Escrever meu primeiro livro tem sido um trabalho árduo desde as primeiras linhas. Neste primeiro volume dos três que virão neste ano de 2012, contarei como fui transformado em vampiro e uma série de fatos que aconteceram desde 1850 até os dias de hoje. Posso adiantar que foram momentos muito proveitosos, onde todos os meus sonhos de humanos deram lugar aos pensamentos do monstro que as vezes eu me torno.
Hoje não irei contar histórias, mas falarei um pouco de algumas constatações que obtive nos últimos dias. O primeiro fato que me marcou muito foi lembrar-se de minha primeira esposa a Suellen, uma vampira repleta de poderes dons e que sempre foi alguém que alegrou cada momento no qual estivemos juntos.
A questão é que escrever sobre Suellen me fez lembrar muito de minha bruxinha Beth, haja vista que a maioria de seus comportamentos são muito parecidos. Ambas têm um jeitinho meigo que encanta no olhar, por vezes são um pouco indecisas com relação aos fatos mundanos e o mais importante, sabem como fazer um homem/vampiro feliz.
Falar do passado sempre nos faz ter esses momentos de reflexão e o que mais tenho feito por causa disso é pensar em como o velho e o novo se repetem. Não falo só por causa de minhas amantes, mas por causa da vida e de como ela às vezes é impulsionada pelos ciclos. Vocês sabem que sou um estudante de diversas artes ou filosofias e tanto a astrologia como o espiritismo tem sido meus companheiros desde 2005 quando acordei.
Povo, não irei pregar religiões ou crenças por aqui e na verdade este é mais um daqueles posts onde de alguma forma eu tento abrir minha mente para todos, no sentido de querer mostrar que no fundo os vampiros ainda são humanos. Muitos verão isto aqui como “Ahh quero ser vampiro por que eles são legais”… Não por favor, não vejam isso desta forma, vejam isso apenas como mais uma reflexão de um ser que já viveu muito mais do que deveria para alguns e que passa suas noite tentando entender se seus objetivos realmente estão certos…
Talvez as páginas que eu escreva hoje em meu primeiro livro, não reflitam tudo o que elas realmente precisam, porém existem noites e noite, dias e dias. Afinal o que sempre ouvi falar é que o tempo resolve tudo não é mesmo?