Estou a alguns dias para contar minha última aventura nas terras paulistas, mas como gosto de escrever coisas mais concisas eu fui postergando.

Em fim, enquanto estive por lá eu também fui atrás de algumas encomendas para o meu grande amigo Zé. O Zé para quem não conhece também é um vampiro e praticamente meu irmão. Ele pertence a uma família um tanto quanto diferente, sendo que a principal diferença deles para nós é a aparência. Antes de tudo é preciso ficar claro que o Zé pode ter a aparência que quiser, pois é um dos seus dons, mas quem já teve a rara oportunidade de vê-los como realmente são, sabe que eles são com o perdão da palavra: verdadeiros monstros. Inclusive acredito que a lenda do Nosferatu, vampiro meio zumbi e disforme, foi inspirado em algum membro dessa família. Apesar disso, eles são extremamente leais e amigos.

Voltando ao assunto da encomenda, bom , o Zé havia me pedido alguns filhotes de dois tipos: cachorros e iguanas. Para que? Isso é algo complexo, mas basicamente para adestrá-los e digamos transformá-los em Ghouls (ver Wikipédia). Estes seres, são escravos do sangue do vampiro que os adestra, recebendo pequenas quantias do precioso liquido de vez em quando como parte do treinamento. Para que fazer isso? Proteção, amizade, guarda e até mesmo como negócio. Nem preciso dizer que o Zé ganha muito com isso e não é só dinheiro, pois a troca de influências (favores) sempre foi a principal forma de permutarmos favores.

Em fim, saí de casa perto das 21 horas e fui até uma estação de metrô que fica no centro da cidade. Lá eu recebi um bilhete de uma ratazana que continha o mapa para o local de encontro. Infelizmente precisei andar nos túneis e logo de início pensei comigo: “Puta merda só eu para me enfiar num lugar tipo esse”. Escuridão total, e de repente um trem que iria passar muito perto de mim me obrigou a virar névoa. O que obviamente não foi uma boa ideia pois gastei muita energia para conter a núvem em quanto os vagões passavam por mim.

Achar o local e o vampiro que entregaria os filhotes foi fácil. O cara simplesmente veio atrás de mim onde eu estava e o mais engraçado é que estava com a aparência do Anthony Hopkins, o ator que fez silêncio dos inocentes. No começo ele foi meio arredio e até me assustou interpretando o personagem Hannibal, mas não aguentou muito tempo e soutou uma rizada batendo nas minhas costas e falando:

– Eu sei que te assustei hehehe

Brincadeiras a parte foi bom conhecê-lo e no fim fiz mais um contato que pode vir a ser um bom amigo em algumas décadas.

A volta para casa com a Iguana que parecia uma lagartixa e com o filhote de pit bull com cara de bicho de pelúcia foi tranquila. Alguns cidadãos que andavam pelas ruas desviavam de mim, o que foi bom, pois estou para ficar com fome em breve e um festim em meio ao centro de são paulo, próximo a galeria do Rock chamaria muita atenção…