Estava aqui ouvindo a música Dias de luta, dias de glória do Charlie brown Jr. Sim, também ouço outras bandas além das gringas e cara, que letra foda! Curti principalmente a parte: “Mas hoje dou valor de verdade pra minha saúde, Pra minha liberdade”. Haja vista, que passei por um período muito turbulento quando fui acordado em 2005 e desde então, parecia que o mundo queria tirar meu sangue todas as noites. 

Mas vamos voltar as histórias, afinal, é por isso que vocês estão aqui… 

Noites atrás eu pilotava uma das minhas motos, estava com a HD antiga e um pouco frustrado com a bateria dela. Como pode uma bateria não aguentar duas semanas sem descarregar completamente? Certas coisas desse mundo descartável são um saco! 

Andava por uma avenida conhecida e resolvi parar num bar de sinuca que as vezes frequento. Um lugar repleto de outros motociclistas e sempre bom para fazer novos amigos. 

Papo vai e vem, comentei com um camarada que eu tenho negócios relacionados a fabricação de armas e ele comentou sobre a nova medida adotada pelo Presidente Bolsonaro. Eu já imaginava que o novo presidente iria facilitar o acesso e isso veio para nós em um momento ótimo. Ampliar os lucros do clã é sempre um dos objetivos de quem está no comando. 

Acontece que o camarada era contrário ao decreto e me surpreendeu. Disse que tal medida proporcionaria novos crimes ao invés de resolver aqueles que já existem. Meu lado esquentadinho queria retrucar e pensando na paz que vivo no momento, decidi ouvir mais dos seus argumentos. 

O argumento principal foi o fato de que ele possui filhos e estava preocupado com os pais dos amigos das crianças. Será que eles teriam armas em casa, será que as armas estariam em lugar seguro, será que as crianças teriam acesso e estariam mais propensas a possíveis acidentes? 

Como alguns de vocês sabem eu fui criado em fazenda/sítio e naquela época, quando ainda era humano, a relação com armas era diferente. Aprendíamos cedo a lidar com espingardas, pistolas e afins. Eram muitas as ameaças: lobos, lagartos, ladrões… Sim, se alguém entrasse na fazenda sem ser convidado, era recebido a bala. Ao menos uns tiros para o alto eram dados. Alertado aos invasores que havia gente disposta a lutar por sua propriedade. 

O papo rendeu bastante, vieram outros camaradas que comentaram sobre o assunto e no fim ficou uma dúvida. Os humanos brasileiros voltaram a época onde davam tiros, antes de dar bom dia ou boa noite? 

Entre os sobrenaturais o uso de armas de fogo é comum, não que elas resolvam tudo, mas são uma forma de proteção a mais. Confesso, dificilmente vou deixar de carregar comigo minhas duas pistolas… Elas, junto das munições especiais, certamente prolongaram minha existência em mais algumas décadas.