Sem sombra de Duvidas a Espanha é um dos países que possui a maior quantidade do povo Rom no mundo. Os Rom, chamados de Ciganos aqui no Brasil são um povo sem nacionalidade única, muitos vivem nos famosos acampamentos ao redor do mundo e o mais interessante de sua cultura é que muitos grupos são vistos fazendo uma espécie de parceria com os vampiros e lobisomens.

A magia cigana, ou melhor o ilusionismo cigano é muito famoso. Logo ao se depararem com ciganos a reação de muito é quase sempre a mesma: ”Lá vem aqueles chatos pedirem dinheiro”, “Putz outra panela de cobre?”, “Não senhora não quero que leia a minha mão”…

Acontece que muitos desconhecem os verdadeiros ”Gipsy Power”, algo sem nome definido, mas que provem em muitos aspectos do antigo Hinduísmo. Eu prefiro chamar de “Poder Cigano” por que depois de tantos séculos ele já pode ser considerado algo totalmente cigano e diferente da antiga religião Hindu.

Dentre as particularidades desse povo, pode ser percebido muitas coincidências com a sociedade vampiresca. Os deuses ciganos geralmente se manifestam a noite, são divididos em clãs, sendo que cada uma dessas famílias são organizadas pelas leis do “cara” mais velho do grupo ou o que possua mais riquezas e conseqüentemente mais poder de persuasão sobre os demais. Há grupos tanto nos ciganos como nos vampiros que são matriarcais, ou seja, uma mulher é a “Rom Baro”, mas isso são exclusivas exceções.

Ciganos e vampiros juntos? Sim, existem clãs de ciganos vampiros ou vampiros ciganos e a última vez que tive contato com eles foi ontem. Por motivos óbvios não posso dizer o local que nos encontramos, mas foi muito bom rever alguns conhecidos e em específico uma amiga apelidada de ”Madame …”.

Madame é uma vampíra cigana que a muitos anos é matriarca de uma trupe de ciganos. Quase todos os membros do grupo foram transformados pela própria Madame que possui um gosto apurado por jovens e belos artistas.

Gosto muito de encontrá-los e apreciar bons momentos entre as artes, as conversas e a troca de favores. Madame constantemente insiste em adivinhar o meu futuro, mas inevitavelmente terminar sempre com a mesma frase: “O teu futuro é você que faz…“.

Dentre alguns favores que trocamos consegui, algumas pistas interessantes sobre as assassinas do Zé e acredito estar cada vez mais próximo de um solução para este infortúnio.

Espero em breve vir a público contar a todos vocês que consegui pelo menos libertar a alma do meu irmão.