A morte do meu irmão Zé

Certa vez me disseram que a única certeza que todos têm é de que um dia a morte chegará, no entanto isso com certeza não é perseguido por ninguém.

Hoje é uma noite parecida com muitas pelo qual já passei. Não nego que cada vez que ocorre o que acabo de ver sinto-me mais fraco diante de tudo, pois é uma situação que poderia ocorrer a qualquer um independente de ser alguém com poderes ou não.

Antes que eu comece a me perder em tantos assuntos como faço sempre, eu quero deixar registrado aqui um momento foda. Sei que isso é uma palavra digamos feia, mas é necessária para exemplificar a situação.

Zé era um apelido carinhoso para o meu destemido irmão, um ser iluminado que possuía amigos em todos os lugares e sempre estava disposto a te dar uma mão no que fosse preciso. Não importava se tu ligavas para ele de dia ou à noite, pois ele sempre estava pronto a te ouvir.

Quando nos falamos pela última vez foi algo rápido, uns 15 min no celular, mas o suficiente para ganhar força para continuar no meu caminho. Afinal minha casa havia sido invadida e eu precisava de algo que me motivasse a continuar mais uma vez.

A dor que senti nas últimas noites é complicada de explicar. Perder alguém que conhecemos tão proximamente, mais de 200 anos como é o caso do Zé, é difícil. Dizem que os amigos são nossa segunda família. Eu discordo, acho que fazem parte da primeira junto com os parentes de sangue.

Eu não iria revelar os próximos trechos, mas eles irão ser mostrados como um paciente que libera o seu inconsciente ao psicólogo.

Duas noites depois a que eu fui fazer uma visita ao meu amigo e deixar a sua encomenda eu recebo um telefonema de um amigo em comum trazendo o pesadelo:

– Galego, o nosso amigo Zé não está mais entre nós.

Sabe quando se tropeça, leva um choque ou se queima? A minha sensação foi similar e fiquei estático e atordoado. No começo não acreditei e até acho que senti algumas lágrimas psicológicas inflamarem o meu rosto. Se eu não tivesse alimentado é bem provável que deixaria o meu demônio aflorar.

Apesar disso, recolhi o ódio em alguma parte do que ainda resta da minha humanidade e fui até a casa do pobre vampiro.

Lá chegando, minha visão foi poluída com muitas coisas quebradas, alguns filhotes estavam mortos jogados em um canto e uma grande poça de sangue guardava o que pareciam ser as cinzas de algo que foi queimado. Ao tocar o sangue, senti um aperto na cabeça e uma breve tontura indicava que aquilo eram os restos de quem eu não queriam que fossem.

Hoje depois de algum tempo eu retomo uma situação vivida há vários anos chamada vingança!

Não sei o que vou encontrar ou por onde estarei apenas sei que preciso descobrir o que levou meu irmão. Talvez eu não aguente mais uma dessas, mas minha mente só irá sossegar quando tudo for resolvido.

25 Comentários

Olá Galego !!!
eu entendo a sua dor , tbm perdi alguém recentemente e foi algo horrível , e tudo começou por um erro médico , quando soube disso quis pular no pescoço do desgraçado do médico ,e torce-lo e acabar com ele , apesar de não ser uma vampira , me senti como se algo dentro de mim desejasse a morte do desgraçado, porque ele já tinha feito isso com outras pessoas e sempre saia impune , e continuará a fazer … até que alguém acabe com ele..
Então , o que quero dizer é que eu entendo a sua dor ,sempre vamos ter esa lembrança , mas precisamos aprender a suporta-la , esquecer jamais…
Tenha cuidado , a vingança leva a ruína , pelo menos aqui no mundo humano
NÃO sei aí no seu mundo a vingança é a forma de justiça , mas repito tenha cuidado , com o tempo as coisas se acalmam , pois sempre há tempo de dor e de alegria .
Bem , espero que aceite as palavras de um jovem humana , seja vc quem for fique bem .

Aeeeeeeee Galego mata ele !!!!!!! e ja era . nao vai trazer seru irmao de volta mas vai aliviar pra kct .

Como diz o velho ditado

Olho por olho
e
Dente por dente…

A vingança nunca traz alguém de volta. Mas sim, alivia a dor.
Bem, meus pêsames. Eu sinto muito.

Na quarta feira, meu padrinho morreu. Nem senti nada, ele não queria saber de mim desde que eu ainda era criança. Mas quando foi a morte do meu avô, em 2005, eu senti muito mesmo… Principalmente porque sonhei com ele naquela noite. Sonhei que eu tentava puxá-lo de um buraco… Mas não consegui salvá-lo. Me senti impotente, e aquilo foi muito doloroso. E na manhã seguinte, meu pai me ligou dizendo que meu avô havia morrido. O pior é que me pai não disse onde ele estava enterrado… Acho que nunca me senti tão mal. E por incrível que pareça, não chorei.

Até hoje me sinto inútil em relação a morte das pessoas que gosto. Mas, reconheço que não posso fazer nada… A não ser lamentar.

Galego, ser forte é importante sempre. Gostaria de poder ajudá-lo a encontrar uma saída, mas a única coisa que posso fazer agora é te desejar boa sorte. Você pode contar com o apoio das pessoas que acompanham seu blog, inclusive com o meu apoio. 😉

Pois é Giulia, estou no caminho de algo que irá me levar (espero eu) a um alívio de consciência. Só me resta deixar as pedras rolarem…

É meu amigo sinto profundamente sua perda, e torço imensamente que o responsável pague caro por isso, sei que ñ precisa de conselhos pois tem tempo de casa mas, como gostamos de vc lá vai um, deixe a poeira baixar, a dor que vc sente jamais vai acabar, mas vai acalentar em saudades, pensar com a mente fria fara de vc um exímio caçador e deixará claro coisas que com raiva ñ vemos, meus pesames novam. e se precisar sabe q pode contar…bjz

Galego,eu posso ajudar…
Eu sei que é meio estranho,mas uns dias atrás eu sonhava com um nosferatus morrendo,e nao sabia bem o que era,acordava meio tonta e ficava na cama suando frio.
Tenho o pressentimendo de que eu sei quem matou o seu amigo,e se quiser ajuda,estou aqui.
Um abraço,e melhoras,pois eu sei como é ruim perder alguem…
eu o saúdo. Géssica Iannuzzi.

Mon Ami não existem palavras que realmente traduzam essa dor..As palavras humanas são restritas de mais para para traduzir o que a nossa “alma” percebe. Não será vez que perderemos amigos que fazem um certa simbiose de vida com a genete, mas cada um deles é o que expressa algo parecido com uma parte de nossa “morte”. Depois de tantos éons aprendi que melhor que o sentimento de ódio é a semente de, que muitos acham impossível, brotar levemente em forma de um amor que nenhum humano será capaz de entender.
Feche os olhos quando a dor vier e deixe brotar essa semente que o O Grande amigo deixou plantada em vc. Repito à vc: Que os cinco elementos o envolvam o Zé e o transmute em sua melhor forma de revivenveciar outros mundos Meu Carinho pra vc e pra ele.Após tantos éonsaprendi a amar as diferenças. Meu amor e carinho pra vc e pro Zé. Beijos de luz em seu coração. Mon Ami

ainda nao cadu se e a respeito do meu irmao nao mais ja esta isolado o cara que matou meu irmao ja ta morto a muito tempo …
a respeito da historia do galego eu nao tenho nada ver nao e so por saber mesmo porque eu imagino a dor dele so isso valeu 🙂

nossa sinto muito cadu por vc e muito tiste perder quem amamos , e foi latrcinio roubo seguido de morte ,, nao me conformo ate hoje ele era pra mim como se fosse uma especie de super heroi que me defendia de todos os meus medos sinto muito sua falta

Nem cheguei a conhece-la pra se ter ideia, então não posso dizer muito. Sinto muito pelo seu irmão, teve um tio meu que morreu do mesmo jeito, foi ruim pra toda a família.

faço iadeia tive um primo que morreu comum tiro na cbeça bom ele passou sete dias na uti mais nao resistiu e acabou falecendo foi um back pra toda familia pois nao esperavamos por isso e foi por um motivo tao banal ciumes do ex da namorada dele entaum mais esse cara teve o que mereceu eu disse ao meu tio que ele ia pagar porque o q vc faz nessa terra aqui mesmo vc paga entao meu tava pensando em vingança eu disse a ele tio nao fica falando isso eu sinto dentro de mim ele vai pagar ,, e pagou com a propria vida com uma morte muito mais cruel ( a facadas ) o meu sexto sentido nunca falha cadu