Ainda existe amor neste vampiro?

Com certeza uma das perguntas que mais ouço é: “um vampiro sente ou pode sentir alguma espécie de amor?” Essa é na verdade uma pergunta muito capciosa, no sentido de que me deixa um pouco confuso ou pensativo demais para responder de supetão ou de imediato.

Seria erro meu dizer com prontidão, que eu sinto amor ou que todo vampiro pode e sente amor. Contudo, para responder essa pergunta eu prefiro ir além dela e analisar o contexto histórico e local, que envolve as pessoas e suas dúvidas quanto a isso.

É bem provável que as literaturas, filmes ou seriados da atualidade como Crepúsculo, Diários do Vampiro, Originais… Ou até a mesma aquelas dos anos 90, como entrevista com o vampiro ou Blade e afins tenham amenizado a monstruosidade que um vampiro exala.

Além disso, no Brasil ou em Portugal e no restante do mundo estaríamos vivendo um momento de falta de amor? Será que a internet tem esfriado os contatos pessoais a ponto do poderoso e mais inconsciente sentimento humano ter sido deixado de lado? Sinceramente, é complicado responder as estas duas perguntas, mas acho que a época atual é bizarra.

Digo bizarra, por se alguém no século XX ou XIX perguntasse sobre o amor. Aquele que tivesse de responder, certamente o faria com um brilho nos  olhos. Estufaria o peito, e mesmo que estivesse naquelas fases medíocres de falta de falta de amor. Falaria em claro e em bom tom que o amor é perfeito, que ele completa a união entre duas criaturas e que sem ele não é possível viver.

Cara, estamos aqui no século XXI e o cotidiano tem mostrado, que é possível sim viver sem o amor. Mas teria o amor acabado? Não, claro que não, mas poucos tem percebido as suas mudanças.

Voltando a antigamente, as pessoas se casavam e queriam passar a eternidade juntos, queriam passar 24 horas, dia e noite juntos. Porém, esse conceito mudou, as pessoas mudaram e hoje se vive junto de alguém até que a paciência acabe  e estamos todos sem muita paciência, não acham?

Concluindo, se alguém me pergunta se um vampiro pode amar um humano ou qualquer outro ser, essa pergunta não é nada fácil de responder. Todavia, eu sempre digo que sim, sou otimista, sou daqueles que ainda acredita no amor, mas também estou naquela fase sem paciência e se avacalhar de alguma forma a fila anda, babe!

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

16 Resultados

  1. CassandraBranca disse:

    Devo concordar, hoje a palavra “amor” é dificil de decifrar, pelo menos para mim. Os tempos realmente mudaram, mas sei que todos nós precisamos acreditar que ainda há alguem no mundo que nos fará suspirar e acelerar o coração, algo associado ao sentimento a que chamamos amor. Mesmo quem não acredite no amor,acho que terá sempre a necessidade de o sentir . Agora…indo aso encontro da sua ultima frase Ferdinand… falo nada … rsrsrsrsr

  2. scarletseeker disse:

    a o que você atribuiria a romantização dos vampiros na mídia atual?

    • Provavelmente, por que isso tem rendido muitos lucros às produtoras. E não é só com os vampiros, se tu parar para analisar todas as criaturas foram humanizadas ou romantizadas demais no últimos anos. Vampiros agora brilham no sol e namoram garotas do “high school”. Lobisomens são adolescentes fingindo que são participantes de gangues, digo matilhas. Bruxas são todas gostosonas… Assassinos são “cult” e agora até lúcifer, o tão famigerado demônio, virou playboy em Hollywood. Aliás, o Esquadrão suicida está vindo ai…

      • scarletseeker disse:

        eu não consigo evitar, de achar toda essa situação engraçada de uma maneira sinistra.,,principalmente a atual do Lucifer, que diga se de passagem cria uma imagem muito convidativa do antigo rei do inferno.

        • Entendo completamente, ontem eu estava assistindo o Lúcifer e dei boas gargalhadas, confesso, me identifiquei muito com o jeito bon vivant dele e suas piadinhas infames rss

          • scarletseeker disse:

            yep, a honestidade dele também é algo surpreendente na serie e eu realmente gosto do conceito de ele ser capaz de revelar a maldade e a essência humana

          • Ferdinand W. di Vittore disse:

            E se tu parar para analisar nem é tão sobrenatural este poder. Basta um pouco mais de atenção aos detalhes e tu descobre muitas intenções em olhares, bocas, gestos…

          • scarletseeker disse:

            alguns são capaz de se utilizar de manipulação com facilidade, in my case i wear my heart on my sleeve so that is kinda impossible for me hahaha

  3. Sophia Machemer disse:

    Lendo realmente oq eu me pergunto e oque poderia vir a acontecer com o amor entre um vampiro e um humano. Gostaria de saber se poderiam haver guerras por causa deste amor?

    • Abstraindo a questão romance e falando em termos de vida real, acho que não. Somente se fosse um caso muito específico, tipo traição da primeira dama de algum pais, por exemplo. O amor de um sobrenatural com uma humana me é tão comum, quanto o amor entre humanos. Abstraindo é claro a questão dos superpoderes e tal rss

  4. Natalia Sarint disse:

    Creio que todos os seres racionais ou irracionais tem a capacidade de amar, assim como de agir e sentir. Mesmo que com o passar dos anos o estilo de vida mude, e a palavra amor seja cada vez mais usada para coisas supérfluas, acho que o verdadeiro sentimento do amor sempre estará presente em tudo.Mas,se vocês vampiros um dia foram humanos, tiveram/tem sentimentos que sejam nostálgicos, afetuosos ou muitas vezes raivosos.Pq não seriam capazes de amar?
    Quanto se ainda existe amor nesse vampiro, tenho certeza que sim kkkkkkkk mas não me mate fê, adorei o “a fila anda”!

  5. Leidy disse:

    Olá..muito tempo sem passar por aqui…saudades daquela época…Eu não sei se restaria amor em mim se eu fosse uma vampira…acho que o que sobraria seria raiva..muita raiva…se eu tenho só uma vida e preciso de muito tempo comigo mesma para conseguir viver dia apos dia mediante as adversidades deste mundo podre, tentando respirar em meio a tanta podridão…não sei o que restaria senão sombras..Viver deveria ser um presente, um privilégio…mas com o passar do tempo tem me parecido um fardo…Não consigo entender essas pessoas loucas para se tornarem imortais…eu já não quase aguento ver o caminho que a humanidade está tomando todos os dias, os mais fortes sobre os mais fracos, os mais ricos sobre os mais pobres e principalmente os criminosos sobre os inocentes imagine se fosse um expectador pela eternidade…Um mundo onde os sãos ou se tornam loucos ou morrem sufocados pela loucura…affs..se ainda existe amor em você Ferdinand, mesmo sendo um imortal…Bom..alguém tem que sobreviver pra contar a história..

    Abraços..