Chovia muito, mas mesmo assim várias pessoas resolveram sair às ruas para ver os populares fogos de final de ano. Stephanie era uma linda morena, seu vestido branco feito de um tecido muito fino estava todo encharcado e deixava a mostra seus belos seios volumosos. Sua calcinha era um mero detalhe vermelho, que estampava em seu semblante a busca por um romance em 2012.

Esbarramos-nos enquanto ambos corriam por uma rua próxima à praia de Jurerê Internacional. Ela estava com duas amigas e eu sozinho em busca do que fazer. Juro que eu podia ter ficado em casa no calor de meus aposentos, mas passar a virada alone não faz o meu tipo.

Desculpe, disse eu ao esbarrar em tal beldade. Ela ficou muito indignada com o encontrão, que quase a derrubou, mas ao me ver naquela penumbra entre chuva e a luz dos postes seu olhos mudaram de expressão. Um belo sorriso deu lugar à raiva e obviamente eu não poderia deixar passar em branco tal obra do destino. Perguntei se elas também estavam indo a praia e ofereci que ela fosse comigo sob meu guarda-chuva como forma de desculpas. De inicio ela fez um pouco de charme se mostrando difícil, mas contei com a ajuda das amigas que praticamente a empurram para cima de mim.

Vimos os fogos, estouramos alguns champanhes e em meio a toda aquela chuva torrencial nos beijamos a beira mar. O beijo de Stephanie era forte, sabe aquele tipo de mulher que quer dominar a situação? Pois então, entre apertões, arranhões nas costas e mordiscadas leves em meus lábios carnudos, os meus caninos afloraram. Excito-me fácil com esse tipo de mulher, então tive de improvisar dizendo que precisava pular as “sete ondinhas”. Ela nem suspeitou.

Entre as idas e vindas das pequenas ondas meus caninos voltaram ao normal e ficamos por ali mais um tempo, até que as amigas quiseram voltar pra casa e as acompanhei. Elas estavam em um famoso hotel à beira do mar, um lugar muito frequentado por atores, ricos e famosos. Elas dividiam o mesmo quarto e enquanto esperava elas se arrumarem fui pegar meu carro. Como elas queriam dançar as levei para uma festa qualquer, porém convenci Stephanie que minha casa em outra praia da cidade era um local mais interessante.

Minha casa é bem isolada em meio a uma floresta, mas com uma construção moderna e que aproveita bem a vista para o mar. O acesso não é dos melhores e até assusta quem vem até aqui pela primeira vez, mas tudo isso é passageiro quando surgem a vista e o deck com piscina de borda infinita.

Até as últimas horas de 2011 eu achava que passaria a virada sozinho, porém tudo mudou quando olhei para o relógio que fica em cima do criado mudo. Lembrei disso as 4:12, quando eu estava ouvindo apenas o ritmado barulho da chuva que se intercalava com os gemidos agudos daquela bela paulista.

Ela havia bebido um frisante para saciar a sede e estava em cima de mim quando, segurei seu pescoço, afastei o cabelo para o lado e a puxei para perto de minha boca. Estávamos no auge do clímax quando a mordi. Enquanto ela tremia e enfraquecia-se eu suguei seu sangue e também cheguei bem perto do limite ao perceber ela imóvel e com o coração bem fraquinho.

Deixei-a descansar em meio aos lençóis de ceda vermelho de minha king. Tratei de fechar a casa próximo do amanhecer e sim isso havia sido um erro, que certamente resultaria num belo sermão de meu mestre…

Ontem à noite Stephanie voltou à vida depois de algumas bolsas de soro e de um belo jantar. Servi-lhe pescado e uma bela salada de folhas verdes colhidos de minha horta. A combinação de vitaminas que acrescentei ao tempero do peixe, certamente lhe ajudou a ficar forte de novo, porém não evitou as suas várias perguntas. Ela insistiu que nunca havia passado mal ou dormido por tanto tempo e confesso que foi um pouco difícil de convencê-la do contrário. No entanto, antes de deixa-la novamente no hotel ela já parecia estar mais tranquila, pois exigiu minha visita ainda esse mês na cidade da garoa.

Quem desconfiaria de um cara bem vestido, com um imponente carro importado e uma bela casa com vista para o mar? Beth ainda me faz muita falta, mas enquanto ela vive a sua vida eu levo minha morte…