A Revelação: a história de Rebecca – Parte I

Bom inicialmente, peço desculpas aos leitores pela demora. Ferdinand entrou em contato comigo faz alguns meses, e só neste momento consegui parar para lhes contar um pouco mais sobre essa longa história. Conforme havia prometido ao meu querido Ferdinand, ai está. Espero que gostem!

Quando senti que meu corpo recobrava a consciência novamente, mantive os olhos fechados. “- Becky… Becky!”. Minha mãe? Eu podia ouvir sua voz me chamando. Mas, eu sabia que era apenas minha imaginação, “ele” brincando com minha mente novamente, fazendo me sentir uma marionete. Afinal, eu não poderia lembrar sua voz. Nem cheguei a conhecê-la. Permiti que meus olhos abrissem. Por mais um longo tempo, permaneci olhando em direção à parede, observando todo aquele sangue que o manchava. Eu ainda podia sentir as dores, os cortes e as torturas que passei nos últimos cinco ou… vinte dias que permanecia ali? Não sabia ao certo por quanto tempo estava passando por tudo aquilo e, por quanto tempo ainda teria que suportar. Ele parecia se divertir, ao destroçar cada parte de meu corpo, esperando ele se regenerar para iniciar o processo outra vez. E eu percebia que a cada sessão, este se recuperava mais rápido. Após os processos, ele me alimentava e então, se apossava de meu corpo, fazendo com que todo o meu ódio e dores tornassem-se prazer. Um prazer que eu não tinha poder de controlar.

Acima de tudo, minha mente oscilava em sentimentos de repugnância e atração e eu já não conseguia definir o que aquele homem era para mim. No entanto, apesar de entender o que estava acontecendo e no que eu estava me tornando, não conseguia compreender por que estava acontecendo comigo e onde tudo havia começado.  Ele me observava tentado deduzir o que eu estava pensando. Então, caminhou até onde eu estava. Jogada e encolhida, como o resto de alguma coisa. Erguendo-me, me levou para o quarto em que eu lembro ter acordado inicialmente. Em seguida, senti por alguns minutos a água quente sobre meu corpo frio, suportando suas mãos sobre mim. E após aquele banho, deitou-me na cama dizendo que era hora de descansar… Eu devo ter dormido por uma semana inteira. Ao acordar, percebi que ele permaneceu ali, sentado na poltrona ao meu lado, esperando que eu acordasse.

-Olá, minha pequena. Não se preocupe. A pior parte do processo acabou…

Sentando-me, perguntei lentamente:

– Não sei se devo perguntar o que vêm daqui para frente, não é?

-Bom, digamos que há um longo caminho. Mas, por enquanto posso dizer apenas que estarei ausente por uns dias. Não tente fugir, pois não achará o caminho de volta. Deve ter consciência que sua vida anterior acabou e que agora terá uma nova vida! A casa estará a sua disposição, mas cuidado com o que mexer e aonde vai, posso estar fora por uns dias, mas saberei exatamente sobre todos os seus passos….

Ele saiu do quarto, sem se despedir. Não sei por qual razão esperei que se despedisse. Odiei-me por tais expectativas. Então, afundei-me no travesseiro, e na escuridão do quarto me vi uma prisioneira eterna.

 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Sellene Bernard disse:

    Hum que Interessante. Gostei 😀