Não sei se foi algum feitiço ou talvez por causa do cansaço, mas tão logo eu comecei a ler o tal livro eu simplesmente dormi. Foi um sono bom, daqueles extremamente revigorantes e tudo seria perfeito se não fosse o sonho exótico com a tal garota loira.

O cenário era algo legitimamente de sonho, um clima Noir à meia luz, o tempo passando em câmera lenta e um lugar fechado que se assemelhava muito com uma balada mais dark. Algumas pessoas andando por todos os lados e a minha frente aquela garota de manto preto, que deixava amostra apenas os seus cabelos quimicamente loiros, mas que mesmo assim lembrou-me nitidamente de Suellen.

– Fê, Fê… Ferdinand………………..

Eu devo ter ouvido todos os meus nomes ou apelidos antes de sentir o balanço delicadamente grosso de Franz. Diz ele que ficou por quase dez minutos tentando me acordar, até que se estressou e resolveu me dar um chacoalhões. Afinal, eu havia dormido o dia inteiro sem sequer mudar de posição no sofá.

– Nos chegamos daquela festinha vimos que tu estavas dormindo e nem quisemos acordar, porém como ainda estavas no mesmo lugar o dia inteiro, achamos que tinha algo errado. – Confessou-me Eleonor.

O que diabos tinha acontecido ninguém soube me explicar, muito menos sobre o livro, no qual nenhum deles tinha conhecimento. Porém quando o papo foi dar sermão, todos encheram meu saco por eu ter mexido em algo do Barão e ainda mais por que estava lacrado e selado. Mas afinal de contas, como eu iria saber que não era para mexer? –Pensei comigo. Se fosse algo tão importante não estaria em uma simples caixa e junto de outros livros desinteressantes…

Reclamações a parte, lavei o rosto para tirar a cara de sono, troquei de roupas e resolvi dar uma corrida pela fazenda. Contudo, o livro e as histórias tão bem ilustradas não saiam da minha cabeça e cousa de 20 minutos mais tarde voltei para casa. Tomei um banho quente e longo, vesti algo confortável e fui para o meu quarto. Tratei de me concentrar na leitura e cuidadosamente eu li cada página, fazendo sempre que necessário anotações ou esquemas ilustrados em meu bloco de notas.

Leitura boa, rica em detalhes, mas novamente adormeci em meio à leitura. Algum tempo depois eu acordo e ao olhar no relógio já eram 15:25. Olhei para o livro que ainda estava em minhas mãos e para minha surpresa eu só havia lido 7 páginas… Naquele instante eu me preocupei, afinal leio pelo menos umas 100 ou 150 por noite quando estou empolgado.

Como ainda era dia eu sai com cuidado do quarto e tentando não fazer barulho, afinal casas de madeira são extremamente barulhentas e Eleonor tem o sono leve. Não queira ouvi-la saindo de seu quarto enfezada por ter sido acordada! Contudo, sabe quando você se vira e como num reflexo vê algo estranho, tipo uma presença? Pois então, lá estava a garota de manto preto em um dos cantos da sala e estacionada como se fosse uma assombração.

Levantei a cabeça, liguei a luz e em seguida olhei em volta, mas não havia ninguém… Diabos, devo estar doido. – Pensei comigo e não, isso não tem nada a ver com o filme “O chamado” de 2002.

Assim que liguei a luz e depois da aparição eu vi alguns barulhos na cozinha e fui para lá pois alguma das empregadas podia estar limpando ou fazendo algo. Dito e feito, naquele dia uma das empregadas faziam um lanche. Quando me viu ela ficou envergonhada, engoliu rapidamente o pedaço de sanduíche que mastigava e me disse:

– Boa tarde… O senhor precisa de algo?

– Por favor minha querida, que dia é hoje?

– Acho que é 16, segunda senhor…

Agradeci, deixei-a curiosa sobre o que eu queria e voltei para o quarto. “Merda, tem algum feitiço nesse livro, dormi por quase dois dias e estou vendo cousas…”