 50 anos por indicação da própria Eleonor. Será que está chegando o momento de ela também adotar tal procedimento?

A cada noite que passa tenho mais certeza que alguns anos de hibernação podem fazer muito bem a minha adorada amiga, irmã, mãe e por vezes amante… (pensativo)

Já conversei pessoalmente sobre isso com Franz e falaremos com ela hoje à noite mesmo, espero que ela entenda todas as consequências de seus atos. Além de tudo o que ela vai ter de enfrentar se continuar agindo desta forma. Inclusive cabe a mim julgar no lugar do barão e ainda estou pensando como ele agiria neste momento. Prisão, tortura, banimento? Não sei, a cabeça dele também estava conturbada nas últimas décadas e é possível que Franz e eu também fossemos punidos.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Drika disse:

    Coitada da Eleonor, mais acho bom ela hibernar um pouco, além do mais dizem que o tempo cura tudo. 🙂

    • Ferdinand W. di Vittore disse:

      Pode ser, na verdade tenho pensado muito nesta possibilidade.

  2. Cassandra disse:

    Realmente uma situação complicada que acaba afetando a todos os que a rodeiam, talvez Leonor precise mesmo que alguém tome uma decisão por ela nesse momento difícil …

    • Ferdinand W. di Vittore disse:

      Não sou do tipo de líder que obriga e manda, mas quem sabe dar um empurrão neste sentido? Não é mesmo…

      • Cassandra disse:

        Verdade, por vezes somente precisamos de um empurrão , acredito que Eleonor acabará por agradecer mais tarde.

  3. fabiana lee disse:

    Venho acompanhando. Essa história. A mais de quatro anos e acho que Eleonor precisa descansar por as ideias em ordem e so minha humilde e sincera opinião.,,,, kusse……