Passados os rolos familiares o ano começou a mil nos meus negócios, tanto no Brasil como no exterior. Há meses que o mercado não se agitava tanto e o final de ano sem muitos feriados deve ter motivado o povo .

Mas não quero falar aqui de negócio, quero falar da bandeira vampírica, que alguns insistem em deturpar. Óbviamente não há uma bandeira física, mas há uma causa, um movimento e é exatamente sobre isso que falarei hoje.

Recentemente, vi um seriado da Netflix chamado Van Hellsing e nele ocorre um “apocalipse” vulcânico onde o céu fica coberto de cinzas o que favorece a circulação e proliferação dos vampiros entre os sobreviventes.

Bom, não vou discutir a qualidade, tampouco o roteiro do seriado, e o que interessa por aqui são as comparações com a realidade.

Grupos organizados de vampiros, ou grupos organizados de vampiros, bruxas e lobisomens são uma realidade. Tanto a sociedade humana como a sobrenatural aprendeu com o passar dos anos que a convivência em grupos trás segurança e facilidades.

Quanto a isso os seriados sempre exploram muito bem, afinal a estrutura dos grupos se assemelha muito com as formações humanas.

Outro ponto que gosto de abordar é a briga pelo poder. Posso dizer que ela existe, mas esse lance de vampiro rei é piada. Não há como conceber tal status, haja vista que são muitos grupo independentes como o meu e única ligação que temos uns com os outros é por meio dos Regrados. Uma espécie de conselho mundial que mantém as leis antigas. Uma instituição que ao meu ver está fadada ao fim, pois a internet consegue manter nossos documentos sempre acessíveis, sem que um velho qualquer precise nos transmitir.

Por hora é isso é até breve serhumaninhos.