Dias de luta, dias de glória!

Estava aqui ouvindo a música Dias de luta, dias de glória do Charlie brown Jr. Sim, também ouço outras bandas além das gringas e cara, que letra foda! Curti principalmente a parte: “Mas hoje dou valor de verdade pra minha saúde, Pra minha liberdade”. Haja vista, que passei por um período muito turbulento quando fui acordado em 2005 e desde então, parecia que o mundo queria tirar meu sangue todas as noites. 

Mas vamos voltar as histórias, afinal, é por isso que vocês estão aqui… 

Noites atrás eu pilotava uma das minhas motos, estava com a HD antiga e um pouco frustrado com a bateria dela. Como pode uma bateria não aguentar duas semanas sem descarregar completamente? Certas coisas desse mundo descartável são um saco! 

Andava por uma avenida conhecida e resolvi parar num bar de sinuca que as vezes frequento. Um lugar repleto de outros motociclistas e sempre bom para fazer novos amigos. 

Papo vai e vem, comentei com um camarada que eu tenho negócios relacionados a fabricação de armas e ele comentou sobre a nova medida adotada pelo Presidente Bolsonaro. Eu já imaginava que o novo presidente iria facilitar o acesso e isso veio para nós em um momento ótimo. Ampliar os lucros do clã é sempre um dos objetivos de quem está no comando. 

Acontece que o camarada era contrário ao decreto e me surpreendeu. Disse que tal medida proporcionaria novos crimes ao invés de resolver aqueles que já existem. Meu lado esquentadinho queria retrucar e pensando na paz que vivo no momento, decidi ouvir mais dos seus argumentos. 

O argumento principal foi o fato de que ele possui filhos e estava preocupado com os pais dos amigos das crianças. Será que eles teriam armas em casa, será que as armas estariam em lugar seguro, será que as crianças teriam acesso e estariam mais propensas a possíveis acidentes? 

Como alguns de vocês sabem eu fui criado em fazenda/sítio e naquela época, quando ainda era humano, a relação com armas era diferente. Aprendíamos cedo a lidar com espingardas, pistolas e afins. Eram muitas as ameaças: lobos, lagartos, ladrões… Sim, se alguém entrasse na fazenda sem ser convidado, era recebido a bala. Ao menos uns tiros para o alto eram dados. Alertado aos invasores que havia gente disposta a lutar por sua propriedade. 

O papo rendeu bastante, vieram outros camaradas que comentaram sobre o assunto e no fim ficou uma dúvida. Os humanos brasileiros voltaram a época onde davam tiros, antes de dar bom dia ou boa noite? 

Entre os sobrenaturais o uso de armas de fogo é comum, não que elas resolvam tudo, mas são uma forma de proteção a mais. Confesso, dificilmente vou deixar de carregar comigo minhas duas pistolas… Elas, junto das munições especiais, certamente prolongaram minha existência em mais algumas décadas.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil. Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos. Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

9 Resultados

  1. ALEF CERQUEIRA disse:

    Eu acho que o perigo se encontra dentro do próprio cujo que porta a arma, é como uma pessoa que bebe, dirige e mata pessoas inocentes, devemos culpar a bebida ou a consciência ordinária do individuo? Precisamos de segurança e lei. Só assim a gente para de culpar terceiros e começa a por a responsabilidade em nossos ombros. E quanto a música, Charlie brown Jr sempre foi diferenciado mesmo

  2. Carolyna disse:

    Bom, pelo que eu entendi, a pessoa poderá ter arma dentro de casa ou no local de trabalho, não podendo transitar com ela. Não acredito que a possibilidade de ter arma em casa garantirá alguma segurança, por motivos simples: o ladrão tentará surpreender, e dê certo a pessoa guardará a tal arma em local seguro, sendo assim difícil uma antecipação por parte do cidadão de bem…
    Mais além disso, as pessoas mal acertam as lixeiras com seus lixos, quem dirá se defender com armas.
    Ao contrário de liberar um acesso mais facilitado às armas, os excelentíssimos governantes poderiam investir em melhores condições de trabalho aos policiais, em segurança para a população. Mas obviamente, é melhor fazer o povo comprar a sua arminha e paga a conta
    Com certeza esse decreto vai movimentar esse ramo e gerar boas oportunidades pra quem é desse meio.
    Tive um ex que em uma certa ocasião me surpreendeu com uma arma na cabeça enqto eu assistia um filme no computador da casa dele. O filme era “Os invasores”, um filme brasileiro muito bom, recomendo! Mas voltando da arma, elas irão cair, em grande, parte na mão de imbecis.

  3. Natalia Sarint disse:

    Muito bom o post 👏👏

Deixe uma resposta