Nas últimas noites tenho falado por aqui sobre minha nova cria, sobre o processo de escolha e dos vários porquês dela ter sido escolhida. No entanto, muitos de vocês  me vieram com diversas dúvidas e comentários como, por exemplo, por que eu não transformei as duas finalistas do processo de seleção? Vamos aos fatos.

Ao longo dos anos, digo isso no geral humano e não apenas no mundo vampiresco, aprendemos que o tempo é algo complexo. Dele extraímos desejos, sonhos, experiências e são poucos os que realmente se adaptam as rotinas vampirescas. Além disso, há um grande problema ao se transformar alguém, pois ao longo de mais ou menos seis meses ocorrerá o que eu chamo de compartilhamento da alma.

Nesse processo árduo, criador e cria passarão por um período de sonhos, vontades e até pensamentos compartilhados. Imagine eu andando de moto por ai, depois de me alimentar quando a certo trecho do percurso sinto fome novamente. Na verdade minha vontade estava saciada e o que eu sentiria na verdade seria a fome de minha cria.

Além disso, há uma espécie de doação de poderes onde nossas forças se esvaem para quase a metade ao longo do processo. Fato este que pode comprometer consideravelmente a constituição física do “transformador”.

Vocês não esperam que algo de tal magnitude fosse simples, não é mesmo?