Torturas, sexo com vampiros. pt7 Final

Recomendamos a leitura desta saga desde o seu inicio, clique aqui.

O segundo nível de minha doutrinação havia terminado e mesmo assim uma de minhas cadelinhas ainda gemeu, se contorceu e implorou várias vezes por misericórdia. Seria ela tão resistente, a ponto de eu ter de avançar ao próximo nível? Dei mais algumas gotas de meu sangue aquela mais áspera e as mantive no cárcere por mais alguns instantes.

Aproveitei para dar uma espiada no ateliê de Frederick e lá estava sua obra praticamente terminada. – Preciso limpar aqui e ali, mas veja esse olhar de misericórdia meu irmão, veja a serenidade e o semblante motivado que ele transmite. Seria um belo manequim de loja não achas?

Pior que se não fosse os restos de sangue sobre aquele corpo, qualquer desavisado acharia que era mesmo um manequim, exótico, mas apenas um boneco. Frederick havia feito um belo trabalho, que incluiu depilação e escarificação com temas estilo Maori, ou seja, uma legitima e original obra de arte. Pena realmente o fim que ela teria…

Voltei para o meu ateliê e agora sim ambas atenderam tudo o que pedi: “Fiquem de quatro as duas, lado a lado na cama e viradas com o rabo para cá… Não quero ouvir um simples ai, ou as consequências serão as piores”. Fiquei por um tempo admirando aqueles rabos e acho que os terei na memória por certo tempo, mas vamos ao que interessa. Thwack! plaaaaft! Fez o som da primeira chicotada no rabinho daquela mais esguia, que aparentemente se concentrou e não deu um pio.

Thwack! plaaaaft! Novamente na segunda e esta teve a infelicidade de suspirar, fazendo-me lhe dar outra mais forte. Apesar disso, na segunda vez ela não se mexeu. – Bom, bom, bom assim quem eu gosto, quietinhas! Aproveitei a situação para dar mais uma metida em cada e se não fosse Frederick batendo a porta, a brincadeira iria longe, tendo em vista que já estávamos bem entrosados.

– Acredito que tenha chego a hora meu irmão, posso chamar Elliot?

– Com certeza, já terminei por aqui…

Arrumei meus brinquedos, ordenei que se arrumassem com algumas roupas que lhes levei, algo simples tipo jeans e camiseta e as levei para o terceiro ateliê. Apelidado gentilmente de “Arena”. Nada muito elaborado, apenas a sala principal com uma escadaria grande e um mezanino, que nos serviria de arquibancada. Ao centro três cadeiras e uma mesa com três facões. Frederick fez as honras:

– Sem muitas firulas e vamos direto ao ponto. O sol irá nascer daqui exatos 60 minutos. Lá fora há uma moto com as chaves na ignição e com gasolina suficiente para chegar  até um lugar seguro na região. Vamos lá se divirtam só um de vocês sairá “vivo” daqui!

O primeiro a agir foi o vampiro, que apesar das customizações ainda mantinha sua agilidade sobrenatural e acertou em cheio o pescoço da loirinha. A magrela percebendo a ação deitou para a direita e infelizmente aniquilou aquela gostosa, separando-a de sua cabeça entre um golpe e outro.

Aproveitando a oportunidade o vampiro chutou a mão da infeliz, que derrubou o facão a dois passos de distância e também  lhe deu um golpe na altura do pescoço. Apesar disso,  para o seu azar à lâmina apenas feriu levemente um dos seios da mirradinha, que se não emitiu nenhum som de dor e praticamente se jogou em busca de sua arma.

Nesse momento eu inclusive comentei com os outros, sobre minha doutrinação e o fato dela nem ter sentido a dor. Garota esperta, poderia ter sido muito útil na minha equipe. E para surpresa de todos ela conseguiu recuperar seu facão, aproveitou o ponto cego do vampiro e lhe golpeou certeiramente o braço que segurava o facão, mais ou menos na altura do bíceps. A fúria foi tanta, que o osso foi rompido deixando o que restava do braço preso apenas por um pouco de pele e músculos.

A fúria da pequena foi tanta, que eu quase gritei para que ela parasse de perder tempo fatiando aquele manequim. Perdi as contas do golpes desnecessários que ela deu, até  finalmente perceber sua vitória, talvez estivesse descarregando o stress dos últimos dias?

Ela largou o facão, passou a mão no rosto para limpar o excesso de sangue podre em sua face e jogou os cabelos para trás. Abriu um sorriso confiante, olhou diretamente em meus olhos como quem pedia aprovação. Bastou eu dizer um simples “Parabéns, está livre!”, que ela saiu correndo e sabe-se lá o que passava em sua cabeça, talvez tenha sido um dos melhores momentos de sua vida ou morte?

Porta a fora e sem olhar para trás, quão surpresa ela deve ter ficado ao descobrir que o sol nasceria em menos de 10 minutos…

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

17 Resultados

  1. Isa disse:

    Foi longo, mas finalmente terminou 😉
    Achei legal a história do Frederick e do Hector, de um jeito meio sádico…e assustadora também…
    Agora teremos nosso Ferdinand de volta O/

    • hahahaha apesar deles terem vivido e do Hector ter narrado, fui eu quem transcreveu tá… Mas relaxa que logo mais voltaremos com a nossa minha programação normal 😛

      • Allice Taranti disse:

        Um Vampirocast com Hector seria ótimo!
        Assim como ja fez com nosso caro Doutor, esse por sua vez, sumido…!
        Ou seja, ouvir a voz de Hector nos contando como fora sua aventura seria ótimo, meu caro!

      • Allice Taranti disse:

        Um Vampirocast com Hector seria ótimo!
        Assim como ja fez com nosso caro Doutor, esse por sua vez, sumido…!
        Ou seja, ouvir a voz de Hector nos contando como fora sua aventura seria ótimo, meu caro!!!!

  2. Isa disse:

    Hahaha, já imaginava que o Sr. tinha transcrito…
    Aewww! 😀
    A história foi muito interessante, mas já estava com saudades do meu blogueiro vampiro geminiano favorito S2

  3. Maila Cardoso disse:

    Nossa, otimo conto, isso aconteceu em mais de 1 noite?

  4. Ana disse:

    Fixe, gostei bastante. 😀

  5. Anavi disse:

    Que maldade rsrsrs.. mto boa a história! Adoro passar a tarde dos meus dias lendo esses contos! Me ajudam a passar o tempo e me prende muito! Parabens pela escrita e pela história em geral! : )

  6. Janah C. disse:

    Bom conto, parabéns! Como já disse em outra ocasião sua escrita fica cada dia melhor. ^_^

  7. fabiana lee disse:

    ohhh ate que em fim deste as caras ferdinand …. estava com saudades e que historia fantastica hein?.e a vampirinha…. bem so deus sabe o que aconteceu…. acompanhei cada parte atentamente e os castigos de hector bem tortuosos eu diria … srsrsrs booaa noite

    • Allice Taranti disse:

      Fabiana, diria que eles se divertiram muito, naquelas noites, não!?
      Rsrs’

  8. Allice Taranti disse:

    Conto um tanto envolvente!

    So acho que ter pego um petisco enquanto relia ele para me sintonizar não foi la boa ideia…

  9. Anna Beatriz disse:

    Caro Ferdinand, amaria ser doutrinada por você. Já que ocorreu uma peguena fatalidade com o meu noivo.