Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

11 Resultados

  1. Ana disse:

    Coitado do Daniel… XD

  2. TheMarchHare disse:

    Fico feliz que a 3 parte já está no blog. Finalmente, esse conto já acabou. (Na minha opinião, foi longo demais…)

  3. TheMarchHare disse:

    Ah, Ferdinand, tenho uma pergunta…É possível matar um vampiro a pancadas com um extintor de incêndio, ou é só parte da minha imaginação mesmo?

    • Então se tu conseguir bater a ponto de derrubar o cérebro da cabeça é provável que ele encontre a morte final. Fora isso ele vai ter uma tremenda dor de cabeca enquanto regenera. No caso ali de só umas pauladas em um dia ou dois esle deve estar novinho em folha. Sujestão, se tiver paciência continue a trama com ele acordando e querendo vingança. Adoraria publicar a continuação aqui 😉

      • va.minsami disse:

        concordo!!! kkkkkk…. ri demais da Andressa com o Daniel! kkk.. muito bomm….. continueeeeeeeeee…. pleaseeeeeee 🙂

  4. TheMarchHare disse:

    Poxa…Assim complica para o meu lado. Mas eu bem que estava pensando em uma continuação, tipo mini-série com o sociólogo Arruda atrás do assassino de sua família… :s

  5. TheMarchHare disse:

    Quando eu comecei a escrever o conto, não pensei muito em por a senhorita Andressa como personagem de relevância na trama. Em minha mente ,quem iria realizar tudo o que ela fez era o próprio Daniel. . Além disso ,o sociólogo não sobreviveria sem ir parar num sanatório novamente , os jornalistas responsáveis por lhe tomar as dores.
    Mais tarde eu percebi que ,não importa o quanto eu anote, quem dá o rumo dos personagens são os próprios personagens…
    Minha mente é apenas o meio. Eles são o fim. >.<
    Acredito também que o Sociólogo tenha caído nas minhas boas graças…Bem como Andressa,nome escolhido por mim em memória a
    uma amiga…

  6. TheMarchHare disse:

    Enfim,são pequenos detalhes assim que fazem com que seja difícil (quase impossível) que eu pare de escrever…

    • Ana disse:

      Uma coisa não pare de escrever, tal como o Ferdinand faça mais publique mais coisas. Eu gosto de ler e por vezes dá-me imaginação para composições para inglês e português (disciplinas).

  7. Seus textos são muito bons! Realmente, esperamos que continue a escrever 😉
    Beijinhos, Becky.