Certa noite eu vagava em forma de névoa pela mata perto de casa e ouvi ao longe:

Ainn deiadii deixadii dii a trop, aiiiitaaa aaanaaa, itiii orostaa gaviiina” e isto era repetido em forma de mantra dando ênfase às vogais…

A postos fiquei ao longe, usufruindo de minha visão no escuro, até que percebo um casal, sentado no meio de um clareira. O casal estava concentrado recitando esse mantra e uma luz levemente amarelada circundava os seus corpos.

Tá certo já tinha visto tanta coisa nessa não vida que aquilo até parecia coisa normal, mas minha curiosidade sempre foi meu maior defeito e permaneci ali em forma de névoa. Por certo momento até pensei em ficar ao lado deles, mas algo me dizia que aquilo não cheirava bem.

O cara era moreno, parecia ser alto, tinha uma barba rala e trajava uma espécie de vestido amarrado. Já a mulher não era muito bonita, tinha feições masculinas, era magra, mas ao mesmo tempo forte, usava um top e uma sainha. Ambos tinham os braços tatuados com muitas formas tribais na cor vermelha.

Concentrado ali na situação e nas pessoas, ouço ao longe passos… Algo parecido com algum mamífero quadrúpede, que aos poucos para e libera e claro e bom som um uivo de ensurdecer os desavisados. Se eu estive na forma humana com certeza teria ficado arrepiado.

Quando volto minha atenção ao casal vejo o cara deitado e mulher de quatro, ela parecia fraca, mas era nítida sua transformação… Estava ela virando uma loba… Maldita peluda!!!

A transformação de um metamorfo, não é algo muito lindo de se ver, ocorre de certo modo lento para quem vê. E parece ser dolorido, pois o ser se contorce todo. Diferente da transformação vampiresca que ocorre magicamente, sem maiores dores ou problemas.

A loba começa a correr para longe, ao que parece em direção ao outro lobo, o do uivo. Já o cara que estava até então desmaiado começa a acordar. Ele se levanta olha em volta recolhe algumas coisas que tinha ao chão e coloca em uma mochila. Depois disso ele se ajoelha pega um punhado de terra esfrega contra o seu peito e diz “Illuminatus lupus,   Magistrae vitae“…

Maldito bruxo… Esse foi o dia em que eu descobri que também existiam “bruxas” homem e o pior. Eles tem ligação com o mundo dos malditos peludos.