A história de Sophia

Alguns dias atrás tive o prazer de ser agraciado por e-mail com a detalhadíssima história de Sophia.
Ela foi enviada pelo Christian, que é leitor aqui do blog e que em breve deve se apresentar a todos.
Espero que gostem de seus escritos tanto quanto eu gostei.

SOPHIA

Mariana olhava-se no grande espelho do quarto, inspecionando a imagem: sandálias plataforma, cor de ouro velho. As unhas dos pés e das mãos impecavelmente bem acabadas, num tom quase negro. As longas e bem torneadas pernas (seu orgulho, e maior arma de sedução) com o tom obtido em algumas seções de bronzeamento artificial dispensavam meia-calça. O brilho da saia feita a partir de um vestido azul de festa, de paetês, e da blusa frente-única dourada de tecido semelhante, davam a impressão de que estava coberta de jóias. Mas ela ainda não estava satisfeita. Revirou as coisas que guardava na gaveta do criado-mudo procurando algo que servisse como complemento. Era o que faltava, uma singela gargantilha com pingente de strass para completar o brilho.
Nova inspeção no espelho. Os olhos de safira aprovavam o resultado agora. Como sempre, um retoque no batom, uma mexida nos longos cabelos anelados, castanhos, e estava pronta para sair. A partir desse momento não atendia mais pelo nome de batismo: Mariana Silveira. Tornara-se Sophia, assim mesmo, com “ph” que ela fazia questão de frisar, nome emprestado de um livro que lera pouco tempo antes de optar pela mais antiga das profissões. Na verdade, poucas pessoas sabiam seu verdadeiro nome. Mariana só existia ainda para os tios que a criaram e viviam no interior de Mato Grosso, com quem se correspondia muito raramente, sendo para ela própria hoje quase uma estranha. Uma vez até lhes enviara um cartão postal de Bariloche, onde havia estado a serviço, assinado com o nome Sophia. Depois explicara dizendo ter sido brincadeira.

O trabalho nas noites de São Paulo rendia até bem, mas necessitava de investimento constante. Roupas, maquiagem, bons perfumes, dentista, salão… Tudo para manter a qualidade do produto, pois os clientes exigentes é que pagavam mais, e ofereciam quase sempre melhores condições de trabalho. Além disso, a concorrência era acirrada. Comentava sempre que uma vez um sujeito havia dito que elas poderiam dar aula de marketing, tal a dedicação que tinham em agradar sua clientela, tudo fazendo para satisfazer – “Encantar o cliente é uma arte que vocês, meninas, dominam como ninguém!”.

No percurso de ônibus entre o pequeno apartamento e o centro da cidade, como sempre ela divagava. Que teria acontecido se não tivesse saído do Mato Grosso? Ou se tivesse realmente estudado, como dizia aos tios. Ou ainda, se tivesse forçado o Toninho, filho do fazendeiro dono de todas as terras que ela conhecia na época, a aceitar o filho que fizeram nas cocheiras, ao invés de ceder ao velho pai dele quando pediu para tirar? Tantos caminhos diferentes… Mas a realidade veio acordá-la na voz de um gordo bigodudo e suado: “Aí, boneca. Cê trabalha aqui perto, né? Vai descer logo? Se tiver precisando de companhia, e não cobrar caro…”.
– Vê se te enxerga que não sou pro seu bico, bujão! – E já foi se levantando e tocando o sinal para descer. A noite ia ser longa ainda…

Após descer do ônibus, sob os palavrões do gordo e dos gestos obscenos que ele fez pela janela, que ela viu mas fez questão de ignorar, pegou na bolsa um Hall´s de cereja e seguiu altiva pela calçada em direção ao seu ponto, perto do Palace Hotel. As sandálias faziam um ruído característico e ritmado ao baterem no cimento da calçada, mas ainda estava cedo e com o movimento das ruas, o som era quase imperceptível. São Paulo sempre foi impressionante para Sophia, mesmo agora, após cinco anos de sua chegada. Ficava fascinada pelas luzes dos prédios, os néons, o fluir dos carros e a fauna noturna da metrópole. Pena que a poluição fosse indissociável do cenário… O centro, mais precisamente perto do Teatro Municipal, da rua Sete de Abril ou próximo ao Viaduto do Chá, parecia evocar Nova York. Ela nunca havia estado lá, mas tinha visto algumas fotos em revistas e algumas imagens na televisão, e sempre achava semelhante o cenário.
Um carro importado, de um azul metálico bem escuro, passou por ela e estacionou um pouco à frente. O vidro da janela do passageiro desceu suavemente. Ao se aproximar ela olhou de soslaio para o motorista. Um sinal discreto da mão foi suficiente para que se aproximasse.
-Oi! Sozinho ainda? – Ela colocara estudadamente as mãos na janela do carro e se inclinara para falar com o homem. Sabia que a blusa descia formando um arco invertido que permitia um rápido vislumbre dos seios, bem proporcionados e sem marca de biquíni. Isso sempre encorajava os clientes. Esse não foi diferente, seus olhos foram imediatamente magnetizados pelo decote generoso.
– Por enquanto. E você? – A voz bem modulada e grave a agradou.
– Por enquanto também. Podíamos resolver isso fácil, fácil… – disse Sophia, mostrando um sorriso treinado mas não menos encantador. – Meu nome é Sophia, gatinho.
– Prazer. Christian. Quer beber algo, Sophia?
– Pode ser… E depois?
– Ainda é cedo. Depois veremos. Entre.
A trava emitiu um clique e se elevou, permitindo que a garota abrisse a porta e se acomodasse ao lado do motorista, num banco de couro suave ao toque e envolvente. – “Hoje me dei bem! O cara além de bonito é grã-fino… Isso é que é carro!” – Dentro do carro pode observar melhor seu cliente. Apesar do português perfeito, ele não parecia nem um pouco ser daqui. O cabelo suavemente anelado caía em mechas castanhas emoldurando um rosto anguloso e viril. Se fosse mais novo, Sophia poderia jurar que era modelo. Christian usava um terno escuro, talvez grafite, bem talhado. Roupa de alfaiataria, certamente. A camisa em tom de casca de ovo, com costuras verticais, tirava um pouco a sobriedade da roupa, que nem era tanta, pois não incluía gravata. A conclusão de Sophia: Executivo jovem, (muito) bem sucedido e de bom gosto para carros, roupas e mulheres, claro… E que não gostava de praia.
– Aonde vamos, Christian? Conheço alguns barzinhos e restaurantes bem perto daqui que…
– Não são ambientes que eu goste. – interrompeu Christian – Se não se importar, minha casa não fica longe e com certeza vai ser bem mais agradável. Que acha?
– Bom… Aí fica mais caro, sabe como é… Pode rolar a noite toda…
– Não se preocupe com isso. Você será muito bem paga pelos seus serviços, garanto.
– Isso não inclui amigos não, né? – Sophia passara por maus bocados uma vez, ao aceitar esse tipo de convite. Apesar do cachê, nada pequeno, a “festinha” durou até umas nove horas do dia seguinte e ela perdeu a conta dos homens pelos quais passou, de todas as formas possíveis… Fosse outro sujeito ela já estaria fora do carro, mas Christian olhava para ela bem nos olhos, e sem saber como, ela não se sentia capaz de reagir mais energicamente. Christian deu uma gostosa risada.
– De jeito nenhum! Só nós dois! – ele disse, tão sinceramente que Sophia relaxou e aceitou. Christian então, com o consentimento dela, sinalizou e deu partida em direção aos Jardins, destino que Sophia considerou óbvio para um carro daqueles. – Pode aumentar o som, se quiser.
– Assim tá bom… – Sophia deitou a cabeça no encosto do banco, passando um braço sobre o ombro e pensando que a noite poderia ser longa, mas parecia ter tudo para ser memorável…
Christian estendeu a mão e tocou de leve sua coxa, causando uma sensação agradável. Ela inclinou a cabeça e ao olhar nos olhos dele, de um azul profundo, pareceu que tudo em volta escurecia, as luzes dos outros carros, dos bares, dos prédios. Tudo entrava em um torvelinho, como se um ralo gigante aspirasse a paisagem urbana. Apenas os olhos de Christian permaneciam em foco, com aquele azul intenso e magnético e o único som remanescente era a música dos Rolling Stones que ecoava nos alto-falantes do carro. Depois disso, Sophia apagou, como se estivesse drogada.

O Jaguar XJ8 enveredava silencioso por uma estrada de cascalho ladeada por grandes pinheiros pouco espaçados, formando uma espécie de túnel muito escuro e lúgubre. Apenas o pequeno trecho iluminado pelos faróis deixava perceber o lugar. Sophia ressonava no banco do passageiro, com a cabeça voltada para o vidro e seus cabelos encobrindo parcialmente a face. As mãos bem feitas repousavam uma sobre a outra e esta sobre a coxa direita, para onde Christian suavemente as afastara assim que saíram da auto-estrada, em direção à região de chácaras particulares onde ele mantinha sua residência, num condomínio fechado de alto nível, cuja principal característica que o atraíra a comprar o imóvel foi a absoluta discrição oferecida pelo lugar. A maioria dos abastados proprietários utilizava as mansardas como residência de fim-de-semana, para aliviar a tensão constante de morar em um grande centro urbano, assim o condomínio geralmente vivia deserto à noite, tendo muito raramente uma festa particular em alguma das casas. O último portão dos poucos e distanciados existentes naquela alameda dava acesso a sua casa. Ao se aproximar, um sensor apropriado detectou a passagem do Jaguar pelos últimos quinze metros do grande muro antes do portão e acendeu as luzes externas da entrada e as que ladeavam a via de acesso às garagens. Instantes depois a trava eletrônica dos portões emitiu um clique e as duas pesadas folhas de ferro trabalhado em motivos florais moveram-se lentamente, mas no prazo suficiente para que o carro pudesse passar pela entrada sem precisar parar do lado externo nem um segundo. Após a passagem, outro sensor “avisava” ao sistema para inverter o movimento dos portões, para que fechassem e a trava fosse novamente acionada. Mais eficiente que uma equipe de seguranças e porteiros e depois de algum tempo em operação, também mais barato. No caso de Christian, que prezava sobretudo seu isolamento e mínimo contato com pessoas, o sistema de segurança especialmente projetado estendia-se por toda a área de circulação externa e também quase toda a parte interna da casa, uma pequena fortaleza de 320 m2 de área construída instalada em um desnível do terreno, com a forma aproximada de um “H”.
Enquanto estacionava, Sophia despertou. Olhando em volta surpresa viu que entre os arcos de pedra da garagem encontravam-se mais dois carros certamente muito caros, o que revelava o poder aquisitivo do homem ao seu lado.
– Já chegamos? – falou debilmente, ainda desorientada.
– Sim. Creio que você estava muito cansada, pois adormeceu no carro. Achei melhor não incomodá-la. Vamos descer e te mostro a casa.
Ao sair do carro, Sophia notou mesmo estando noite que era uma bela casa, olhando para o jardim coberto de arbustos e iluminado por postes baixos de ferro fundido. As sombras das árvores ao fundo não permitiam ver o muro, dando a impressão de que era ainda maior o terreno. Próximo da escada de pedra que desciam agora ouviu o som de água, parecendo que havia uma cascata nos fundos da casa. – “Isso é que é vida!” – pensou, sem saber que palavras usar para elogiar o pouco que vira do lugar.
A escada terminava num pequeno hall também forrado de pedra e aberto para o fundo do terreno, de onde pôde distinguir mais silhuetas de pinheiros e o céu com poucas estrelas e uma lua em quarto crescente. Ao lado de vasos com pequenas palmeiras ficava a porta de entrada, em madeira rústica lavrada com ferragens um tanto desproporcionais. Ao passar pela porta, Sophia percebeu que a casa reservava ainda mais surpresas: Um amplo salão cujas luzes se acenderam ao entrar, pendentes de candelabros de ferro suspensos por correntes. Dois ambientes dividiam o espaço, ambos muito bem decorados. Um grande sofá modular permitia vista para três portas envidraçadas na parede esquerda, guarnecidas por pesadas cortinas. Parecia um cenário de cinema…
– Fique à vontade, Sophia. Vou pegar uma bebida, tem alguma preferência? – Os modos aristocráticos de Christian a deixavam encabulada.
– Não. Qualquer uma serve, desde que não seja forte.
– Um vinho vai cair bem.
Encantada pela gentileza de Christian e pela suntuosidade a sua volta, Sophia nem se preocupou com o fato de ter adormecido no carro, o que não era nada normal. Esforçava-se para ocultar seu deslumbramento, mas era difícil. Christian voltava do bar com duas taças de um vinho tinto, escuro. Estendeu uma em sua direção. – Vou te fazer um pedido. Espero que não estranhe, mas eu gostaria de te ver com uma outra roupa, mais adequada… Tudo bem?
Uma mulher como Sophia já se acostumara aos fetiches dos clientes e isso era indiferente para ela. Apenas deu de ombros, concordando. Então Christian indicou-a um corredor. – Na terceira porta à direita há uma suíte. Tudo o que precisa está lá, e certamente vai servir em você. Eu fico aqui esperando, não demore muito… – Terminou a frase com um sugestivo sorriso.

O corredor também se iluminava conforme Sophia avançava. Escutou o som sendo ligado na sala, música clássica suave. Christian com certeza seria um cliente exigente. A suíte tinha uma cama enorme de dossel. Sobre ela estava uma longa camisola negra e um penhoar de seda. Ao lado um estojo de veludo aberto, com uma gargantilha larga e brincos pingentes de pérola que deviam ser falsos, mas de muito bom gosto. Uma penteadeira trabalhada com um grande espelho oval ficava ao lado do toalete, repleta de borrifadores de aparência antiga. Sophia decidiu que era necessário um banho antes de se arrumar. “Encantar o cliente…” pensava enquanto despia a roupa sumária para encarnar a rainha que Christian esperava.

O som do violino de Vanessa Mae enchia agora a grande sala da casa. Christian ficou satisfeito ao ouvir o característico chiado do chuveiro que vinha da ala dos quartos.

Enquanto girava o vinho na taça de cristal tcheco ricamente trabalhada, Christian imaginava o que estava para acontecer naquele momento. Sua decisão fora tomada apesar dos riscos envolvidos, e agora não voltaria atrás. Há instantes o ruído do chuveiro cessara. Estava na hora de por seu plano em prática. Pousou a taça na pequena bandeja de prata Birmingham do século XIX que estava na mesa de centro e se dirigiu ao quarto.
– Sophia? – disse suavemente acompanhando dois toques na porta. – Desculpe minha impaciência…
– Só um minuto…
“Tempo é o menor dos meus problemas, se ela soubesse…” – pensou ele enquanto aguardava. Instantes depois Sophia abria a porta da suíte. Christian ficou surpreso com o que viu: Ela parecia uma séductrice francesa que tivesse tomado vida e saído de uma tela impressionista. Christian tomou-lhe a mão e girou-a lentamente sobre si mesma. Ela, divertida com sua reação, ficou mais a vontade.
– E então, aprovada?
– Plenamente!… Venha comigo. – Christian enlaçou sua cintura e descobriu suas costas, deslizando o penhoar até os cotovelos de Sophia. Ela sentiu um arrepio com o toque frio da mão dele, mas não demonstrou.
Ao voltarem para a sala, ele serviu outra taça de vinho a ela e abriu uma das portas do terraço. Chamou-a. A noite estava agradável e o terraço seria adequado às intenções dele. Abraçou Sophia por trás e beijou-lhe suavemente o ombro. Seu corpo parecia aquecer-se em contato com o dela, que emanava um requintado perfume, escolhido dentre os frascos da penteadeira.
Aquele era enfim o território de Sophia, que estrategicamente deixou cair o penhoar, mostrando mais de sua pele sob o tecido fino da camisola. Christian afastou uma das alças, quase expondo um dos seios, que Sophia ofereceu aproximando-o da sua boca. Antes de beijá-la novamente, os olhos de Christian se ergueram e encontraram os dela, semicerrados mas em brasas, mostrando que não estava ali apenas como uma profissional. Nesse momento, com o olhar capturado pelo de Christian cujo azul intenso quase desaparecera pela dilatação das pupilas, um torpor inexplicável dominou-a. Sentia a boca de Christian deslizar lentamente sobre seu seio em direção ao pescoço, via-o, mas era como se estivesse desmaiada, o corpo completamente entregue nos braços fortes que a seguravam inclinada sobre a balaustrada do terraço. Parecia um sonho, no qual Christian a carregava de volta para dentro na direção da suíte. Não notou quando ele tirou dela a camisola, mas estava nua ao ser pousada sobre os cetins da cama de dossel. As luzes já estavam apagadas ou não? Era difícil lembrar…
Na penumbra do quarto ela sentiu o toque firme de Christian sobre sua carne. As mãos contornaram sua cintura e seguiram em direção às axilas, de onde estenderam seus braços, como se fossem crucificá-la na cama. Sophia estava consciente de tudo mas não se movia por conta própria. Uma força arqueava de leve seu corpo, que embora sem reação, ansiava pelo que estava por vir. Então sentiu o corpo dele integrar-se ao seu finalmente, primeiro em movimentos suaves, que foram se intensificando até o mundo girar a volta dela. Quando Christian estava quase no clímax, ela percebeu uma fisgada no pescoço. Não era exatamente uma dor, mas sentia que algo estava preso nela. “Um dos ganchos da gargantilha deve ter se soltado e está machucando um pouco.” – pensou, mas não conseguia levar a mão até lá, nem pedir para Christian um momento. O corpo dele pesou de repente sobre ela, sem se mover por uns instantes. O incômodo no pescoço passou, mas ela sentia que um fogo a devorava por dentro.
Christian mordeu de leve o próprio punho e apertou. Um filete de sangue escorreu de imediato e ele pôs o pulso nos lábios de Sophia, esfregando-os suavemente de forma erótica e tingindo-os, antes que o coração dela parasse. Ele podia ouvir o batimento ritmado e cada vez mais lento, mas que voltou a acelerar gradativamente enquanto o sangue de Christian fluía pela sua garganta.
– Acabo de te dar um presente muito raro, garota… – sussurrou – Espero que goste.
Sophia soltou um suspiro baixo e sua língua saboreou aquele sangue adocicado nos lábios. O mundo se acabava a sua volta, numa sucessão de imagens rápidas: uma lápide em um descampado… as ruas do centro à noite… cavalos correndo do fogo… tochas… sua imagem no espelho do pequeno quarto… uma jovem num amplo camisolão, coberto de sangue… imagens que se misturavam e se sobrepunham! Muitas outras, agora mais rápido, mais rápido, mais rápido… até não ser possível distingui-las mais…
… Silêncio…
Christian observava, fascinado. Nem o menor tremor nos músculos de Sophia. Estava morta, mas em breve voltaria.
Levantou-se devagar sem tirar os olhos do belo corpo que jazia sobre o cetim negro da cama, os cabelos em desalinho emoldurando o rosto perfeito, sereno. Sereno também estava o rosto de Christian, agora saciado de sexo e de sangue fresco. O ferimento em seu punho já não existia, restando apenas duas pequenas cicatrizes que se apagavam pouco a pouco.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

118 Resultados

  1. March H. disse:

    Fiquei toda arrepiada com esse texto… Muito bem escrito! Ahh vampiros… Um dia eu vos encontrarei. ;3

  2. va disse:

    Estou impressionada com a escrita dele. Não conseguia parar de ler rrsrsrsrs…. Muito bom o texto dele…. A história é muito interessante…. Por um acaso não teria o segundo capítulo? kkk…..

  3. Lin-Kun Cadu disse:

    De 0 a 10 caveiras, essa historia merece 20! Cara, ta muito legal!

  4. msa disse:

    nossa historia perfeita bem detalhada mesmo gostei

  5. msa disse:

    to loco para conhecer ela melhor ^^

  6. Fernanda disse:

    Poucos textos ou livros conseguem prender a minha atenção, mas este realmente foi muito bem escrito e com uma riqueza de detalhes impressionante. Não pude deixar de perceber que o nome do vampiro é o mesmo que do escritor. Um profundo amor pelo próprio nome ou um relato real da vida?

  7. va disse:

    Também pensei nisso Fernanda!! Christian, Cadê o capitulo dois?!… rsrsrs….

  8. Galego disse:

    Como eu já disse gostei muito da história e repito o que disse ao Christian por e-mail: Adoro detalhes, mas achei que a dele teve muitos em alguns momentos, não? Isto não é uma crítica é mais questão de gosto pessoal mesmo 😉

  9. Baronesa disse:

    o.O surreal…adorei… bem redigido!!

  10. va disse:

    Galego, os detalhes descritos me permitiram imaginar a cena… É realmente uma questão de gosto, eu gostei….

  11. Baronesa disse:

    As garotas de programa são sempre alvo…

  12. Baronesa disse:

    eu gosto de detalhes, faz a imaginaç]ãop trabalhar, fiquei babando naquela penteadeira com espelho oval!!#megusta

  13. Baronesa disse:

    *imaginação, desculpe me empolguei com a penteadeira!! háhá

  14. Lin-Kun Cadu disse:

    Quando sai a continuaçao *–* (meu teclado esta com problemas em digitar com acentos).

  15. Baronesa disse:

    boa pergunta Cadu, acho que como o Christian é detalhista com certeza teremos uma continuação…TOMARA!!! rsrs

  16. Lin-Kun Cadu disse:

    Por causa da história do Christian me inspirei pra mandar uma paródia que fiz de Crepúsculo pro Galego, falta só eu terminar de escrever.
    #modocoringaativado

  17. Baronesa disse:

    ÊEEE finalmente uma comédia neste blog!!! viva ao CADU!!!

  18. Baronesa disse:

    tava tudo muito “darkness” nessa bagaça, como diria Marcelo Tas, aí sim Cadu!! xD

  19. Lin-Kun Cadu disse:

    xD Eu vou logo explicar o enredo antes de enviar mesmo, na história o meu personagem favorito da história que eu criei quando tinha 10 anos viaja pra Forks e conhece os personagens da Meyer, e como toda criatura é semelhante ao criador o meu personagem vai esculachar todo mundo xD

  20. va disse:

    Já estou até imaginando o que vai sair disso… Manda mesmo, tomara que ele publique…. kkkk…

  21. Baronesa disse:

    êêê já to ansiosa.

  22. Baronesa disse:

    obs: essa moça da foto e a moça do post Será ela minha escrava de sangue? parecem ser a mesma, é cheia de sardinhas…..#especulação a gente vê por aqui! 😉

    • Galego disse:

      Nossa Barô, nem tinha reparado. Acho que devia estar pensando na Beth quando escolhi, pois ela também é sardentinha… Olha eu bobo falando demais de novo…

  23. Doombringer disse:

    Me encanta moças com sardinhas. *-*

    *limpa a garganta*

    Enfim, não gosto de historias detalhadas demais. Primeiro que eu perco a paciência e vou saltando os detalhes mais irrelevantes. Segundo que não dá imaginar como as coisas seriam do seu jeito a interpretação é uma só a acabou, geralmente isso tira um poco a graça.

    E antes que venham me excomungar, não tô criticando a história, seus cabeçudos! ò.ó

    Nice job, Christian! \o/

  24. Lin-Kun Cadu disse:

    Doombringer, foi tu que desenhou o Altair-foda-pra-caralho na sua imagem de perfil *–*?

  25. Baronesa disse:

    Galego xonadooo ♥ ♥
    xD acho pintinhas bonitinhas também

  26. Baronesa disse:

    Altair-foda-pra-caralho YEAH!!! xP

  27. Lin-Kun Cadu disse:

    Baronesa joga video-games/jogos de pc?!
    OMG, vou vomitar um arco-íris =.=

  28. Doombringer disse:

    Doombringer, foi tu que desenhou o Altair-foda-pra-caralho na sua imagem de perfil *–*?

    Oh yeah. 🙂
    Tá até lá no facebook.

  29. Baronesa disse:

    que é?? eu gosto de games…é melhor que que ficar tomando enquadro na madrugada….embora gostar de games não seja motivo para não ter vida social,vida que eu tenho e muita 😉

  30. Baronesa disse:

    ♥ Kane & Lynch.. YEAH!!

  31. Lin-Kun Cadu disse:

    loooooooooooool para os dois >.< Eu desenho mas tenho que aprender a fazer finalização ainda '_'

  32. Doombringer disse:

    Finalização é um pouco chato de se aprender, principalmente o sombreamento. Só vim pegar noção agora. –‘

    O negócio é ficar praticando MUITO.

    PS: tem uns tutoriais bacanas pela net.

  33. Lin-Kun Cadu disse:

    Eu tenho um monte de apostilas e tutoriais mas faz um tempo que não pratico.

  34. Baronesa disse:

    vão estudar olha o final de ano aí!! rsrs

  35. Viviane Ferreira disse:

    Ótimo! Adorei!!
    Quero continuação!!!

  36. Christian disse:

    Olá Pessoal!

    Primeiro, quero agradecer ao Galego por ter permitido a publicação do conto! E também pela introdução que ele escreveu a respeito. Ele, como quase todos os vampiros, é um gentleman.

    March, Va, Cadu, Msa, Fernanda, Baronesa, Doombringer: Agradeço os comentários!

  37. Christian disse:

    Va, a história tem continuação sim. Na verdade faz parte de um livro que estou finalizando.

    Cadu, achei show de bola a cotação em caveiras!

    Fernanda, nem uma coisa nem outra… Adotei o nick Christian, que é o nome do personagem, por motivos pessoais. Mas achei legal sua observação a respeito. Poucas pessoas prestam atenção a esses detalhes…

    Falando em detalhes, o motivo de serem muitos no texto é exatamente o que expressou a Va: criar na mente do leitor a cena com o máximo de riqueza possível. É uma questão de estilo literário. Porém, concordo com o que disse o Galego e o Doombringer sobre excesso de detalhes. Todo excesso é negativo e preciso monitorar isso para não exagerar…

    Baronesa, a penteadeira com espelho oval eu trouxe de minhas lembranças de infância, pois morei em uma casa com muitos móveis antigos e tinha uma assim. Mas em Embu das Artes você pode encontrar, sabia? Tem alguns antiquários legais lá, mas prepare o bolso…

  38. Lin-Kun Cadu disse:

    De nada cara xD Mas ta aí, o povo gostou da sua história *3*

  39. msa disse:

    Nice

  40. msa disse:

    Na verdade adoro detalhes 🙂 torna tudo mas interessante

  41. Lin-Kun Cadu disse:

    >.< Depois sou eu que vou enviar, mas preciso terminar de escrever.

  42. msa disse:

    Manda ai juro que comentarios nao vai falta

  43. Baronesa disse:

    Christian, por coincidência (to tremendo agora) ontem eu estava justamente em Embu das Artes. e realmente ao passar por algumas lojas de atiguidades vi algumas penteadeiras que me fizeram lembrar da sua história, fora cestos, fontes,cristais e artesanatos de tudo quanto é tipo. eu trouxe uma bruxinha en resina, mas é tudo bem carinho hein…

  44. Christian disse:

    Baronesa, vc esteve bem próxima de mim… Moro em Embu das Artes. Coincidências…

  45. Fernanda disse:

    Christian eu adoro detalhes, para mim eles são essenciais em histórias e até na vida.

  46. Fernanda disse:

    Falar em estar perto, estou de férias, e esta semana eu estava em Floripa, fui pra lá por 3 motivos: sempre tive vontade de conhecer a cidade, tive uma conversa com duas amigas( Baronesa e Va)e quem sabe eu não encontrava algum VAMPIRO por lá. rsrsrsrs

  47. Lin-Kun Cadu disse:

    FIca relax, vou enviar >.< Mas eu vou mandar de parte em parte *3*

  48. Lin-Kun Cadu disse:

    O massa daqui de Brasília é que o vampiros são políticos.Não sugam teu sangue e sim dinheiro ¬.¬

  49. Baronesa disse:

    kkkkkkkkkkk

  50. Lin-Kun Cadu disse:

    Mas é, não que Brasília seja o pior lugar do mundo mas em questão de política e caráter é melhor não esperar nada desse povo.

  51. Baronesa disse:

    política e caráter é geral Cadu, não é só aí não…

  52. msa disse:

    lol lol cadu podemos dizer que esses tipos de vampiros que suga dinheiro estao em toda parte ^^

  53. Lin-Kun Cadu disse:

    Exato, exemplo grande aqui em casa é minha mãe e meu irmão.Meu irmão suga o dinheiro do meu pai e minha mãe suga meu dinheiro ‘_’

  54. Baronesa disse:

    positivamente msa. as vezes dentro da nossa própria casa…

  55. Lin-Kun Cadu disse:

    Pois é u.u E olha que eu nem faço essas coisas xD

  56. msa disse:

    verdade baronesa dentro de casa em tao nem se fala

  57. Lin-Kun Cadu disse:

    Nem dô trabalho em casa aheuaheau Nem precisa gastar dinheiro comigo 😛

  58. Janielly Rodrigues disse:

    Nossa Galego, to impressionada!
    Adoro histórias com os mínimos detalhes…
    Todo esse texto faz minha imaginação ir além…
    é como eu sempre digo ” A vida que eu realmente quero viver, só existe em meus desvaneios”.
    Adorei!

  59. Baronesa disse:

    Christian, andando pela sua cidade, pude perceber de onde você tira parte de sua inspiração, cidade linda, mística e cultural! tudo de Bom!!

  60. Christian disse:

    Baronesa, de fato Embu tem um clima inspirador e muitos ambientes propícios para histórias interessantes. As ruas do centro cultural ficam bem desertas à noite, e isso me dá tantas idéias…

    Me adicione em seu msn e poderemos falar mais a respeito: christian.gramont@hotmail.com

  61. Baronesa disse:

    está adicionado. porém só estou on line após as 21:00h

  62. Lin-Kun Cadu disse:

    Será que o Christian manda mais outro o3o ?

  63. Baronesa disse:

    mas não relacionado a Sophia

  64. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Me interessei muito pela História, quando sair o livro acho que vou até dar uma de anjinho com os meus parentes para sair e comprá-lo,junto com o livro do Galego.Nada mal,mesmo.

  65. Baronesa disse:

    duas!

  66. Christian disse:

    Baronesa e Chet, obrigado pelo incentivo! Tenho de terminar logo o livro para batalhar editora!

    Cadu, já mandei mais um texto para o Galego! Quando ele puder creio que vai publicar sim, mas a Baronesa está certa, não é nada relacionado à Sophia. É um conto baseado num sonho que minha esposa teve…

  67. Baronesa disse:

    Isso fica matando a gente de curiosidade. aguardaremos ansiosos.
    Christian você é meio místico não é? Você acredita no sobrenatural ou já teve experiências nesse sentido?

  68. Christian disse:

    Místico, até que não, Baronesa… Mas acredito no sobrenatural sim e tive uma pequena experiência que me despertou a curiosidade para este lado das coisas. Além disso, já testemunhei alguns eventos curiosos e inexplicáveis ocorridos com pessoas próximas. Tudo isso me leva a crer que o mundo físico é apenas uma pequena parte do todo e, se estivermos atentos e abertos a isso, o sobrenatural acaba se mostrando…

  69. Baronesa disse:

    penso da mesma forma sabia, acho nosso mundo é apenas a pontinha do iceberg. interessante essas experiencias sobrenaturais. me fascinam.

  70. Lin-Kun Cadu disse:

    Ok então cara xD

    Mas enfim, sobrenatural demais pode dar traumas e problemas psicológicos ‘_’

  71. Baronesa disse:

    depende do modo de como vê as coisas que não se entende ou não se sabe explicar. “mente aberta”

  72. Baronesa disse:

    hoje em dia é mais facil aceitar o diferente.

  73. Christian disse:

    Por onde anda o Galego, alguém sabe??? Não tive retorno do último e-mail que mandei. Creio que seja o livro dele o motivo do sumiço aqui no blog…

  74. Baronesa disse:

    sim sim leia os ‘pensamentos soltos’ ao lado que tem um recado do Galego lá! 😉

  75. Christian disse:

    É… Mas acho que todos sentem falta dele por aqui, concorda, Baronesa?

  76. Christian disse:

    Bem, boa noite… Ah! Só para instigar: Querem saber qual a relação entre uma festa de halloween e aquelas plaquinhas de VENDE-SE que colocam nas entradas de condomínios? – Vão saber quando for publicado meu próximo conto… rsrs

  77. Baronesa disse:

    lol, *curiosidade me corroendo…

  78. Lin-Kun Cadu disse:

    Nah,até eu esqueci de escrever a segunda parte da sátira porque eu tava passando a primeira pro inglês ‘-‘

  79. Baronesa disse:

    ta chique hein??? xD

  80. Lin-Kun Cadu disse:

    Doomy que falou pra eu fazer isso no meu Deviant u.u

  81. Baronesa disse:

    vai atingir outros publicos. legal 😉

  82. Lin-Kun Cadu disse:

    POis é ,teve até uma guria americana que me adicionou mesmo eu dizendo ”I don’t speak english” e aí ela começou a falar em espanhol comigo.
    Uma das última frases dela eu usei o Google Traductor e a frase foi ”Estou usando uma calçinha fio dental”.

    Minha reação foi o meme What e por pouco eu já ia digitando ”que bom pra vc ¬.¬”.

  83. Baronesa disse:

    LOL…kkkk como eu te disse vai atingir “outros” publicos kkkkk

  84. Christian disse:

    KKKKKK !!!! – Essa foi ótima, Cadu!… O que confunde a gente e faz pensar que vc é homem são os seguintes fatores:

    Lin-Kun Cadu – Parece nick masculino (por causa do Cadu)
    Avatar – Parece personagem masculino de anime
    Comentários – seu linguajar passa por masculino…

    Não culpe a guria americana, coitada, que estava toda animada por trocar idéia com “um garoto” do Brasil…

  85. Christian disse:

    NOTA: Nas primeiras vezes que li seus comentáios aqui também achei que eram de um cara, e não de garota…

  86. Baronesa disse:

    e eu que falo com ela pelo msn direto…achando que era um menino…! o.O

  87. Lin-Kun Cadu disse:

    u.u Muito tenso, mas esse é meu linguajar normal,eu gosto de avatares com personagens masculinos ,acho fofinho. Já o Cadu na verdade é unissex mas isso é outra história xD
    Sorte dessa guria por que nem falei pro meu pai ,isso seria quase pedofilia via internet u.u

  88. Lin-Kun Cadu disse:

    Quando eu era criança só não me confundiam com um moleque por causa dos meus vestidos mas eu sempre tive jeito ”masculino”.Antes meu pai achava normal, depois que eu cortei o cabelo bem curto ele tá puto xD

  89. Baronesa disse:

    kk imagino. eu também cortava curtinho. era style!!

  90. Lin-Kun Cadu disse:

    EU gosto muito do meu cabelo curto e tinha fotos dele quando era bem enorme,acho que passava um pouco do quadril ‘_’ Não quero deixar ele bem grande de novo u.u

  91. Fernanda disse:

    Cadu, por todos estes fatores que o Christian citou acima, que eu tb achava que vc era um garoto, mas já sei que não é.
    Seu apelido deveria ser DUDA.
    Só pra saber, sua família tb te chama de CADU?

  92. Lin-Kun Cadu disse:

    Nem, só os meus amigos mesmo e se já me chamaram nunca ouvi ‘_’

  93. Christian disse:

    Boa noite!

    Lin-Kun Cadu, que tal trocar seu nick para Diadorim? Conhece essa figura? É da literatura nacional (Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa).

  94. Lin-Kun Cadu disse:

    Não conheço ‘_’ Mas o que tem a ver comigo o.O ?

  95. Fernanda disse:

    Eita! Diadorim!

  96. Christian disse:

    Lin-Kun, não leve a mal a brincadeira… A personagem Diadorim é célebre porque era uma mulher que se fazia passar por homem, e assim conseguiu entrar para o cangaço. Usava cabelo curto e se portava e falava como homem, mas apenas para atingir seu objetivo de vingança.

    Creio que foi a primeira personagem andrógina da literatura nacional.

  97. Baronesa disse:

    Diadorim YEAH!! 😉

  98. Lin-Kun Cadu disse:

    Ah só ‘_’

  99. Baronesa disse:

    se tiver um tempinho dá uma lida nesse livro é muito bom viu!!

  100. Lin-Kun Cadu disse:

    Vixi, eu não consigo ler livro brasileiro, sério.Sou assim desde criança u.u Meu pai reclama que isso é muito ruim da minha parte, tentei ler Dom Casmurro porque era em 1ª pessoa e quem disse que consegui? Foi muito chato -_-‘

  101. Baronesa disse:

    realmente não são leituras faceis, mas se conseguir voce absorve coisas boas!

  102. Lin-Kun Cadu disse:

    Nunca consegui xD

  103. Baronesa disse:

    Machado de Assis por, exemplo ele é tão detalhista nos textos que voce se sente na história… a propósito, acho que o Crhistian absorveu isso….humm

  104. Lin-Kun Cadu disse:

    Nah, Machado de Assis nasceu no mesmo dia que eu e mesmo assim não tenho simpatia com ele xD

  105. Christian disse:

    Que honra, Baronesa!!! Ganhei o dia com esse comentário seu! Será que posso pleitear uma cadeira na ABL? rsrsrs

    A propósito, tenho bastante influência de Dan Brown (Leu O Código DaVinci, e outros? – Já li todos dele…)

  106. Baronesa disse:

    sim sim li sim e achei interessantissimo, essas teorias com embasamento são estimulantes. 😉

  107. euamovampiros disse:

    texto perfeito

  108. Baronesa disse:

    eeeee mas gente entrando no blog!!

  109. Lin-Kun Cadu disse:

    Uhu, mais novatos pros veteranos trollarem \o/

  110. Baronesa disse:

    xP

  111. eita besíssima hitória em Cristian, parabéns pelos detalhes.

  112. Rais disse:

    Adorei

  113. Baronesa disse:

    tem gente que tem o dom mesmo é fato!