Rituais de passagem na atualidade

Short Blade Silver

O tempo passa e somos frequentemente bombardeados por novos conceitos, práticas e ideias. No entanto, há sempre alguns procedimentos que se mantem intactos, mesmo depois de séculos. Como é o caso dos rituais de passagem, comemoração e ou despedida.

Não obstante, muitos sofrem alterações, principalmente no que diz respeito aos componentes. Haja vista que alguns elementos se tornaram muitos escassos ou difíceis de se obter. Mandrágoras, por exemplo, estão quase extintas. Sem falar do procedimento tradicional de colheita que se tornou extremamente exótico para os tempos atuais: as raízes da mandrágora precisam ser colhidas numa noite com lua cheia. Arrancadas da terra por uma corda presa a um cão preto.

Alguns itens como cálices, adagas ou bastões também são difíceis de se encontrar no séc. XXI. São pouquíssimos os artesãos que ainda sabem produzi-los da forma tradicional. Forjando o ferro bruto, para que se torne um bom aço resistente e bem adornado. Os únicos artefatos que melhoraram conforme o passar dos anos foram as joias. Comumente utilizadas nos rituais de aprisionamento de entidades, afim de se obter parte dos seus poderes.

Ferdinand, por que esse papo sobre rituais? Pois bem mancebo, a ritualista está presente em todas as culturas. Desde os procedimentos dos antigos homens das cavernas, até mesmo na sociedade humana atual. Onde feiticeiros evocam espíritos mediante o consumo de álcool e cânticos. Há também aqueles que consomem ervas ou misturas para sair da realidade e também no mundo vampiresco.

Noites atrás tive dificuldades para encontrar uma adaga original, composta de aço e prata, por isso tudo o que disse até aqui. Tive de ir atrás de diversos contatos e apenas um senhorzinho do Brasil conseguiu fazer o que pedi. Em função disso, noites atrás estive com H2, cria mais nova de meu irmão Franz e finalmente aconteceu um ritual de passagem. Sendo Franz o membro mais velho acordado e eu o líder proclamado, é fundamental que participemos de tais procedimentos com frequência.

Particularmente, eu gosto das tradições e de tempos em tempos é importante relembrá-las. Não somos um clã grande, o que torna cada celebração um grande momento para encontros da família, troca de experiências e festa.

Bom, não vou fazer vocês lerem até aqui e ficarem com água na boca, com relação ao procedimento feito com H2. Como eu já disse antes, fizemos um ritual de passagem em função de mais um ciclo que ele completou. Cinco anos de transformação é uma marca importante a ser atingida por um vampiro. Momento no qual ele deixa de ser um recém transformado e passa a ser considerado um membro iniciante de nossa sociedade imortal. Cabendo a ele uma função destaque em nosso clã.

Quem sabe o Franz apareça por aqui para falar um pouco sobre as novas atribuições de sua cria?

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. IsabelleMazur disse:

    Olá Ferdinand. Você poderia, por gentileza, me passar o contato do homem que fez sua adaga? Veja bem, preciso de uma também, mas também tenho tido inúmeras dificuldades quanto à encontrar uma original e sua ajuda seria muito bem vinda. Tenha um ótimo dia, ou noite.