A MAGIA E OS VAMPIROS – PT2

O bate-papo entre vampiros é algo que merece uma atenção especial por minha parte. Imagine um asilo, onde todos os velhinhos estão com ótima saúde, senis e ainda com muita disposição para relembrar histórias e aventuras. Pois é mais ou menos assim que eu me sinto quando encontro amigos, ou faço novos neste meio.

Hadrian nos trouxe novas visões do que até então tínhamos por verdade quase absoluta. A magia trabalhada por ele se aproximava muito daquelas que eu via sendo feitas por Kieran, só que de uma forma mais familiar. Era como se ele trouxesse vida a nossos corpos mortos e criatividade a nossas mentes. Poderíamos nós também adquirir tais dons?

Eu já tinha ouvido falar de magistas que haviam sido transformados em vampiros, aliás, existem muitos clãs com esses indivíduos, porém o inglês grande, ruivo e de olhos verdes trouxe uma nova expectativa as minhas noites. Especialmente pelo fato de que ele mostrou interesse em se juntar a nós. – Vaguei por muitos lugares, conheci muita gente e o apreço que nossos mestres possuíam um pelo outro, me leva a crer que eu devo me juntar a vocês – Disse ele com sua voz grave e jeito de “bom vampiro”.

Na noite seguinte fomos ao hotel em que ele estava hospedo para pegar suas bagagens. Uma espelunca no centro, provavelmente indicado por algum taxista maldoso que levou um por fora pela indicação. Apesar de tudo o que eu conto por aqui eu não gosto de lugares assim, sujos e cheios de mendigos ou drogados. Frequento-os apenas para me alimentar ou quando quero uma briga, então disse para eles agirem rápido.

Mesmo naquela hora a rua estava movimentada, tive de parar o carro na entrada de uma garagem e como todo brasileiro, liguei o pisca alerta na intenção de amenizar o problema. Alguns minutos haviam se passado e paciência nunca foi minha virtude, sabe quando algo te incomoda e nem mesmo o Facebook no smartphone consegue te distrair? Lá fui eu acender um cigarro eletrônico, maldito vício que eu cultivei naqueles meses…

Se não bastasse o lugar ruim e a espera, tive de ser incomodado por um mendigo atrás de cigarro. Faz a criatura entender que o cigarro era eletrônico e não dos normais… Eu estava quase dando o meu cigarro para ele, quando ouço três disparos vindos de dentro do hotel. Por instinto me abaixei atrás do carro, olhei para os lados e aparentemente só minha audição aguçada havia escutado os disparos.

Dei um chega para lá no “sujismundo”, travei as portas do carro e liguei para Sebastian. No caminho até a recepção do hotel ele me atendeu e sussurrando me alertou para que os aguardasse no carro. O que diabos eles haviam feito? Cheguei a pensar em  ir ao encontro deles, mas aceitei o seu pedido e voltei para o carro. Ao voltar para a rua uma surpresa, o tal mendigo havia largado o cobertor, boné e jaqueta no chão. Extava apenas com as calças e uma regata que exibia seus braços tatuados. Ainda se não bastasse o que estava acontecendo o filho da puta estava tentando arrombar meu carro…

“…Run, Pig, Run
Here, I , Come
There is no safe place
There is no safe place
There is no safe place to hide…”

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

33 Resultados

  1. Angélica Freitas disse:

    Só confusões que acontecem. Já não estão fartos?

  2. Rani disse:

    eu prefiro um livro de romance e se eu ainda n te contei eu tbem estou escrevendo um livro, e por isso entrei nisso so para atribuir algumas coisas mas prefiro imaginar pois vampiro de verdade n sao tao legais como eu pensava, nem controlar mentes conseguem, e se alguem falar mal de the vampire diaries, eu solto a baiana.

    • Já comentei por aqui sobre minha opinião a cerca das produções hollywoodianas vampirescas. Livros de romance? Existem muitos, compartilhe conosco quais tens lido. Quem disse que vampiros de verdade não leem mentes? Acho que não lesse nenhuma história de meu irmão Franz?

  3. Rani disse:

    galego vc sabia q vampiros sao so uma doenca? Pois e uma doenca, sao bacterias q fazem o hospedeiro para de enfelhecer, e qual quer ferida q tiverem serao curas rapidamente, se vcs beberem sangue de outro vampiro morreram, pois as bacterias atacaram as q estao em seu corpo e nessa batalha so restauram so uma ou nelhuma, e se n acredita pede a sua namorada o pulso e n quiser vai ficar na duvida e o primeiro vampiro foi o cain. Beijos 🙂

    • Sério que eu lí isso? hahahahahahahaahah
      Então quer dizer que a senhorita que ensinar o padre a rezar a missa?

      • Ana Curio disse:

        KKKK fazia um tempo que nao acessava o blog, mais essa história foi a melhor…KKKKKKK..
        FALO FERDINAND SEU INFECTADO! KKKKKKKKKKKK

      • Selle Bernard disse:

        kkkkkkkk que engraçado, depois de um tempo sem vir ver o site me deparo com uma coisa dessas…rsrsr

      • Allice Taranti disse:

        @galego , pelo que a guria disse sobre Wampirs ser apenas doentes, colocarei a seguinte coisa no facebook: “A cada compartilhamento o facebook doara R$0.05 para Ferdinand W. Di Vittore pagar o tratamento de sua doença! Tenham piedade e compartilhem”

        ‘-‘

        Sério, quase um mes sem entrar no site e me deparo com isso!
        ‘-‘

  4. Rani disse:

    ha e essa historia de bacterias e bem verdadeira pois eu tenho fontes bem confiaveis.

  5. Rani disse:

    n quero encinar nada so falei que vcs tem e uma, quer dizer muitas bacterias, se vc n acredita entao compre ou pegue emprestado um microscopios, e um pouco de seu sague e pronto!

  6. Rani disse:

    cara tu e um idiota sabia,kkkkkkkkkkkk

  7. Rani disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk so continuo rindo

  8. Ana disse:

    É melhor o mendigo fugir, é…
    Não sabe é com quem se meteu…

  9. Ju B disse:

    O Rani, antes de qualquer comentário que vá fazer, seja sobre vampiros, lobisomens ou o assunto que for, aprenda o português e a escrever! Sua gramática é péssima e todas essas bobagens escritas sobre BACTÉRIAS foi um tanto dolorido ler!!!! E ENSINAR é com S e não com C! Se quiser dar lição de moral e ENSINAR algo, começa aprendendo a escrever a palavra!!!! 😉 Fica a dica!!!

    • Allice Taranti disse:

      Aiai…
      So observo a guria…

      E cuidado @galego !
      Agora que você a bloqueou, ela pode correr atras de ti e lhe forçar a tomar um Antibiótico pra tratar da tua “doença” (Eu não resisti e tive que postar esse comentário ‘-‘)

  10. ஜMelissa Belmonteஜ disse:

    Não sei explicar mas essa parte em particular do conto me traz uma nostalgia encantadora.

    O bate-papo entre vampiros é algo que merece uma atenção especial por minha parte. Imagine um asilo, onde todos os velhinhos estão com ótima saúde, senis e ainda com muita disposição para relembrar histórias e aventuras…

  11. Maila Cardoso disse:

    Uai, não entendi nada, espero outros posts..

  12. bella disse:

    ola,venho acompanhando o blog a algum tempo e sou verdadeiramente apaixonada pelos relatos aqui contados….e assim como os outros esse e mais um que me deixa ardendo em curiosidade..espero ansiosamente pela continuaçao..um bjo a tds

  13. Cécile De Pompadour disse:

    Olá

  14. Alicia disse:

    Acompanho o blog e adoro os posts, fora que o dono através dos posts se mostra uma mistura de Robert Pettison com Christian Grey.. “Galego desculpe se não gostou da comparação” só me veio em mente devido a tudo que tenho lido e a forma que me sinto presa em cada palavra….até.

  15. Cécile De Pompadour disse:

    Ótima, Ferdinand, e você como está?

  16. Cécile De Pompadour disse:

    bem, vou ficar apenas observando por enquanto 🙂