E o tiro saiu pela culatra – Parte 2

De volta ao seu quarto de hotel em Paris, Juan apressou-se em ligar para o hotel em Cancún e confirmar o endereço. Ele tinha copiado corretamente do computador, mas pediu que o gerente procurasse a ficha preenchida por Evelyn para verificar algum possível erro.
Enquanto esperava, Juan tentou por seguidas vezes contato através do número de telefone. Mais uma vez, não houve resposta.
Já perto da hora do jantar o gerente do hotel de Juan em Cancun finalmente entrou em contato confirmando que não houve erro de digitação. O endereço e telefone que Juan possuía, eram os informados por Evelyn.
Juan ligou para Miguel e os dois se encontraram no café onde se conheceram para jantar. Depois de ouvir atentamente o que Juan contou sobre as verificações que pedira, Miguel sugeriu que o homem entrasse em contato com o serviço de informações da empresa de telefone, um tipo de auxilio à lista, e verificasse o endereço que consta para aquele número, e o número que consta para o endereço.
Como já era bastante tarde quando voltou ao hotel, Juan decidiu que a manhã seguinte seria o melhor horário para fazer as ligações, e por causa do seu fraco entendimento da língua francesa, ele também precisaria da ajuda de um dos recepcionistas.

Naquela tarde Miguel e Juan se encontraram novamente. O homem espanhol já suspeitava que o mexicano estivesse caindo na teia de uma mulher perigosa, mas achou melhor só comentar isso depois de ter certeza.
A confirmação aconteceu quando Juan contou que o endereço do número de telefone e o telefone do endereço não batiam. Apenas um dígito de diferença e o endereço apontava para o outro lado da cidade. Louco para reencontrar aquela deslumbrante mulher, o mexicano não aceitou o aviso de Miguel de que aquilo poderia ser proposital. Insistiu em ir até os dois endereços. O espanhol disse que havia falado com um amigo que tinha negócios naquela área e que talvez pudesse ajudar Juan a entrar no bairro, mas o mexicano não poderia sair do carro, ele tinha autorização para parar em lugares determinados, tanto dos que controlavam a àrea, quanto da polícia.
Marcaram o encontro com o tal amigo de Miguel para o outro dia. O francês mal falava qualquer outra língua, e meio que por gestos fez Juan entender que deveria vestir o uniforme igual aos outros carregadores, que não deveria falar em montento algum e também ficar o tempo todo dentro da van.
O veículo era uma van normal, sem os últimos bancos de passageiros, que eram substituídos por guloseimas em caixas, entregues nas áreas mais perigosas da cidade.
Juan se sentou à janela, único lugar dispinível e deu uma olhada nos outros homens, todos negros, mal vestidos com o uniforme já bastante desgastado. Alguns passavam a impressão de não serem muito ligados em higiene pessoal. Dentro da van o cheiro era uma mistura de chiclete de tuti-fruti com cigarro e suor. Nada agradavel.
O amigo de Miguel parecia ser o chefe e também era o motorista. Pelo pouco que conhecia da língua francesa, sabia que ele também era o único francês dali. Os outros homens tinham sotaques fortes e diversos, isso dificultava muito saber o que eles falavam. Juan chegou a conclusão que eles deveriam ser da Argélia ou Congo.
A van passou por três barreiras antes de finalmente entrar no bairro. A primeira era claramente policial, com homens fortemente armados e uniformizados. Ali todos desceram e foram revistados, assim como cães farejadores e dispositivos anti-bombas foram usados para vistoriar o veículo.
Na segunda barreira a van nem parou, apenas gestos para os homens. Juan não conseguiu definir se era uma força paralela ou milicianos. Eles pareciam os policias da outra barreira, mas não estavam uniformizados. Um dos homens falava em um walkie-talk e olhava atentamente para os passageiros.
Depois de passar por algumas àreas vizivelmente inabitadas, era possível avistar latões com fogo na lateral da estrada. Eles afunilavam o caminho até o que seria a terceira barreira. Os passageiros não precisaram descer, mas a porta lateral e a traseira foram abertas e um homem de capuz e mais bem armado que as outras duas barrerias, colocou metade de corpo para dentro e encarou um à um os carregadores. Ele perguntou qualquer coisa a um homem sentado à porta e apontou para Juan. O homem respondeu e o outro fechou a porta.
Depois abriram a traseira e tiraram uma ou duas caixas de guloseimas. O francês amigo de Miguel não estava ao alcance dos olhos, e Juan também não levantou muito a cabeça para procurar. Eles ficaram uns 5 minutos ali, até que o motorista voltou e sem falar nada continuou dirigindo.
O lugar era muito pobre, Juan nunca havia imaginado que poderia ver a probreza que era comum nas àreas mais remotas no México em uma cidade como Paris. Parecia outro lugar, um mundo distante, separado. Quase ninguém andava na rua e era fácil ver pessoas armadas nas esquinas, como se estivessem em vigilância.
A van parou em aproixmadamente 5 lugares. Em cada um deles um homem diferente saia para fazer a entrega e na volta dava um envelope ao motorista. As ruas não tinham placas com nomes, e só algumas casas eram numeradas.
Juan sentia-se completamente perdido e já acreditava que aquele não era o endereço certo. Era claro que entrar e sair dali não era para qualquer um e que se Evelyn não fosse ligada à alta cúpula da organização que comandava aquela àrea, jamais estaria hospedada em um hotel a beira-mar em Caracas, onde se conheceram.
De repente quebrando o silêncio que durava desde que chegaram a primeira barreira, o motorista disse: “la gauche!” e apontou para fora do carro. Tudo que Juan viu foi um prédio abandonado depois de um incêncio que acabara com quase tudo. Do pouco que se lia na fachada era o número,127. Exatamente o que Evelyn escrevera. Miguel estava certo, ela havia mentido.

111 Comentários

Parabéns Evelyn!
Colocou esse Juan no seu devido lugar!
Chora nenem!kkkkkk
AdorooO!

pensa bem gente a Evelyn jogou o cara no meio da favela…uaehueahauehuehueahuaeh, toma!!!!

Ah Cadu que lista é essa, gostei do aprendiz kkkk, seria perfeito!!

Galego obrigado mesmo por responder o e-mail viu bjs e abraços

com esse comentário pelo menos podemos crer que o Galego está nos espreitando pelas sombras… #medo

rsrs, o Galego deve ta pensando (essas duas loucas ficam enchendo meu blog de porcarias!! ) 😉

caramba baronesa e cadu. baronesa e cadu, baronesa e cadu só vejo isso nos comments lol

caramba to começado a ficar com dó do galego já, 3 falando no ouvido dele dia apos dia durante 24 horas lol

rsrsr que nada ele deve adorar essa movimentação e as bipadas de seu celular!! rsrs

que nada é só um pouco de movimentação para o deleite desse Senhor de 150 anos!! rsrsr

ainda bem que ele já ta morto, assim fica mais dificil da gente causar um ataque cardiaco nele lol

agora sim

bem que achei que estava muito tranquilo no outro post rsrs

Baronesa respondendo sua pergunta me chamo Paola sim rs

somu por questoes de trabalho mais to de volta rsr

xD, hoje em dia essa façanha de suborno(pelo menos de mãe para filho) tá muito dificil viu!! boa sorte!!

Eu falei ‘Manhê, se você ficar hoje e amanhã sem me encher o caso, sem reclamar de nada, fazer nada em relação a mim eu gravo todas as novelas da Thalia e ainda de bônus um filme do Fernando Colunga”
Ela disse que vai pensar por causa que amanhã vou no Anime Nation fazer cosplay de novo ‘_’

será que ela vai ser boazinha com vocÊ, embora pelo Fernando Colunga (alegria de dona de casa)…é acho que voce tem chance!! háhá

Coitado do Galego, é mesmo só comentários vossos, vocês devem comentar até a dormir também quero saber como se faz lol 😉

Eu to com pena coitado do Galego, todos falando e ninguém o ajuda kkk o Galego como é que você nos atura? lol

Concordo com você Cadu, se passa se o dia todo cá acho que se ele já não se aguentaria mais de cansaço e.e

ta belezinha, mas por incrivel que pareça eu nunca me interessei pelo top 5….acho que só gosto de conversar. 😀

pooo o Fallen é oq ? !!! rsrrsrs

Sou Homem!

Sò tem mulher top 5 ( ¬¬ )

Sei lá xD Acho que é porque eu leio pra caramba desde os 4 anos de idade e desde já pratico escrita,problema é que ultimamente fiquei com letra de médico D=

Tem que baixar as texturas da internet(no deviant tem). Aí é só abrir, seleciona tudo, Ctrl+C Ctrl+v na imagem e tharam!
Sendo que ela vai ficar por cima da imagem, como uma nova camada. Aí é só ajeitar lá o preenchimento e a opacidade do jeito que quiser, e também lá na caixinha onde tem “normal” vem um monte de opções.
De qualquer jeito é melhor ver um vídeo-tutorial. ><'

e eu so vim mexer em computador perto dos meus quatorze quinze anos entao, principalmente agora quase nao da pra futricar porque o tempo e curto e tal principalmente agora que eu voltei a estudar enao ter computador em casa e foda viu ja fiz uns cursos e tal mais eu equeço tudo o que eu aprendi afinal ja faz tanto tempo

“mexo” desde os 4 anos tmabém, mas agora, dá vontade de tacar na parede..rsrs

ai baro vvc e o humor em pessoa es muito engraçada e eu agora naoa tenho muito pra fazer em eum computador pq nao foram passados nehum trabalho escolar por enquanto ah cadu eu gosto muito de futricar na internet e tal mais eu adoro entrar nisso aqui e muito bom

muito obrigado Fabi, tento tirar meu stress aqui senão senão eu arranco as vísceras do meu me chefe.

bom tambem , eu rabalho em um restaurante e nao e nada tranquilo vc nao senta pra nada sabe o que pra nada nada mesmo eu nem almocei hoje foda hein ? bom minha chefe ela ate que nao e muito chata mais tem dia que ela so tira o tempo pra me encher as paciencia como dizem os goianos .. ai eu me estersso muito e fora a minha tia vei e muito chata eu so tiro meu estresse quando eu entro aqui

A Evelyn esta louca para se livrar do Juan,ele que abra os olhos,em…o que será que aconteceu depois?