No final de tarde de um dia qualquer eu resolvi iniciar a competição para escolha de minha próxima cria. Bem na verdade, eu estava com insônia e por não ter mais o que fazer, estava ali o momento ideal para pensar em como eu provaria a lealdade de meus pupilos.

Obviamente, a lealdade é adquiriria depois da transformação, mas tendo em vista minha transformação conturbada, eu coloquei na cabeça que a escolha de minhas crias deve ser sempre espontânea. Afinal, imagine-se tendo de optar por viver longos e duros anos nestas terras e ainda mais ao meu lado.

No início, eu até pensei em fazer algo coletivo, chamar todos para algum lugar e nele executar testes macabros ao estilo Héctor ou Doutor. Porém, meu estilo sempre foi outro e tratar cada um deles individualmente e dentro de suas zonas de conforto, com muitos jogos mentais e conversas foi a melhor escolha.

Lembro que Sebastian na verdade não teve uma escolha justa, ou ele se transformava ou Georg “faria sua cabeça” com uso de algum poder. Sendo assim, eu queria que tudo fosse perfeito desta vez.

Primeira semana de volta ao Brasil e Willian foi o primeiro a ser analisado, agora com outros olhos. Fui até a sua cidade e o chamei para uma reunião, onde previamente eu já havia imaginado um belo trabalho a ser executado por sua hábil e brilhante mente.

– Pois então meu querido, tenho um trabalhinho diferente do habitual. O que tu conheces dos assuntos explosivos, bombas e afins?

– Ahh o básico que todo físico/químico aprende na facul. Precisas de algo de qual tamanho?

– Se eu falar a palavra revolução o que me dizes?

– Diria injustiça, loucura… Conte-me mais Ferdinand…

Resumidamente este foi nosso papo inicial, onde disponibilizei fundos, contatos e tudo o mais pra que ele pudesse desenvolver alguns artefatos. Sim, diga que sou louco e pense o que for há meu respeito mancebo, afinal, sou um vampiro e isso por si só já é motivo suficiente para desvincular o teu senso de realidade deturpado de minhas rotinas, desejos e objetivos…