– Jean-Albert Carlotti disse certa vez: “Beleza é a soma das partes funcionando juntas, de tal forma que nada precisaria ser adicionado, retirado, ou alterado”. Esse pensamento sempre me deixou muito curioso e finalmente hoje terei a oportunidade de avaliar tal conceito na prática.

Neste instante Frederick, abriu calmante uma pequena carteira de couro, donde surgiu um pequeno e enferrujado, porém extremamente afiado bisturi. Disse ele que fora presente do insano doutor, mas quem sabe? O importante é que teríamos ali uma bela seção de anatomia vampiresca.

Como um artista que esculpe o barro, ele tateou o corpo nu, rígido, mas trêmulo do vampiro. Um corpo forte e que certamente saciou além de tudo, os desejos mais íntimos de meu irmão.

– O que será que mais perfeito na anatomia deste corpo se não estes testículos? O milagre da vida, dentro de tão precioso e simples invólucro. O que será que aconteceu depois que essa obra da natureza recebeu o presente vampiresco? Vejamos como ele funciona…

Assim junto de vários gemidos, que por vezes se misturavam a gritos abafados e estridentes, iniciava tal profana e intrigante Vernissage. Algo tão acolhedor, que me deu vontade de partilhar com minhas duas cadelinhas. Deixei Frederick sozinho por alguns instantes e retornei com ambas em suas coleiras.

– Peço desculpas por ter falado mal de teus métodos nobre irmão, ao ver o olhar destas duas, percebo o quanto elas estão afoitas e felizes por estarem aqui conosco. Já iniciaste a segunda fase?

– Ainda não meu irmão, quero que elas apreciem um pouco da tua arte!

– Como diria Leonardo, A arte diz o indizível; exprime o inexprimível, traduz o intraduzível. Assim como vós, sou apenas um voyeur tentando aprender a cada nova lição que nos apresentam. Sem delongas, chegaste num momento adequado, sabias que o músculo peniano á tão longo?

Naquele momento o sujeito ainda se contorcia e gemia muito e tudo piorou ainda mais quando Fred, simplesmente iniciou vagorosamente aquela extração. – Nada de pressa por aqui, não vamos estragar o material… – Cerca de 5 minutos ou mais haviam se passado até que finalmente ele simplesmente jogou aquele pedaço de carne ao chão e nos falou de sua ideia:

– Dizem que alguns vampiros conseguem regenerar até mesmo membros, será que este consegue? Por via das dúvidas improvisarei…

Assim ele fechou aquele buraco, o anus, as orelhas e a boca do infeliz. Quase perguntei se faria o mesmo com os olhos, mas provavelmente não. Neste ponto, aliás, eu já havia retornado ao meus aposentos para a segunda fase de minha obra. Amarrei ambas nos ganchos do teto, dei-lhes uma segunda dose de meu sangue, ordenei que ficassem quietas independente do que acontecesse e recomecei a surra. Desta vez com um brinquedinho chamado açoite, algo simples composto por tiras de couro e lâminas de aço extremamente finas.

Clique aqui para ler a parte 7 e final.