Lá estava eu admirando minha caixa de madeira, no intuito de achar alguma fechadura. Não sei explicar, mas algo naquele compartimento me ligava a uma época maravilhosa de minha não vida e era praticamente impossível não ligá-lo a minha querida Su. No entanto, não via nenhuma fresta ou furo naquele bendito cubo de mais ou menos uns 30 por 30 cm, e antes que pudesse investigar melhor tal artefato, nossa atenção foi requisitada novamente ao ritual de passagem de Kieran.

“Todos em pé, por favor…” e eis que o ritual era retomado , o volume do som fora baixado e algumas tochas foram acessas. Neste momento, o sol já havia se posto e aos poucos algumas janelas eram abertas, junto do telhado móvel. Não sei informar se aquela movimentação do telhado e janelas era automática ou se usava magia, pois aparentemente não havia ninguém manuseando. No entanto, as tochas eram acesas uma a uma e de uma forma muito peculiar.

Não sei se eu era o único a reparar tal procedimento de bastidores, mas me senti encantado ao ver uma mulher com aparência bonita, na faixa de uns 30 anos, que simplesmente pegava as tochas em suas mãos, mencionava duas ou três palavras e assoprava o pavio. Depois disso, magicamente e cerca de uns dois ou três segundos depois, uma linda chama com cor rosa alaranjada assumia por completo a cabeça da tocha.

Bom, deixando de lado as particularidades, o ritual prosseguiu com mais alguns discursos. Amigos íntimos do mago proferiram breves palavras e ao fim de mais uma hora, a passagem iniciou-se de fato.
O altar em forma de cúpula, que recebera o corpo inerte de Kieran, estava forrado com uma fina e viçosa palha seca. Já o corpo do mago fora vestido um manto de ceda, muito decorado e de cor vinho, similar ao utilizado por seus discípulos. Próximo ao mago foram dispostos alguns compartimentos, estes vasos de barro marrom cru continham óleos e emanavam um suave aroma de laranjeiras. Árvore, aliás, que era a predileta de Kieran, inclusive cuja primeira muda, que foi semeada em seu santuário, fora presenteada por Suellen.

Na sequencia as cadeiras foram afastadas do altar e todos os presentes fizeram um círculo ao seu redor. A pedido dos discípulos nos demos as mãos e ouvimos, em sua maioria de olhos fechados, a prece celta. Isso ocorreu simultaneamente ao ritual de cobertura do corpo pelo manto branco, feito do mais puro algodão egípcio.

Após este simples ritual, o óleo das jarras de barro fora jogado em torno do corpo e o discípulo que até então apenas ministrava tudo, ficou de joelhos a frente do altar. Este erguera um pequeno cajado ao céus, dizendo em alto e bom tom: “Igne natura renovatur integra… Vá em paz meu mestre e senhor”.

Ao final da frase a pedra vermelha, que estava cravada no cajado, iniciou a emissão de uma forte luz vermelha, que ficava mais forte a cada momento. Depois de alguns instantes, quando a pedra parecia ter atingido o seu ápice de luminescência, o discípulo, tocou o corpo de Kieran, que ardeu numa explosão de luz e fogo com chamas altíssimas.

Todos os Wampir presentes incluindo eu, sentimos aquele arder em nossas frágeis peles. Porém graças à regeneração ou ao ritual, quase nenhum moveu pouco mais do que o simples piscar das pálpebras. Sim, estávamos totalmente hipnotizados com aquelas chamas fortemente avermelhadas, porém foram poucos segundos de apreciação até que finalmente restasse apenas pó do que um dia fora Kieran.

Não sei explicar, mas ao fim daquele ritual eu me sentia revigorado. Muitos dos meus pensamentos estavam digamos mais tranquilos e inclusive eu não conseguira ter outras recordações de Kieran se não apenas dos momentos bons. Tudo o que eu sentira de ruim ou pessimista, não cabia ao momento e muitos foram os que apenas se sentaram ou ficaram calados por alguns instantes. Aproveitando o que certamente era a melhor de todas as sensações, a de paz com o mundo e principalmente consigo mesmo.

Nunca saberemos o que Kieran ou seus discípulos haviam nos preparado em tal ritual de passagem, porém a sensação de paz nos acomete ainda hoje. Até mesmo Georg que quase sempre está sisudo, não consegue esconder os mais sinceros sorrisos por onde passa.

Depois das várias despedidas cada um tomou um rumo diferente e para minha surpresa Achaïkos veio falar comigo. Nossa relação nunca foi das melhores, no entanto, para minha surpresa o ritual também parecia ter tocado aquele coração, que há séculos imergia na mais profunda escuridão.

Quanto tempo não é mesmo? Disse-me o velho Wampir Grego, com seu inconfundível sotaque habitualmente estranho e sem precedentes. O respondi como sempre formalmente no meu alemão mais puro e seco, ou seja, normal.

Esta conversa apesar de tudo foi rápida. Ele ressaltou o contive para ir as suas terras e ainda disse que eu teria uma grande surpresa ao abrir a tal caixa que naquele momento estava em minhas mãos. Além disso, George também trocou algumas palavras com o velho ancião e logo em seguida partimos novamente para o aeroporto.

Desta vez Georg conseguira um voo particular e viemos com todo o conforto possível na volta para “casa”. Durante a viagem eu tentei abrir a caixa das mais diferentes formas possíveis, porém em meio às diversas turbulências daquele voo e depois de uma ou duas horas, resolvi tirar um belo cochilo. Sendo acordado apenas quando chegamos ao nosso destino.

Hoje, ainda estou aqui na fazenda e nessa bendita missão de abrir a agora “famosa caixa”. Confesso que já passou pela minha cabeça: atirá-la ao chão, quase usei um serrote e até mesmo uma marreta frequentou meus pensamentos… Não sei se foi Kieran que a lacrou, mas com certeza quem o fez, queria garantir que eu somente a abrisse em algum momento muito especial… Alguém de vocês me sugere algo para abrir esta caixa, que aparentemente possui apenas alguns “kanjis” entalhados em alto relevo?