Redenção

Tendo em vista que na última semana vocês se empolgaram e me mandaram muitos textos eu vou fazer “hora extra” e publica-los o quanto antes.
Este foi enviado pelo Chet e na minha opinião ficou muito bom, pois expressou com muitos detalhes a maneira superior de como agem os vampiros.
Sabe aquela história do predador brincando com sua vítima antes do ato consumado? Esplendido ^^

Redenção

Em meio a noite de São Cristóvão, um padre Corria aflito em direção á catedral.Seus pés cansados mal pareciam tocar o chão,mas o velho homem corria com todas as suas forças.
A Noite o cercava de maneira pavorosa, fazendo-o tremer da cabeça aos pés, o que fez com que o simples homem retornasse aos tempos de menino, ás suas mais dolorosas lembranças:
Quando era Pequeno, o Padre Morava em um humilde vilarejo, perto da cidade de Digne, na França. Seus pais eram comerciantes, e ele tinha 3 irmãos, 2 meninas e 1 menino. A maioria morreu muito cedo, restando só uma menina, que passou o resto da vida ajudando o pai no comércio, e servindo-lhe de babá quando o mesmo perdeu a lucidez.
O menino, que viria a ser padre,devia aprender desde cedo a ter uma vida religiosa e santa, sem privilégios, humilde, e acima de tudo, honesta. Quando caia em tentação , era castigado pelas mãos severas do pai, que mesmo tendo perdido a lucidez, não havia perdido a boa vontade de lhe dar umas boas surras.
Certa Noite, uma das mais rigorosas noites de inverno, o padre, com 12 anos de idade, chegou em casa com um pedaço de pão dentro do casaco. Ao mostrar para a irmã, esta foi correndo contar ao pai, que foi atrás do menino,exigir explicações:
-Posso Saber, Guliver, aonde tu arranjastes este pedaço de pão?
O garoto permaneceu em silêncio.O pai, perdendo a paciência, gritou:
-Fale!
-Na igreja.-sussurrou o garoto, mal movendo os lábios.
Pai e filho ficaram se olhando, até que o primeiro o pegou pelo braço e o levou até a igreja,para tirar satisfações.Ao baterem na porta,um monge a abriu rapidamente, olhando para Guliver, com lascívia nos olhos:
-Pois então garoto,gostastes do pão que nós lhe demos?E viestes buscar mais ,espero…
Suas palavras sumiram ao ver o pai atrás de Guliver, que ao olhar para o rosto do Jovem monge, já entendera tudo o que se passara.
Ao voltarem para casa, Guliver já ia para o quarto quando o pai o puxou pelos cabelos em direção ao porão,aonde o trancou enquanto procurava alguma coisa na parte de cima da casa.Ao voltar,trazia um chicote com pontas de aço,bem conhecido para ambos os filhos,mas não muito esperado naquele momento:
-Pai…
-Tu cales a boca, que já fizestes o bastante.Se tens ainda algum pedaço de dignidade dentro de tí,eu espero que recebas o castigo sem que eu tenha de ouvir um gemido escapar de teus lábios…
No dia seguinte,Guliver havia entrado na igreja, para seguir o sacerdócio, e seu pai havia se suicidado.
-Pois bem,Senhor padre,Sua mente já voltou de suas memórias?-Perguntou uma voz ao longe, ao padre que ainda estava correndo em direção a catedral.O homem tropeçou e caiu,machucando ambos os joelhos.Trêmulo,pegou a cruz que jazia em seu pescoço e esticou-a em direção á escuridão,gritando:
-Onde estás?Quem és tú?
Um silêncio pior do que a morte se fez ouvir, e o padre se levantou,continuando a correr em direção á Igreja,que agora se mostrava á uns 15 metros de distância.
Ao adentrá-la,o homem não pode conter um calafrio, ao se lembrar de todas as coisas que havia feito naquele lugar.Tentando reprimí-las,e acreditando que o que o havia seguido lá fora não poderia adentrar lá dentro,Guliver caminhou silenciosamente em direção á Santa,com um sorriso triste no rosto.Ajoelhando-se,começou a orar:
-Ave maria Cheia de Graça…
-Vais começar com essa hipocrisia novamente,padre?-Sussurrou a voz,em seu ouvido.
Ao se virar, o padre esbarrou com um homem mais novo do que ele,vestido todo de preto.Sem pensar duas vezes,fez o sinal da cruz com os dedos,acreditando que alí na sua frente estivesse o próprio demônio.O homem,que na verdade era um vampiro, começou a rir,seu riso ecoando pela Catedral inteira.Guliver Tremeu:
-Francamente Padre.Achei Que tú, já tivesses passado dessa fase, mas vejo que me enganei…pois bem,não me importo.Me digas uma coisa,padre.Como tú achavas que a morte se pareceria?
Guliver começou a chorar.O vampiro,teatralmente solícito,sentou-se ao seu lado,dando tapinhas amigáveis em seu ombro:
-Vamos lá,não chores.Não vais morrer antes de responder essa pergunta…Aproveites que sou um homem curioso.
-Quem é você?-perguntou o padre,ainda chorando.
-Eu?Oras,o que tem eu? O personagem principal nessa história és tú,não eu.Quem és tú,Guliver, esta é a pergunta.
Os dois permaneceram em silencio, até que o padre perguntou,num sussurro:
-Vais mesmo me matar?
-Sim.-Respondeu o vampiro.
-Agora?
-Sim.
-Dentro desta Santa Igreja?-perguntou o padre,horrorizado.
-Lá vem a Hipocrisia de Novo…Não vejo problema nenhum com isso.-comentou o vampiro,dando de ombros.
-Sabe,todas as noites eu penso nas coisas erradas que eu fiz na minha vida…-comentou o padre.
-E?-perguntou o vampiro,se fingindo de desinteressado.
-Descobri que só há uma delas da qual eu realmente me arrependo.
-Hum…E qual delas seria?
-A noite em que eu fiz sexo com todos aqueles monges,em troca daquele mísero pedaço de pão.-Respondeu o padre,olhando para o teto.
-…
-Graças a isso…-Continuou o Homem.-Graças a isso,meu pai se matou, acho eu que de desgosto.Eu não devia ter feito aquilo.
-O que está feito está feito.-Comentou o vampiro,se levantando.-Depende de você ,decidir se ainda dá para concertar o erro,se ainda há redenção,cura e perdão nessas paredes encardidas que vocês tanto chamam de Santa Igreja,ou se tudo está perdido.
O padre se levantou,Meio tonto.O vampiro se encaminhava para a saída da Igreja:
-Você não ia me matar?-Perguntou o padre,confuso.
O vampiro se vira,os olhos negros analisando a situação mais uma vez.Respira fundo,teatralmente.Dá de ombros:
-Perdi a vontade.
Em seguida ,caminha até o fim do campo de visão do padre,que mais confuso do que nunca,grita:
-Espere!
Uma voz ao longe,calma e distante,responde:
-Sim padre?
-O que você é?-Pergunta o padre,curioso.
O vampiro rí,sua risada ecoando ao longe:
-Boa Noite,Guliver.

Ferdinand W. di Vittore

Nascido em 1827, foi transformado em vampiro com 25 anos em 1852, enquanto ainda vivia na pequena cidade de Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina – Brasil.

Criou este site em 2008 com o objetivo de divulgar as ideias do seu clã, instituição fraternal em que ele, seu mestre e alguns amigos mais chegados pertencem. Além disso ele também publica aqui e no vampir.com.br histórias do seu cotidiano. Está quase sempre bem humorado e nos últimos anos possui um projeto chamado “Os escolhidos” em parceria com Hector. No qual eles “ajudam” a polícia e a sociedade na resolução de crimes hediondos.

Ferdinand também ocupa suas noites com a escrita e recentemente publicou um livro com suas memórias: https://my.w.tt/UiNb/gz325qd62s

Você pode gostar...

61 Resultados

  1. Baronesa disse:

    Ótimo Chet.
    O Vampiro preferiu deixar que o padre mantivesse seu sofrimento do que matá-lo e acabar com ele…excelente texto!!

  2. Baronesa disse:

    Nossa,depois disso esse padre deve ter se sentido um monte de m*%$%#$, bem relatado o sarcasmo vampirico.

  3. Baronesa disse:

    De onde veio sua inspiração Chet?

  4. va disse:

    Parabéns Chet, ótimo. Eu adoro narrativas! rsrs… Seu texto parece tão real… E essa história do vampiro deixá-lo vivo me levou a pensar no que seria pior: a morte ou a culpa?

  5. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Nossa,Galego,eu estou tão feliz que estou sorrindo feito besta! Não acredito que você gostou e que publicou mesmo meu texto…

  6. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Minha inspiração veio em parte do livro que eu estou relendo e também da minha falta de fé,em relaçao ao cristianismo.Não que isso seja algo que eu me orgulhe,é claro.

  7. Baronesa disse:

    també não é nada para se envergonhar Chet. essa descrença é mútua…
    mas muito bom seu texto!!! (tietagem) rsrs

  8. Fernanda disse:

    Muito bom! Menina Chet, me gusta seu estilo literário, pra mim o conto tem uma forma fascinante de envolver o leitor.

  9. Doombringer disse:

    Manda mais um, Chet! xD

  10. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Se eu tiver a pachorra de escrever mais algum vai ter alguma coisa relacionada com a Mafia…Ou não,vai saber…

  11. Moon disse:

    Chet Adorei Parabéns mossa muito bom mesmo viu…
    “SEM PALAVRAS”

  12. rafizia-a-critica disse:

    Chet, não da tempo de terminar de ler, to na lan e faltam poukos minutos pra eu sair. Até onde eu li está maravilhoso, parabéns. Ebom saber que há pessoas como você que escrevem tão bem. Kapaz até de tomar o lugar do galego. kkkBeijo Chet, parabens e adues galerinha. Só volto ano que vem(qr dizer, se eu voltar, será ano que vem)

  13. Galego disse:

    Opa Rafizia apareceu? Mas já vais embora querida? #FIcaVaiTerBolo 😛

  14. Christian disse:

    Ótimo conto! Me fez lembrar do personagem Lestat…

  15. Vitor Jnr disse:

    Parabéns Chet…..superinteressante…. muito bem escrito….adoro contos/estórias narrativos, onde há uma comunicação/diálogo dos personagens…. gostei demais…. Vitor Júnior.x

  16. rafizia-a-critica disse:

    Terminei de ler. Chet sensacional. Ameio esse vampiro, ee tem personalidade. Esse padre keria morrer é?kkk. Amei o Perdi a vontade.
    Galego – Agora qr que eu fique é? ão sei Galego, mas acho que nós não podemos coniver no mesmo espaço.

    P.S – só passei por ake pq to na faculdade mexendo no pc e queria terminar de ler o texto da chet

  17. Lin-Kun Cadu disse:

    Chet sumiu ‘_’

  18. Baronesa disse:

    Pois é..saudades!!

  19. Baronesa disse:

    chet chegou…não morre mais xD

  20. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Nao vou morrer tão cedo nao baronesa..Pode ficar sossegada…Só sumi por algum tempo devido a alguns compromissos para lá de chatos xD.

  21. Baronesa disse:

    entendo, faz parte

  22. Lin-Kun Cadu disse:

    \o/ yata! Chet voltou >.<

  23. Baronesa disse:

    LOL xD

  24. Baronesa disse:

    chet voce não falou muito sobre suas habilidades, fala um pouco vai.

  25. Moon disse:

    u.u cade ela ou ele…

  26. Moon disse:

    todos pararam de entrar aqui né ?

  27. Lin-Kun Cadu disse:

    ‘_’ EU nem entro muito por que ”trabalho” o dia todo ‘_’

  28. Baronesa disse:

    Eu “trabalho” o dia todo por isso que eu entro…kkkkk, que ironia né? se eu levantar daqui por algumas horas meu chefe me arranca um figado. mesmo que não tenha mais o que fazer…. que coisa não?

  29. Lin-Kun Cadu disse:

    lol
    Meu trabalho: Acordar cedo,ir pro colégio, chego em casa e arrumo ela,faço dever,desenho,escrevo,brinco com o cachorro e fico entrando em outra dimensões.Melhor trabalho até agora xD

  30. Baronesa disse:

    LOL….sem cometários #invejabrancamodeon

  31. Lin-Kun Cadu disse:

    Viajar entre dimensões é tão bom ‘_’

  32. Baronesa disse:

    poara onde vai quando viaja para outras dimensões??(olha eu procurando…) rsrsrsr

  33. Lin-Kun Cadu disse:

    DEPENDE DO MEU HUMOR U.U

  34. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Hum,falar um pouco sobre as minhas habilidades? Em que sentido,Baronesa?

  35. Baronesa disse:

    Chet o que mais gosta nas suas habilidades? e o que não gosta?

  36. Baronesa disse:

    Cadu para que dimensão vai quando está de bom humor? e quando está de mal humor??

  37. Lin-Kun Cadu disse:

    Bom humor pra dimensão do Christofer ou Liliput.Mal humor vou para a Raccon City ou Sillent Hill ‘_’

  38. Baronesa disse:

    Silent Hill?!!!! LOL!!!!

  39. Lin-Kun Cadu disse:

    Aham ‘_’ Um pouco de adrenalina nunca é demais pra mim u.u

  40. Lin-Kun Cadu disse:

    E por falar em adrenalina,sinto falta dos meus energéticos T_T

  41. Baronesa disse:

    Silent hill eu acho um lugar TENSO… o.O um dos mais apavorantes que ja vi em games.

  42. Lin-Kun Cadu disse:

    É uma das melhores dimensões que eu tenho pra ir quando tô com raiva ou sentindo a falta de sentir aqueles arrepios ^.^

  43. Baronesa disse:

    affff, são muitos arrepios em lugares como esse

  44. Baronesa disse:

    apesar que poderia te recomendar a ilha Hanuda tambem….

  45. Lin-Kun Cadu disse:

    Por isso que é bom certas bruxas não entrarem na minha mente, apesar de que eu escondo esses lugares facilmente 😉

  46. Baronesa disse:

    😉

  47. Lin-Kun Cadu disse:

    Mas acho que essas certas bruxas não entenderam meu recado até hoje ¬.¬ Colocam como discupla ”Ah Cadu, mas eu só vou ver com o que você fica sonhando *–* ” ¬.¬

  48. Lin-Kun Cadu disse:

    * Desculpa

    Sério, meu português hoje tá uma bosta.

  49. Baronesa disse:

    xP relaxa!!

  50. Lin-Kun Cadu disse:

    Deve ser o cansaço por causa do Otaloukos xD

  51. Baronesa disse:

    e to sabendo que se acabou por lá né? rsrsrs

  52. Lin-Kun Cadu disse:

    T_T nem foi tantas pessoas de manhã e de tarde, mas acho que de noite ficou cheio por causa de uma banda lá. O pessoal queria tirar fotos de mim e ainda me consideraram o melhor cosplay xD Foi um evento pequeno e iniciante u.u

  53. Baronesa disse:

    voce fez cosplay de quem??

  54. Lin-Kun Cadu disse:

    Hibari Kyoya

  55. Baronesa disse:

    oww!! bom também 😉

  56. Que bela hitória, e a culpa o maior dos pecados da humanidade, sem saber que Deus pode perdoar todas elas, porém o mais dificil é retirá-las dos próprios ombros.

  57. Safira_Noturna disse:

    Meus parabéns Chet. Simplesmente estou sem palavras para expressar quão bom é seu conto. Besos.

  58. fabiana lee disse:

    adorei o texto , eu tenho alguns mais pelo fato de eu nao ter um computador me dificulta enviá-los ao ferd entaõ .. quem sabe algum dia eu consiga publicá-los … mais uma vez eu fiquei aqui presa lendo esse conto ,seria bom se tivesse uma continuação, pois gostei muito …..

  59. ChetFriedrichAlighieri disse:

    Agradeço Os elogios, Safira, Fabiana.
    Mas Realmente, não vejo como tal conto pode ter uma continuação…Minha mente só redigiu o conto a tal ponto em que , ( não sei se fui bem sucedida, acho que, infelizmente, não) o leitor tenha espaço para pensar no destino dos personagens alí colocados. Talvez o Padre esteja livre de sí mesmo agora. Ou talvez ele tenha, novamente, se encontrado com a morte encarnada no Vampiro. Depende da Imaginação de cada um. Eu prefiro pensar que , (como o ser humano é suscetível a muitas coisas) talvez, e só talvez, o Padre tenha aprendio a viver honestamente e a esquecer as sombras de seu passado…encontrando assim a tão almejada Paz de espírito.