As torturas de um filósofo

“No canto da sala e sentado a sua poltrona predileta ele pitava o tradicional Davidoff, adquirido décadas atrás em uma tradicional tabacaria de Londres. Cidade, aliás, onde adquiriu o hábito de preparar um bom Latakia para os seus momentos mais íntimos e contemplativos…”

A noite era fria e úmida, típica da serra e da região a qual ele havia escolhido para seus experimentos, recheados de segundas, terceiras ou até mesmo quartas intenções. Nenhum conforto ou itens da era contemporânea. Todavia, alguns detalhes indicavam seu lado mais refinado e podíamos observar seu estilo, por exemplo, nos móveis. Todos foram escolhidos a dedo entre os seus pertences prediletos e inclusive há quem diga que alguns pertenceram a celebridades de outras épocas.

As luzes das lamparinas a óleo iluminavam parte do outro canto da sala e se não fossem as roupas seria difícil dizer quem era o homem ou quem teria sido a mulher do casal. Ambos receberam as punições necessárias de Hector, em função de seus “pecados” e se Frederick não quisesse brincar mais um pouco com seus corpos, certamente suas almas já estariam em outro plano.

– Dizem que a pureza da alma pode ser vista quando os corpos estão prestes a perecer e por isso os trouxe aqui… Vejam a fumaça que se esvai deste belo Latakia, que queima livremente em meu cachimbo. A alma dos humanos é como esta fumaça e flui livremente aqui neste ambiente controlado e sem as intemperes mundanas.  Agora vejam o que acontece se eu estalar meu dedo ou sussurrar algo próximo da base do fogo…

Thssspaaa… Ecoou a chibata nas costas do homem, que se contraiu mais uma vez e emitiu alguma espécie de grunhido áspero de dor.

– Ok ok vocês andam calados depois de tudo o que Hector os proporcionou…

Nesse momento ele se aproximou da mulher e continuou seu monólogo próximo de seu ouvido esquerdo.

– Tu achavas mesmo que passaria toda tua vida medíocre, fazendo aquelas pessoas moribundas sofrerem ainda mais no hospital por causa dos remédios adulterados, que com a maior cara lavada e de pau, tu aplicava nelas? E tu seu viado, achavas mesmo que iria conseguir comprar o silêncio de todos, diante o dinheiro que tu levavas por fora com os fornecedores e pilantragens que fazia?

Thssspaaa… Thssspaaa… Thssspaaa… Thssspaaa… Mais duas chibatadas em cada um deles e finalmente a mulher resolveu se pronunciar com um silencioso “por-fa-vor”.

– O que tu resmungou?

– Por-fa-vor… Por favor, para…

– Ah mas que alegria, realmente como dizem as mulheres são mais resistentes.

Nesse instante Frederick volta a se sentar em sua poltrona, pita mais duas vezes o cachimbo e prossegue:

– Em que posso ser útil? Aliás qual a sua graça mesmo? É Silvia, não mesmo? Vamos lá Silvia conte-me o que está tão ansiosa para falar!

A mulher tossiu e expeliu o sangue velho e seco que estava em sua boca. Depois se concentrou para inflar os pulmões e proferiu algumas palavras carregadas de ódio, utilizando as últimas forças que ainda lhe restava:

– Vai pro inferno junto daqueles outros demônios, vocês são bestas que Deus colocou no meu caminho.

Hahahahahahah gargalhou Frederick como se tivesse ouvido a melhor das piadas.

– Então depois de tudo o que aprontasse ainda ousa pronunciar o nome de alguma divindade? Sabes o que mais me irrita nos humanos? É essa externação de culpa, essa falta de coragem para assumir os próprios erros diante aquilo tudo que faz para si ou para os próximos. Pelo visto depois de tudo o que tu passaste tu não aprendeu nada não é mesmo? Chega…

Frederick levantou-se rapidamente, aproximou-se da mulher e com as próprias unhas rasgou de fora a fora o pescoço da infeliz, que ainda se contorceu por mais alguns instantes e faleceu jorrando sangue por toda a parede e chão a sua frente.

O vampiro limpou suas mãos nos trapos da falecida e voltou calmamente para sua poltrona, onde pitou por mais algumas vezes o tal Davidoff. Onde provavelmente planejou friamente o destino do homem semivivo a sua frente.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Lella Moraiss disse:

    Uau… Que frieza…

  2. Analianny Oliveira disse:

    Era muito mal.. mais mesmo assim gostei..

  3. Cassio Ferrari disse:

    pelo que eu li ele foi ate complacente com ela pelo o que ela fez com os pacientes do hospital e ainda mais de proposito acho que ele deveria aplicar os remédios adulterados nela e torturá-la ainda mais,sem falar no cúmplice dela,estou ansioso para ler o final da tortura