Nenhum tiro, nenhuma gota de sangue!

Nenhum tiro, nenhuma gota de sangue, o inferno vai ter que esperar… Sorriu e disse adeus!

Leia a parte anterior aqui: https://www.vampir.com.br/os-sobrenaturais-que-circulam-por-ai/

A música do Rosa tatuada, definiu o início daquela noite: Dois lobos correram pela mata. Os sentimentos eram mistos e naquela vez não rolou nenhuma briga entre alphas. Vampiros somem? Sim, cada um tem sua existência independente do clã, mas quando se um grupo antigo como o nosso, alguns pontos precisam ser azeitados de tempos em tempos.

Minha relação com Franz sempre teve altos e baixos. Lá atrás como eu contei no Ilha da Magia, ele foi um grande tutor, tal qual Georg, Eleonor e Joseph. Tantos outros além desses, vieram e se foram em algum momento, mas com o Franz é diferente. Nós compartilhamos o mesmo gene lupino, que por sorte ou azar teve seu desenvolvimento interrompido, haja vista a transformação em Wampir. Isso de forma isolada é problemão e se juntar com o fato de que ele é bem mais velho que eu, tem sangue nobre… Admira-me muito que ele ainda não tenha chutado tudo isso que construímos com o barão, para montar seu próprio clã. No qual ele seria o senhor e soberano com palavra final.

Apesar disso, nos damos bem. Fiquei puto sim por ele atrapalhar minha investigação, mas ele resolveu e é isso que importa. Já se foi o tempo em que tinha inveja dos poderes mentais dele, já disse, inclusive que fiquei por não ter conseguido aprender, mas isso são fatos do passado. O que me deixa puto é o fato dele sumir e reaparecer do nada. Enfim…

Na casa do mato pusemos os papo em dia, ele me contou sobre suas andanças, se gabou pelas festas as ninfas como ele insiste em chamar suas amantes e em como a vida de um imortal deveria ser. Bom, está ai a explicação a velha explicação dele não ter o seu próprio clã. Provavelmente eles ficariam sem grana ou mortos por caçadoras fantasiadas de dominatrix.

“Humm isso daria uma boa festinha heim, só que no final eu arrancaria a cabeça de todas elas” Acho que ele vai pensar assim caso volte a ler o que escrevo no blog…

Quanto a garota que capturamos, deixei o futuro dela nas mãos da Pepe. Incentivei para que fizesse contato com Hadrian, ele em algum lugar da Europa certamente saberá o que fazer. Seja ela satanista, magista ou vampira psíquica…

Quanto a mim? Bom, isso tudo que contei até aqui foi em 2019 e tenho várias outras histórias para contar para vocês!

Ahh procurem no Spotify pela música que indiquei. Rock gaúcho dos anos 90 =)

9 Comentários

Antes de parti para a próxima história, não entendi muito bem o final de tudo isso. Essa moça tinha algo a ver com as mortes por embolia gasosa? Se não, vocês concluíram o que de todas as mortes?

Obs: A música que indicou é muito bacana. 😉

Adorei! E ler uma história que mostra um laço tão de amizade/irmão é muito bom!

Sobre Franz ter sido um mentor para você me faz lembrar que você tambem o ajudou de alguma forma com, a forma superior Wairwulf!

Mas em uma parte do livro você o convida para caçar em forma de lobo e ele aceita, quando vocês vão enfrentar um urso logo depois Franz fica estranho e começa a lhe atacar e assim ele se transforma na forma superior do Wairwulf. Eu achei muito legal essa parte do livro e quero continuação!!

Deixe uma resposta