Primeiro eu gostaria de informar que a Pepe está sob efeito recente da transformação e é normal ela querer “puxar meu saco”. Todavia, boa parte do que ela disse pode ter vindo mesmo de seus pensamentos mais profundos e intensos. Questão que me é vista com muito carinho também.

Como minhas queridas vampiras novatas no clã, detalharam em seus relatos anteriores, nos reunimos para um breve bate papo na forma de luau e a beira de um lago na fazenda. No qual festejamos nossas alianças e especifiquei minha vontade de estreitar nossos laços na sociedade vampiresca. Afinal, como todos bem sabem a união faz a força.

Negócios vampirescos não são feitos apenas na base da palavra ou com contratos de papel e quase sempre se baseiam também na troca de favores. Portanto, para alguns de vocês já deve estar claro o que eu lhes pedi, mas vamos por partes e ao melhor estilo “tio Jack”.

“Pois então minhas belas senhoritas. É sempre um prazer estar junto de vocês e preciso fazer uma pausa nesta noite de festa. Como bem sabeis nosso clã foi prejudicado recentemente por um  pilantra, que ludibriou uma de minhas Ghouls e afanou certas informações sobre uma de nossas empresa. Tal ser desprovido de inteligência, certamente não sabe onde se meteu e já que ele não utiliza sua cabeça por completo, eu desejo-a para utilizar como peso de papel.  Como eu não quero que isso se torne uma disputa entre todas vocês, eu vou premiá-las de uma mesma forma e independente de quem der o golpe final no fdp. Obviamente, além do presente, que ainda vou pensar, o clã da Lilian vai ter um favor em aberto conosco. O que proporcionará, imagino eu, um maior estreitamento de nossa amizade.”

Diante tal pronunciamento Lilian disse que precisava da permissão de seu mestre para agir em tal empreitada, mas se mostrou muito empolgada pelo fato de poder por em prática seus estudos e treinamentos. Becky e Pepe sentiram-se felizes com a oportunidade de demostrar serviço para o clã e aquilo melhorou meu ânimo. Até então atordoado pela situação que a maldita loira havia proporcionado com sua traição.

A transformação de Pepe havia sugado minhas energias de uma forma diferente aquela em que ocorrera com Sebastian. Ainda preciso consultar algum vampiro mais antigo para saber se fiz tudo certo, mas acredito que foi apenas uma fadiga ou stress. O importante é que aproveitei nossa festinha para voltar a frente do clã e dos negócios.

Inclusive, estou com planos para novos investimentos e viagens. Quem sabe esteja novamente na hora de cair na estrada e conhecer novos lugares ou seres. Este ano eu resolvi me isolar do mundo, mas por que fazer isso se posso ir para todos os lados? Por que se prender em algo tendo a eternidade pela frente? Não sei as respostas para prevenir a rotina e a acomodação. Sei apenas, que eu não sirvo para ficar tanto tempo no mesmo lugar ou criar raízes como muitos preferem.

Na noite seguinte a festa fui informado por um Ghoul que as garotas saíram cedo. Pepe inclusive havia me deixado um bilhete, que só vi depois de um belo banho quente, dizendo que me mandaria “sinais de fumaça” a cada noite e cada descoberta. Restou-me apenas seguir com os planos e desejar que o inimigo fosse apenas um cabeça oca qualquer.

Três noites depois recebi a primeira mensagem de Pepe. Era uma gravação de voz no whatsapp cuja voz provavelmente era do meu novo inimigo:

“Foi uma decepção enorme o fato de nenhuma cria do Exmo. Sr. Wulffdert ter vindo ao meu encontro. Por causa de tal infortúnio esclarecerei minha intenção: Manterei estas três pupilas intactas, até que vós resolveis vir buscá-las… Cuidado, posso ficar impaciente tão logo a lua nova se aproxime!”

Liguei imediatamente para Franz e Eleonor…