A noite estava fria, uma densa névoa insistia em ocultar a maioria dos prédios ao meu redor e lá estava eu num dos meus apartamentos próximo ao centro. Estar próximo ao centro de uma cidade é sempre muito vantajoso com relação à acessibilidade, principalmente aos bares, lojas de todos os tipos, ambientes culturais e tudo mais que possa servir de apoio à vida eterna de um vampiro.

Todavia, estes mesmos centros suportam também muitas cousas ruins, tais quais: criminalidade, excesso de pessoas, trânsito, polícia e todo tipo de caçadores que um sobrenatural possa imaginar. Os antigos inclusive, nos dizem para nos ausentarmos o máximo possível de tais lugares, porém eu mesmo sou a prova de que o “agito” é totalmente viciante.

Então, enquanto eu assistia a um bom filme, praticando aquele gostoso ócio, surge-me aquela tradicional presença de algum ser sobrenatural. De início devido à distância do fulano eu não soube definir o que era. Porém, à medida que ficava mais próximo eu soube com exatidão que era um Wampir e a cada segundo a mais que passava algo me dizia que era provavelmente um conhecido.

Sabe aqueles momentos em que você não espera visitas, não agendou nada e ainda por cima quer curtir uma noite de sossego fazendo o simples “nada”? Calma, isso ainda vai piorar… Já apostos e preparado para o que pudesse surgir, sinto o tal Wampir perto do prédio. Aparentemente é apenas a sensação da presença e nada físico ou audível surge aos meus sentidos aguçados.

Certamente, algum poder estava sendo utilizado e antes que pudesse ser surpreendido, parti para um dos quartos, onde noites atrás eu havia guardado a “caixa”. Esta nada mais é do que uma caixa de madeira, tratada de forma hermética e onde guardo algumas poções, amuletos e demais utilidades que a vida sobrenatural me obrigou a colecionar.

Confesso que ser surpreendido nunca é bom, mas rapidamente liguei alguns fatos e lembrei com precisão das aulas que tive com o falecido Joseph (saudades do Zé) sobre invisibilidade. Inclusive, achei um saquinho de tecido onde ele havia escrito algumas palavras e eu outras por cima: “Apenas dois poderes avec une réelle visibilité, estes somente les vieillards dominavam. Juste au cas ou autre sempre tenha consigo algumas feuilles des lespedezioides para a magia…”.

Daquele instante em diante, minha noite de calmaria virou o mais absoluto caos. Alguns objetos da sala começaram a levitar, outros simplesmente caiam ao chão e até mesmo as cortinas balançavam sem o sopro de qualquer vento. Fatos que me puseram a preparar uma anti-magia. Concentrei-me enquanto mascava as folhas de lespedezioides e com o punhal ritualístico cortei a palma da mão esquerda. Misturei a pasta com o sangue e disse as palavras mágicas… Silêncio… Tudo imóvel e calmo novamente, mas por pouco tempo. Segundos depois sou surpreendido por um novo barulho do lado de fora, daqueles onde algo grande cai e se espatifa ao chão.

Sendo minha curiosidade algo tão evidente, eu não me contive e fui rapidamente a janela ver o que era. Imagine a minha surpresa ao ver Letícia, a vampira ruiva, imóvel ao chão. Por sorte ela havia caído num gramado escuro e oculto do jardim lateral, o que facilitou o seu “resgate”.

Uma coisa é a Julie ou a Beth com suas brincadeirinhas, outra é uma novata vindo desrespeitar o meu doce lar. Confesso que a minha vontade naquele instante era de deixá-la no quintal para que o sol levasse a sua alma para o inferno, mas seria complicado explicar tudo para o seu mestre. Então, por via das dúvidas acabei levando-a para o apartamento onde ela dormiu por mais uma noite e dois dias.

Existem poucas regras em nosso mundo, mas certamente brincar com um vampiro mais velho pode até mesmo ser punido com a morte final. Sinceramente, mesmo depois de ela ter dito que tudo não passava de uma brincadeira, eu ainda tive vontade de perfurar cada uma de suas unhas com várias agulhas. Todavia, pensando na aliança entre nossos clãs, mandei-a de volta ao seu criador. Ao menos por uns tempos não verei a cara da infeliz.

Obviamente aqui estou eu vendo os classificados de imóveis…