Um(a) namorado(a) vampiro(a)?

À volta para o Brasil depois de longos e gélidos anos vivendo fora, não foi algo que eu possa chamar de tranquilidade. Logo no início tivemos a readaptação com a língua, depois a descoberta de alguns novos comportamentos brasileiros e na sequencia outros problemas, que somente um lugar sem muitas leis ou tradições pode te proporcionar.

Eu já era um vampiro há quase 50 anos e isso deixava meu mestre muito contente. Havíamos passado os anos iniciais de minha transformação de uma forma até que plausível. No entanto, aqueles malditos pesadelos, relacionados a tudo o que havia acontecido comigo na Europa, torturavam meu sono. Para se ter ideia as imagens vinham a minha cabeça como uma obra sarcástica e macabra, que nem mesmo meu amigo doutor poderia arquitetar.

Lembro-me até que muitos me falavam para eu dar um passo adiante e Franz insistia nos bacanais regados a muitas bebidas, meretrizes ou drogas. Contudo, eu confesso que nem mesmo a melhor das prostitutas, poderia mudar minhas ideias repletas de pessimismos, controvérsias e saudades.

Foi quando Eleonor, percebendo minha carência afetiva, veio até mim na tentativa de amenizar as dores das pedras em minhas botas. De início ela surgiu com um papo de irmã, porém aos poucos ela mostrou um lado que até então eu apenas ouvia falar nas pomposas e sarcásticas palavras ditas pelo Franz. Nesta época, as idas e vindas amorosas dos dois havia terminado, porém na verdade acredito eu que houve uma espécie de enjoo mútuo. Cousa de quem já havia passado mais de 100 anos entre momentos frios, por vezes calientes, muito libidinosos e quase sempre confusos.

Pode ser que todo aquele rolo entre os dois tenha proporcionado alguns pensamentos profanos em mim, haja vista os frequentes detalhes sórdidos que eu ouvi. Porém não nego que sempre tive uma queda por Eleonor. Ainda mais naquele instante,onde eu estava com o coração em pedaços e até demorei para perceber suas investidas. Quando, numa noite qualquer enquanto estávamos a sós na fazenda, ela me veio com um papo diferente.

Não me lembro das roupas, do cenário, do contexto e de quaisquer outros detalhes, que como vocês bem sabem sempre me vem em excesso a cabeça. Obviamente por que depois de algumas palavras muito bem trocadas, eu só conseguia me concentrar naqueles lábios: muito vermelhos e deliciosamente carnudos.

Provavelmente relembramos de nosso passado compartilhado, fomos juntos além dos interesses mundanos e criamos uma atmosfera de desejos, que se sublimaram em gostosos beijos e amassos…

Naquela noite iniciava mais uma etapa de minha não vida e algo que certamente nunca esquecer. Principalmente pelo fato, de ter sido quando comecei a deixar a ignorante inocência humana de lado.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: http://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

26 Resultados

  1. A(not)vampire disse:

    Boa noite 🙂
    Galego, meu lindo, não sei se esse post teve alguma coisa à ver com o dia dos namorados e tal, mas adorei de qualquer modo você ter trazido esse tipo de intimidade à tona, afinal dá pra notar que você, o Franz e a Eleonor são super ligados.
    Hoje meu professor de física estava comentando que nós somos muito novos e tal, e que por isso não sabemos o quando a vida realmente derruba a gente. Tristezas à parte, acho que você fez o que ele nos aconselhou a fazer: se levantou.
    E a vida continua, né. Post maravilhoso como sempre, embora eu ainda ache Julie e Ferdinand o casalsinho mais pop de todos XD

  2. Gisely disse:

    Lindo texto e pelo que pude sentir Eleonor realmente foi um divisor de aguas em sua nova vida, acredito que tudo na vida tem um proposito e nada sera por acaso ….que bom que voces se encontraram em um momento importante assim 🙂

  3. Janielly Rodrigues disse:

    Ai ai Wampirs por isso adoro vocês, tudo em família ahahahahaha 3:)

  4. sabrina_susy disse:

    Amei o texto,ter um namorado independente da espécie ou raça,ou sei lá o que mais chamam é ótimo,mas ter um namorado Wampir….é maravilhoso.Digo por experiência,não se sabe o que é viver e morrer ao mesmo tempo até namorar um…Concordo com a Gisely sobre a Eleonor ter sido um divisor na sua vida,e um dos bons,afinal como uma vampira dessa não seria,rsrsrsrsrs.

  5. Ju B disse:

    Boa noite caro Ferdinand… Tempo que não comentava aqui em teus posts… Você colocou em pauta a questão de etapas na vida de um ser… Creio que tanto um humano quanto um sobrenatural, tenham as etapas da “vida”, claro de formas diferentes. Acho que aqui mostrou claramente como conseguiu de alguma forma, desligar um pouco a humanidade e sua eterna ignorância inocente, como você mesmo disse. Muito bom este post no qual mostra uma pequena, porém importante parte de sua transformação e eternidade. 😉

  6. Aeron disse:

    Conto maravilhoso!
    Sei lá, senti um romantismo sombrio por aqui e… S2

    Mas mudando levemente o assunto… Eu nunca imaginaria que vampiros pudessem sofrer com depressão… Ainda mais uma “depressão levemente esquizofrênica”. Como é isso?
    Deve ter sido realmente problemático, já que tudo para os vampiros é mais intenso.

  7. Lady Sabrina disse:

    Como sempre uma linda história meu querido Galego.

  8. Lara disse:

    Bela história, Herr Ferdinand.
    Boa noite à todos!

  9. Ingred alves disse:

    Ola fe q sdds tava sem meu pc q esta quebrado, kkk essas historias me fazem rir, fe eu precisava de umas respostas e queria te perguntar umas coisitas sobre o sr. Hadrian Shaw rsrs vc sabe usar dm no twitter ne? ^^

  10. Ingred alves disse:

    Eq eu sou meio teba pra mexer no e-mail pelo celular kkk nao sei se vc notou mais parei de te mandar emails…

  11. Gabriela disse:

    Que texto lindo e profundo, traduziu tudo que sinto no momento, me identifiquei! Ferdinand, sou nova por aqui e já estou encantata com a sensibilidade que vc tem quando escreve! Parabéns!

    • Olá senhorita bem-vinda! Sensibilidade, interessante… Primeira vez que ouço isso de meus textos, obrigado ^^

      • Axel Vampire disse:

        Tocante ……. mudando o assunto quem você queria trazer de volta a vida? responda se quiser mais não irei cansar de lhe perguntar o porque do seu medo de transformar alguém e quem você quer tanto reviver (não estou lhe pedindo respeito a sua conclusão)

        • Axel há um grande equivoco por tua parte, eu não tenho medo de “transformar outros em vampiro” tanto que fiz isso com Sebastian. Ocorre que dom é muito importante e não pode ser doado a qualquer um que aparece me pedindo.

          Com relação a reviver alguém isso me soa como injustiça, pois durante tanto tempo em que estou neste plano foram muitas as pessoas que eu tinha por importantes e se foram.

  12. Gabriela disse:

    De nada! Sente – se a sensibilidade de um texto quando o autor escreve com a alma, e consegue, através de palavras traduzir tudo o que está sentindo, isso é o mais belo!

  13. gaby gabrielle disse:

    quero virar vanpira !!

    • Bem-vinda! Boa sorte entonces rss

      • Monick disse:

        Vocês de um jeito no geral ” Viajam “, Vampiros entre outros seres sobrenaturais não existem, não nego se existissem seria “Ótimo” ?
        Nos associamos a imagem de vampiro com aquele homem mau lindo e sexy mais não é assim.
        Você é vampiro ?, então prove, se você for mesmo vampiro deixo você beber todo meu sangue (Não todo quero viver, vai que eu estou errada, quase impossível).
        monick99@live.com

        • Claro com certeza, por isso um blog é uma ótima forma de me expor. Sempre vai ter gente que vai ir contra, sempre terão os incrédulos e também os que ficam com uma pulga atrás da orelha. Isso é muito bom para mim, assim posso falar de tudo, na pior das hipóteses serei apenas mais um escritor, ao mesmo tempo em que livro minha cabeça de tudo que se passa nela… Entenda, isso é uma espécie de divã para mim, a ideia principal é falar e falar sem preocupações, como quem vai a um psicólogo.

  14. fabiana lee disse:

    que bom saber que vc gosta de falar sobre isso fer é muito legal de sua parte expor seus sentimentos assim ……que bom que essa intimidade estre vc e a eleonor continua mútua e alias ela sumiu do site ….. beijos fer

  15. Elisa disse:

    Nossa profundo! Belo texto! Mas se vc e tudo que diz pq quebra a lei MASQUERADE todo bom vampiro sabe que n se deve quebra-la??? Desculpa ar palavr palavras mas …

    • Bem-vinda! Máscara? Acho que tens lido muito aquele RPG Vampiro a máscara minha querida… Apesar disso eu te explico: fazer o que faço e postar nossas histórias faz parte dos planos de minha família 😉

      • Eliana disse:

        Olá Ferdinand boa noite gostei muito do se texto perfeito .
        Só tem uma coisa sou fascinada por historias sobre vampiros e gostaria de saber da sua historia .Não que eu esteja duvidando de voce ,mas todos que eu falo desse assunto diz que eu estou ficando obsecada .
        Dai então como saberei se a tua historia é veridica??
        Por favor responda-me quando puder tá desde já agradeço pelas belas palavras escritas beijks .

        • Olá minha querida, bem-vinda! Digamos que a minha história sempre foi o pano de fundo de tudo que falamos por aqui. Por vezes é inevitável e sou obrigado a falar um pouco mais de mim em posts como este, mas não é minha ideia. Também não tenho interesse em provar nada, haja vista, que isso aqui é uma forma de divã, então apenas divirta-se… Beijos!

  16. Oi Ferdinand, estou usando o face e isso tá na cara né? Bem, eu sou fã de vampiros desde pequena, e as vezes sinto a presença de alguém me observando, eu devo me preocupar com isso? Sabe as vezes tenho sonhos incriveis com vocês, e tipo eu acho que o que você faz é muito bom, como você mesmo disse é um tipo de Divã, claro que eu não tenho duvidas de suas palavras, elas são doces e suaves ao mesmo tempo, e hora ou outra fico meio hipnotizada com tantas coisas divertidas (eu acho) que vocês fazem, isso é como sorvete de chocolate, você pensa que já esta saciado mais basta colocar mais uma colher que você quer mais.
    Isso é muito idiota, mais você escreve tão que estou a ponto de me apaixonar… *u* bem espero que tenha uma boa eternidade