Olhando ao longe, me perco sob a imensidão da lua, divago em pensamentos,
quase sempre atormentada pela culpa, e corroída pelo medo! Culpa,por me
permitir pensamentos e desejos tão maus, e medo de ceder a eles um dia!
Tenho apenas um corpo, porém me sinto como se duas almas distintas o
habitassem! Então penso, repenso, chegarei eu a um consenso? Conseguirei eu
conciliar duas coisas tão opostas?
Uma parte de mim sussurra ao pé do ouvido, que preciso ser coerente, ser
ponderada, ser normal!
A outra grita em minha mente, pedindo liberdade, quase que me ordenando que a
solte, que a deixe aflorar!
A primeira, bem, é a humana, o meu lado bom, sentimental e sociável, porém a
segunda, é predadora, instintiva, irracional!
Sou doce e gentil, uma pessoa considerada normal, e não entendo, porque essas
idéias surgem em minha mente, sinto desejos por coisas anormais, o pior deles
e o mais intenso, é o de sentir em meu sangue a vida de outro ser humano!
Sinto meu corpo a gritar por isso, minha boca é seca, meus olhos veem longe,
meus ouvidos ouvem o que ninguém mais ouve, e posso sentir o cheiro de
qualquer ser a metros e metros de distância, meus pensamentos se
embaralham, so consigo imaginar como seria sentir vida fluindo em mim, em cada
célula do meu corpo, um pedaço de alguém!
Oh senhor, o que esta acontecendo comigo? Seria o mal invadindo e dominando
meu ser? Estaria eu a perder a consciência das coisas? Grito, pedindo respostas,
porém o céu parece fechado para que minhas palavras não cheguem à Deus!
Por um momento, me pergunto mais uma vez, teria Deus me repudiado? Estaria eu
condenada as trevas eternas? Custo, a aceitar, porém é a única explicação
plausível, para todo esse tormento que vivo!
A mim o que me resta é deixar fluir a vida máscara, viver aprisionando a mim
mesma, manter em secreto essa minha alma predatória, má e selvagem! E assim
sigo eu, em mais uma noite, perdida em meus pensamentos, seria esta a solução?
Sim, por enquanto sim, pois somente assim não ferirei e serei ferida, tenho
de viver assim, afinal posso ter duas almas, mas apenas um corpo, logo, apenas
uma terra onde habitar, a outra, bem a outra,seguirá presa, em algum lugar, fora
de mim, enquanto eu a puder dominar!

por Nivia Dalla Costa