Mais um poema enviado pelo Victor Salvatore.
Intenso ele me fez pensar na vida e no tempo. As vezes até tento imaginar como eu seria quando velho, mas volto a realidade quando vejo minha imagem refletida em algum lugar e esta eterna face de 20 e tantos anos…

Marcas

A olhar O Tempo Estás,
Sobrevivendo Das Recordações
Como Tudo Fosse Presente
A Viver As Emoções
Perdidas Na Saudade Distante
Passageira Contempladora das desilusões.

Os Olhos entristecidos vão encontrar
Á frente o muro parado no tempo
Massageando os brancos cabelos desarrumados,
Da experiência que ninguém escuta
Na rouca voz falando verdades,
Delirando sabedoria.

Nas aconchegantes tardes repousas
O Cansaço da vida que ousa
Pertubar-lhe o sono tranquilo
Com marcas que marcaram o menino
Que se fez velho
Sem marcas deixadas no caminho.