Aventuras, investigações e péssimas escolhas

Anos atrás perdi um grande amigo e irmão de existência. Joseph era um cara pacato. Estava sempre disposto a bons papos, tinha gostos peculiares com relação à arte, música e não media esforços para conseguir o que queria. Tanto que, sua última aventura provocou o fim de sua existência neste plano.

A existência vampiresca nunca foi fácil e quem divulga tal comportamento merecia no mínimo um bom choque de realidade ou talvez um belo choque elétrico…

Quando se corre atrás dos desejos sempre temos dois caminhos: o normal é o atalho. Muitos livros, filósofos, historiadores e palpiteiros dão dicas de como conseguir as coisas pelo atalho, mas a grande verdade é que tudo depende da sorte do indivíduo.

Pode ser que numa noite boa fulano consiga o contato de boas, o mapa de boas e até mesmo o baú ao final do arco íris de boas. Todavia, certamente haverá a noite em que o teu contato vai ser um pilantra, o mapa vai te levar pra uma emboscada e o baú vai explodir teus miolos longe dá porra de um arco íris é no meio de uma puta tempestade.

Arriscar ou não? “Sei lá cara, não tô nas tuas calças e se tu acha que o atalho é bom, vai na fé guerreiro” diria um amigo meu.

Preciso dizer como estava a sorte do Sebastian na noite em que foi capturado? Pois é ele não teve os miolos espalhados, mas ganhou uma bela estava no peito. Uma estaca que não o matou, mas o prendeu.

Tiraram aquela merda apenas para que ele pudesse se comunicar conosco na forma de pedido de resgate. Sim, o contato se aproveitou que ele queria um presente precioso para sua esposa e o sequestrou. Simples assim…

O valor da troca? Algumas centenas de dólares, uma aparição pública de algum vampiro confessando a existência e muitos mais muitos problemas.

A solução? Rastreamento da ligação, geolocalização e muito stress no final de ano.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. alefcrz disse:

    O final ficou um pouco difícil de entender, pois parece que era um texto em outra língua e foi traduzida com o google tradutor para o português, mas se você reler até consegue entender. Mas fora isso tá legal, boa história

Deixe uma resposta