Um vampiro invisível?

A noite estava fria, uma densa névoa insistia em ocultar a maioria dos prédios ao meu redor e lá estava eu num dos meus apartamentos próximo ao centro. Estar próximo ao centro de uma cidade é sempre muito vantajoso com relação à acessibilidade, principalmente aos bares, lojas de todos os tipos, ambientes culturais e tudo mais que possa servir de apoio à vida eterna de um vampiro.

Todavia, estes mesmos centros suportam também muitas cousas ruins, tais quais: criminalidade, excesso de pessoas, trânsito, polícia e todo tipo de caçadores que um sobrenatural possa imaginar. Os antigos inclusive, nos dizem para nos ausentarmos o máximo possível de tais lugares, porém eu mesmo sou a prova de que o “agito” é totalmente viciante.

Então, enquanto eu assistia a um bom filme, praticando aquele gostoso ócio, surge-me aquela tradicional presença de algum ser sobrenatural. De início devido à distância do fulano eu não soube definir o que era. Porém, à medida que ficava mais próximo eu soube com exatidão que era um Wampir e a cada segundo a mais que passava algo me dizia que era provavelmente um conhecido.

Sabe aqueles momentos em que você não espera visitas, não agendou nada e ainda por cima quer curtir uma noite de sossego fazendo o simples “nada”? Calma, isso ainda vai piorar… Já apostos e preparado para o que pudesse surgir, sinto o tal Wampir perto do prédio. Aparentemente é apenas a sensação da presença e nada físico ou audível surge aos meus sentidos aguçados.

Certamente, algum poder estava sendo utilizado e antes que pudesse ser surpreendido, parti para um dos quartos, onde noites atrás eu havia guardado a “caixa”. Esta nada mais é do que uma caixa de madeira, tratada de forma hermética e onde guardo algumas poções, amuletos e demais utilidades que a vida sobrenatural me obrigou a colecionar.

Confesso que ser surpreendido nunca é bom, mas rapidamente liguei alguns fatos e lembrei com precisão das aulas que tive com o falecido Joseph (saudades do Zé) sobre invisibilidade. Inclusive, achei um saquinho de tecido onde ele havia escrito algumas palavras e eu outras por cima: “Apenas dois poderes avec une réelle visibilité, estes somente les vieillards dominavam. Juste au cas ou autre sempre tenha consigo algumas feuilles des lespedezioides para a magia…”.

Daquele instante em diante, minha noite de calmaria virou o mais absoluto caos. Alguns objetos da sala começaram a levitar, outros simplesmente caiam ao chão e até mesmo as cortinas balançavam sem o sopro de qualquer vento. Fatos que me puseram a preparar uma anti-magia. Concentrei-me enquanto mascava as folhas de lespedezioides e com o punhal ritualístico cortei a palma da mão esquerda. Misturei a pasta com o sangue e disse as palavras mágicas… Silêncio… Tudo imóvel e calmo novamente, mas por pouco tempo. Segundos depois sou surpreendido por um novo barulho do lado de fora, daqueles onde algo grande cai e se espatifa ao chão.

Sendo minha curiosidade algo tão evidente, eu não me contive e fui rapidamente a janela ver o que era. Imagine a minha surpresa ao ver Letícia, a vampira ruiva, imóvel ao chão. Por sorte ela havia caído num gramado escuro e oculto do jardim lateral, o que facilitou o seu “resgate”.

Uma coisa é a Julie ou a Beth com suas brincadeirinhas, outra é uma novata vindo desrespeitar o meu doce lar. Confesso que a minha vontade naquele instante era de deixá-la no quintal para que o sol levasse a sua alma para o inferno, mas seria complicado explicar tudo para o seu mestre. Então, por via das dúvidas acabei levando-a para o apartamento onde ela dormiu por mais uma noite e dois dias.

Existem poucas regras em nosso mundo, mas certamente brincar com um vampiro mais velho pode até mesmo ser punido com a morte final. Sinceramente, mesmo depois de ela ter dito que tudo não passava de uma brincadeira, eu ainda tive vontade de perfurar cada uma de suas unhas com várias agulhas. Todavia, pensando na aliança entre nossos clãs, mandei-a de volta ao seu criador. Ao menos por uns tempos não verei a cara da infeliz.

Obviamente aqui estou eu vendo os classificados de imóveis…

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

39 Resultados

  1. Cassandra disse:

    Realmente visitas inesperadas nem sempre é bom. Mas nunca tao mau como as vossas…rsrsrsr.
    Um abraço 🙂

  2. A(not)vampire disse:

    Fiquei de cara agora. Ferdinand, você é praticamente um guerreiro, hahaha. Sério, dei muita risada, especialmente na parte que ela cai (imaginei sua cara e relacionei com esse meme: http://alltheragefaces.com/img/faces/large/misc-are-you-fucking-kidding-me-l.png)

    Uma vez você comentou que esse site é BASEADO na sua vida, então espero que essa moça não tenha realmente feito uma tolice dessas. De qualquer jeito, fiquei rindo uns cinco minutos disso XD

  3. A(not)vampire disse:

    Ferdinand, existem vampiros que não queimam no sol?

  4. Gerson disse:

    leitor novo o/
    boa noite senhor ferdinand, eu leio seu site ja faz bastante tempo, mas só agora tive coragem de me registrar e queria saber uma coisa: existe vampiros gays ou vampiras lésbicas???

    • Olá sir. Gerson bem-vindo! Claro, existem e muitos. Já leu as histórias do meu amigo Frederick de Bonjour? Ele é 😉

      • A(not)vampire disse:

        Bom dia Gerson, Bom dia Ferdinand 🙂

        Nossa, ótima pergunta Gerson! Logo eu que sou tão detalhista nunca parei para perguntar isso (só eu que não sabia que o Lord Frederick era gay?). Ferdinand, existem vampiras lésbicas também?

        Ps: Gerson, concordo, tem quase mil pessoas (MIL PESSOAS, IMAGINE…) que curtiram a página no facebook, mas ficam com preguicinha de comentar XD ( às vezes eu sou uma delas, mas sempre que posso comento aqui).

        • Gerson disse:

          bom dia a(not)vampire. pois é, vamos e venhamos o blog é otimo e o cara escreve SUPER bem, mas a galera fica com vergonha de criar conta ou com preguiça, ñ sei. eu tava com vergonha, pq as vezes o ferdinand da umas patadas na galera, dai eu achava que ele nem ia me responder caso eu resolvesse criar uma conta, mas na verdade ele foi bem legal

          • A(not)vampire disse:

            Hahaha, compreendo Gerson. Mas relaxa, é que ele é de gêmeos, então às vezes dá uns tilts e tal. O negócio aqui é na folhinha, como diz aquela música, “Mulher de Fases” – com todo o respeito, Ferdinand :X

          • milla.bortoluzzi disse:

            HAHAHA achei demais essa do ” É que ele é de Gemeos, então as vezes da us tilts…kkkk” Ri muuito…

      • fabiana lee disse:

        cara que bafo eu não sabia disso e foi por isso que postastes uma foto na tua página do face agora tudo se encaixou putz fer …….. rsrsrsrs

      • Gerson disse:

        Olá senhor ferdinand, obrigado!
        ñ tinha lido ainda, mas vou ler sim 🙂

  5. Gerson disse:

    e tbm queria dizer que o site está de parabens, além do obvio: tá bombando
    eu só acho meio estranho um blog com tantos fãs ter tão poucos comentarios, parece que o pessoal adora mas esta com preguiça de comentar…

  6. larissa felbherg disse:

    Senhor ferdina… As suas transfomacao ocoreu com um ritual e uma mordida?

  7. ingred alves disse:

    adorei a historia fê,ótima como todas bjuss….

  8. Gisely disse:

    Adorei.. muito divertida a parte em que tudo fica levitando ou caindo … Fiquei imaginando a cena ..rs Brincareiras a parte, realmente e’ muito ruim quando temos nossa privacidade invadida …..e pensei que so’ humanos tivessem que lidar com este inconveniente..mas pelo visto ate’ os vamps deixam a desejar affff mas pelo um bem maior muitas vezes temos que engolir meio que atravessado certos Sapos ou seria morcegos?! rssssss

  9. ingred alves disse:

    Nossa,,serio eu nao teria vontade de deixar a vampir no sol simplisente fazer outra brincadeiras para ela aprender…bem esse é meu jeito de ser nao conheco mt bem o teu honey….
    Bjuss ;))

  10. Gisely disse:

    Ola ingred 🙂

  11. Dark disse:

    Otima historia,adorei

  12. Veronica serena disse:

    Realmente ter visitas inesperadas e ainda violadoras de residência , é algo que até mesmo eu gostaria de matar ! O.o mudando um pouco de assunto… , ter imaginado as coisas levitando e o Ferdinand assustado , foi muito engraçado ! =D kkk…

  13. va disse:

    kkkk…. boa!!! Eu teria me estressado… kk

  14. Aeron disse:

    Que garota atrevida!
    Você é realmente muito, mas muito, paciente. Eu provavelmente a deixaria onde estava e ainda jogaria alguns móveis sobre ela.
    Francamente…

  15. Hellena Lamonier disse:

    P.S. ela foi brincar com um vampiro muito mais velho sendo ela uma recém criada, não brincar com ela pois se ela já ta assim imagine quando for anciã…

  16. Ola ha todos sou nova por aki
    Mais ja lia a algum tempo e esse foi mais um relato q me chamou atençao…e realmente algumas brincadeiras sao totalmente sem graça alguma