Este texto foi enviado pea Rafizia e digo que me surpreendeu.
Confesso que até procurei referências na internet para saber se era de algum autor conhecido, mas pelo visto foi nossa querida crítica que o fez.
Na falta de um título eu gostei e adotei uma frase contida em uma das estrofes.

Pavor, temor, terror, horror

Retiraram-se de seu sono profundo
Quem? Meus senhores das trevas
Emergiram das águas sombrias de profundeza que refrescam o meu lado perverso
Esforçam-se em cultivar minha parte pouco iluminada
Tentam subjugar minha pureza remanescente
Por um instante, exerço fé em sua força e permito que esta me domine
E perco o controle

Desejar: preciso de uma realização
Anseio emudecer essas vozes que me deixam sem escolha
Calar o que me incentiva a praticar ações que ultrapassam os limites da moralidade
Ajoelhada, imploro pela piedade, pela misericórdia
Entretanto, meu coração já não enxerga a beleza
Deletou a compaixão de seu léxico há muito tempo

Sensação: Enquanto me envolvem em seu aconchegante e maléfico leito?
Um êxtase viciante, um prazer vivificante, reanimador, revigorante
O delírio me possui e o cessar de uma vida me seduz
Seus pedidos de socorro, todo o seu pranto, todo o seu choro
Não me fazem recuar
Incentivam-me a acabar logo com o seu sofrimento
Que belos se tornam seus olhos com esse desespero tão transparente
Pavor, temor, terror, horror
Apenas me motivam a fazer o que você não quer

Fim de Jogo: “Droga, ainda vou ter que limpar essa sujeira?”
Digo chutando o corpo ausente de vida
Acabo de concluir minha tarefa
A sensação de êxtase passou tão depressa
E eis que se torna um vício
A minha derrocada , destruição e precipício
Após cometer o pecado não posso fugir de meu erro
Por mais incrível que pareça
Preciso cometê-lo novamente
Outra vez, de novo, meu subconsciente me suplica
E o farei meu querido… de uma forma bem prazerosa
Dum modo bem divertido, criativo e original

Perdem as suas forças
Quem? Meus senhores das trevas
Retornam às suas masmorras
Mergulham no calabouço e são acorrentados pela minha luz
Sua sede foi saciada
Sua vontade realizada
Não mais me pertubarão
Pelo menos… por esta noite