No semi-árido com Jurema

Depois de descansar durante alguns dias em Manaus, Evelyn e Beth embarcaram para João Pessoa, a capital da Paraíba. Mesmo nessa época do ano é bastante agradável por lá e as duas resolveram passar alguns dias na praia.
Evelyn precisava trabalhar um pouco, aproveitou que veio ao Brasil com a desculpa de aprender mais sobre as artes dos Cordéis e levou Beth em um longo passeio pelo sertão.
Lá conheceram histórias, ouviram músicas e se encantaram pelos Cordéis que cantam o dia-a-dia e as lendas da região. Foi durante esses dias que ouviram falar do Chá de Jurema.
A bebida faz parte de um ritual que é as vezes chamado de Catimbó e é dito que este ritual é uma viagem interior, onde é possível curar-se de doenças, afastar o mau olhado e receber conselhos. Beth ainda andava confusa sobre o futuro ao lado do namorado, chegou a conversar algumas vezes sobre isso com Evelyn durante os dias que passaram juntas, mas não havia chegado a nenhuma conclusão. Ela amava Galego, sem dúvidas, mas não queria ser transformada, pois pensava em filhos, e isto, um vampiro não poderia lhe dar. Em meio a confusão de Beth, acharam que uma viagem espiritual para conselhos poderia ser interessante, assim, dirigiram no 4×4 até Alhandra na Paraíba.
A cidade é tida como local sagrado para os cultos com o chá de Jurema e as celebrações são realizadas com bastante freqüência.
Chegaram, instalaram-se em uma pequena pensão e saíram em busca de algum dos mestres da cidade santa para participarem do ritual. O fato de Evelyn ser estrangeira abre muitas portas, o povo receptivo do nordeste adora mostrar sua cultura aos “gringos” e logo elas encontraram um lugar para participar da cerimônia.
Desta vez nenhuma das duas participou do preparo, descobriram apenas que também são denominadas como “ciência de índio” as artes do preparo do chá, e que as árvores são bastante comuns na região do semi-árido brasileiro, sendo também usadas como lenha.
Sentadas em roda no chão juntos com as outras pessoas, elas viram sobre uma toalha vermelha algumas outras ervas para fumo, além de quatro velas acesas em cima de pedaços do tronco da árvore, dois copos altos com água e alguns recipientes com o chá.
O mestre que conduzia a cerimônia disse as duas que não deveriam lutar contra os efeitos do chá, que caso a bebida não firmasse no estômago da primeira vez deveriam beber quantas vezes fosse necessário até que se acostumassem com ela.
Evelyn não gostava de maneira alguma de ficar indefesa, a idéia de que não poderia ter alguém de confiança na roda sem estar sob o efeito do chá a assustava. Mas Beth não queria ficar ali sozinha, insistiu que a amiga também passasse pela experiência e ela cedeu.
De tão relutante em ficar “desprotegida” Evelyn acabou não segurando o chá no estômago da primeira vez. O gosto extremamente desagradável não ajudou nem um pouco. Beth se entregou prontamente a experiência e já não teve problemas com a primeira dose.
As duas bebiam uma mistura da Jurema Preta e de Arruda da Síria. Evelyn vomitou mais duas vezes antes de finalmente se acostumar com o chá no estômago. A essa hora a cerimônia de invocação dos encantados já estava acontecendo.
Com maracá, um chocalho indígena, sinos de metal nobre e Toantes (uma espécie de cântico meio falado), as pessoas ao redor pareciam em transe.
Os encantados são as entidades que regem a mística em torno da crença, e estão presentes nas árvores de Jurema que são sempre muito antigas. Dizem que ali é onde se encontram as almas que já foram pessoas, as que nunca foram e algumas que vivem em um mundo onde nunca se transformaram em carne viva. Conta-se que aos pés da Jurema é possível ver as pessoas queridas que já se foram e também os anjos.
Já fazia quase uma hora do início e ninguém havia se levantado ou feito qualquer movimento. Uns quinze minutos depois de ingerir, Beth sussurrou para Evelyn que sentia uma forte dor de estômago, mas sabia que já não conseguiria mais vomitar. Logo depois ela viu a amiga de olhos fechados, sem nenhuma expressão no rosto. Parecia que apenas o corpo dela estava ali.
Evelyn ainda olhou para o céu mais umas duas vezes, tentando imaginar o que acontecia com as outras pessoas, antes de conseguir se entregar aos poderes do chá.
Primeiro veio a dor no estômago, depois uma forte ânsia, mas já não havia nada para colocar para fora. A dor parecia lhe consumir e olhando as pessoas ao redor, Evelyn achava que nunca mais sairia dali. Todos pareciam ter abandonado seus corpos, como Beth, estavam sentados. Alguns cantavam e tocavam os sinos e os maracás automaticamente. Aquele tempo pareceu uma eternidade.
Sentada tentando controlar a dor Evelyn começou a ver uma luz, ficou em dúvida se era alguém com lanterna que se aproximava, chegou a achar que seria o sol, mas era muito cedo.
De repente ela estava de pé e olhou ao redor achando que havia levantado em um impulso de dor, mas viu apenas idéias. A luz havia desaparecido e ela caminhava por um lugar escuro. Aos poucos a luz voltou a se aproximar e Evelyn viu vários pedaços da sua própria vida. Algumas vezes ela era pequena demais até para se lembrar do que tinha acontecido.
Viu os pais no dia do casamento deles, o pai andando de um lado para o outro em um lugar de paredes frias, depois um mulher de branco e o pai explodindo em alegria.
Também viu os dois chegando em casa com um bebê nos braços, sabia que era ela. As cenas foram mudando e ela foi crescendo nelas como um filme que passa apressado. A infância em Bruges, os verões na casa de campo dos tios, os anos no colégio interno, os primeiros anos em Paris e alguns dos lugares que visitou.
Ela sorriu quando a lembrança da primeira viagem ao Estados Unidos pareceu, esta lembrança pareceu maior que as outras, seguindo de coisas que aconteceram anos depois e em ordens diferentes. Nessa hora Evelyn notou que não era ela quem controlava as lembranças, mas não conseguiu entender o que estava acontecendo.
A misteriosa luz mostrou o canto preferido dela no apartamento que morava e desta vez era real. Ela foi até a poltrona que fica perto da janela e se sentou. Parecia estar de volta em casa, relaxou e dormiu.
Quando Evelyn acordou estava sentada no chão, exatamente na posição que se lembrava de ter ficado quando sentiu as fortes dores de estômago. Beth estava ao seu lado, já relaxada olhando para a amiga. Completamente tonta e ainda sentindo náuseas Evelyn acompanhou Beth até o alojamento e se deitou sem falar nada. Dormiu logo em seguida.
Na manhã seguinte Evelyn já se sentia melhor, estava até com um pouco de fome. Beth levantou cedo e foi procurar o mestre da roda da noite anterior. Ela voltou com algumas coisas para o café da manhã e as duas comeram no carro mesmo.
“Você ainda precisa fazer mais alguma coisa no sertão?” Beth perguntou.
“Não e estou ansiosa para dormir em uma cama confortável de um bom hotel” Evelyn respondeu.
Beth disse apenas “ótimo” e as duas embarcaram no carro e dirigiram até João Pessoa. A viagem era curta, já que Alhandra é perto do litoral.
No hotel Evelyn se apressou em tomar banho e pedir ao serviço de quarto um chá calmante para o estômago. Beth não subiu ao quarto com ela, disse que ia resolver uma coisa e saiu pela porta do hotel sem ao menos se registrar.
Algumas horas depois quando Beth voltou Evelyn já tinha caído no sono outra vez, desta vez mais tranquila e sem sentir enjôo.
Evelyn acordou com a amiga entrando no quarto e quis saber se ela havia conseguido resolver o que queria.
“Sim”, respondeu Beth.
Enquanto arrumavas as coisas Beth perguntou a Evelyn o que aconteceu durante o transe da noite anterior, ela respondeu, mas confessou que não entendeu direito o que a misteriosa luz queria mostrar.
Beth contou que assim que se entregou aos poderes do chá viu um grande fluxo de idéias passarem por ela. “É isto!” pensou Evelyn, a ligação das duas não era só de tutora-aprendiz no mundo da magia, nem só de amizade neste mundo, pois quando ela entrou no transe acabou “se levantando” bem no meio do fluxo de idéias do transe de Beth.
A amiga também contou que sentiu o poder da árvore e que havia se aconselhado com sábios encantados que se encontravam ao pé de uma antiga Jurema.
“E o que você vai fazer? Tem alguma relação com sua saída mais cedo?” Indagou Evelyn.
“Tem, sim. Os conselhos tem relação com muito do que conversamos nos últimos dias, e bem… Eu vou embora esta noite.”
Sem tocar mais no assunto as duas jantaram em um restaurante próximo ao hotel e Beth se despediu, indo direto para o aeroporto.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

46 Resultados

  1. va disse:

    Fiquei curiosa para saber aonde a Beth foi!

  2. Moon disse:

    Uhu ainda não li tudo mais até a parte que parei nossa ta muito bom.

  3. Jeff Andreoli disse:

    Beth foi Para onde??….por que a Evelyn fico??
    que chá e este jaa??

  4. avlisetnara disse:

    Espero que a Beth tenha ido fazer aquilo que já deveria ter feito à muito tempo… 🙂

  5. Evelyn Van Dyck disse:

    Bonjour,

    A Beth no me dit pas onde iria, mas imagino.
    Eu retorno a Paris em breve.
    O cha est beaucoup forte e tipico no sertão, uma cultura bem interessante.

    Au revoir
    Evelyn.

  6. Janielly Rodrigues disse:

    Curiosaa e Ansiosa pra saber para onde Beth foi…
    🙂

  7. avlisetnara disse:

    O Galego anda pouco comunicativo por aqui…esperemos que isso se deva à chegada de alguém 🙂 Lol

  8. Baronesa disse:

    concordo com você avlisetnara…Galego anda muito sumido…será?…..tomara né!!

  9. Sam disse:

    hammmm você esta me dizendo que elas vieram ONDE EU MORO??????? POW, TOU CHORANDO AKIE , É SÉRIO!
    eu moro em joao pessoa
    aaaaaaaaaah ahhhhhhhhh
    nunca achei que esse fim de mundo teria alguma coisa boa!

  10. LellaMorais disse:

    rsrs o garoto vai ter um treco !

  11. Sam disse:

    que garoto, lella?

  12. Lin-Kun Cadu disse:

    Acho que ela te confundiu com um garoto ‘_’ Anteontem mesmo um garoto de 5 anos me perguntou ”Voce é homem ou mulher?” (situação bem estranha).

  13. Sam disse:

    .-.
    maguei!
    :’|
    ***************************************************************
    porque eu não soube que esse elas tavam aqui mesmo?

  14. Sam disse:

    e o estranho é que eu nem sabia dessa de Chá da Jurema daqui…

  15. Lin-Kun Cadu disse:

    Sam é apelido de Samuel e para garotas é apelido de Samara ou Samantha o3o

  16. LellaMorais disse:

    Pois é Lin-Kun, peço desculpas A Sam, tipo, é que estou acostumada com amigos se chamarem Samuel e a todos chamo de Sam. rsrsrs desculpe novamente te chamar de garoto Sam.

  17. Lin-Kun Cadu disse:

    Conheço mais garotas com o apelido de Sam do que caras ‘_’
    Não se preocupe Sam,você não tem a minha vida para saber o que é as pessoas olharem pra você e pensar que ou você é andrógeno ou transexual e ainda fica com dúvidas se é um homem ou mulher ‘_’

  18. LellaMorais disse:

    hahaha, eu naão sei se eu deveria rir, mas eu ri.. Sorry !

  19. Sam disse:

    meu nome é samya…

  20. Lin-Kun Cadu disse:

    -_- É tenso um moleque de 5 anos chegar em vc e perguntar se vc é homem ou mulher

  21. Sam disse:

    porque ele fez isso, lin-kun?

  22. Doombringer disse:

    Fazem muito isso comigo, as vezes é engraçado.
    Tenso mesmo é a vergonha de entrar em banheiro público por causa disso! ¬¬’

  23. Baronesa disse:

    que coisa…mas hoje essas versão meio andrógina das pessoas é comum.

  24. Lin-Kun Cadu disse:

    Sei lá Sam, mas ele era muito inocente e qualquer pessoa que ve atualmente fica na mesma duvida u.u Quando eu nasci era a mesma coisa e aí fui crescendo e ninguém mais teve essa dúvida,acho que isso tudo é por causa das roupas que eu gosto de usar e por causa do meu cabelo, já aconteceu uma coisa parecida com o meu irmão mais velho ‘_’

  25. Lin-Kun Cadu disse:

    Alguns conseguem me confundir mais fácil por causa do jeito de falar, andar e pensar ‘_’

  26. Baronesa disse:

    na minha opinião, eu acho lindoo e até me atrevo a dizer sensual…♥

  27. Lin-Kun Cadu disse:

    O que? Androgenia? ‘_’

  28. Baronesa disse:

    Androginia refere-se a dois conceitos: a mistura de características femininas e masculinas em um único ser, ou uma forma de descrever algo que não é nem masculino nem feminino.
    apenas caracteristicas, não preferencias sexuais.

  29. Lin-Kun Cadu disse:

    Eu sei o que é ‘_’ Mas digo, explique o seu penúltimo comentário na postagem <3

  30. Baronesa disse:

    feições e caracteristicas do sexo oposto fazem da pessoa um ser quase perfeito, fisicamente, emocionalmente e psicologicamente.

    não é demais? ♥

  31. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Hum, eu poderia pensar assim quando as pessoas me chamassem de homem, mas acho que é meio impossivel,Já que voce se sente mais do que desconfortável…

  32. Lin-Kun Cadu disse:

    Eu me sinto um pouco desconfortável quando me consfundem e acho incrível quando falam que se eu realmente fosse do sexo que me confundem eu ia me destacar em muitas coisas o.o’

  33. Baronesa disse:

    Pessoas que se destacam das outras são perseguidas, mas acreditem que em 99% das situações é a mais pura inveja.

  34. Doombringer disse:

    Acho que nem sempre.
    Pra mim é preconceito mesmo, muita gente tem aversão ao que é diferente.

  35. Baronesa disse:

    concordo, esqueci do preconceito, embora o preconceito e a inveja andam bem juntas….

  36. Lin-Kun Cadu disse:

    Concordo com os dois.

  37. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Idem.

  38. Baronesa disse:

    Acho dificil alguém, que em algum momento de sua vida não tenha passado por algum tipo de preconceito.

  39. fabiana lee disse:

    preconceito no baronesa isso euma coisa que e u particulamente repudio para mim todos somos iguais apesar do credo, cor, crença etc….e beth paraonde vc foi ? tbm e uma curiosidade minha .. xD

  40. fabiana lee disse:

    gentem o galego despareceu ne? eu nao to vendo camentarios dele e co livro vindo ai ne ? boa sorte galego

  41. é acho que Beth finalmente decidiu ser transformada, e aí em Galego vai morder um pescoconho em danado.

  42. fabiana lee disse:

    caraca beht decidiu-se entao que bom vai ficar pra sempre a o lado de sua amada que lindo ! ai! e que eu sou muito romantica

  43. Baronesa disse:

    vampiros existem?? não posso afirmar, nunca vi um pessoalmente.
    preconceito existe? sim e muito tanto de raça, religião, posição social…triste realidade, mas em boa parte dos lugares você é o que voce tem.

  44. fabiana lee disse:

    e verdade o preconceito e a mensao do que as pessoas tem a respeito de aparencia das pessoas e seus costumes nao sei se um dia isso vai acabar mais por enquanto isso esta escancarado pra quem quiser ver

  45. ÁQUILA GOMES disse:

    A Beth esta aprontando,será que tem haver com o Galego?Estou curiosa para saber pra onde ela foi e o que vai fazer em relação ao Galego….