Eu estava concentrada no tilintar do gelo batendo no copo de Whisky. Olhando distraída o movimento do liquido, pensando em Lorenzo, quando Sophie voltou, após precisar atender uma ligação. Até então, a conversa não havia nos levado a nada, mas já conseguia perceber que aquela vampira, mais velha e experiente que eu, queria apenas uma aproximação.

– Eu gostaria de pedir desculpas pela forma nada cordial, na qual nos conhecemos. – Disse ela, tirando-me de meus pensamentos.

– Hum. Realmente, sua forma de apresentação foi totalmente estranha e desnecessária. – Falei sem interesse. – Além disso, achei que seguiria seu rumo depois daquilo…

– Bom… – Alguns minutos depois ela continuou – Vamos começar novamente? Realmente quero conhecê-la. Sou Sophie, muito prazer. – E estendeu-me a mão longa e fria.

Fitando-a por alguns instantes, concordei embora desconfiada. Tudo bem vamos começar novamente, pensei. Estendi também minha mão, miúda e fria e a cumprimentei:

– Você já sabe meu nome. – Falei apenas.

– É, sei muito sobre você para falar a verdade.

– Quem sabe um dia você me conte, então. – Falei irônica, mas interessada no assunto.

– Claro, minha querida. Mas vejo que algo está lhe deixando nervosa. É o humano?

Olhei- a com mais atenção. Merda! Enfim, ela também poderia ler meus pensamentos, óbvio. Revirei os olhos. Mas, senti que poderia conversar com ela a respeito. Talvez ela entendesse, ou tivesse algo útil a dizer. Pois é, logo ela, me daria conselhos relevantes. E após aquela noite, que no fim tornou-se agradável, senti que nos tornávamos amigas e que talvez ela me ajudasse de alguma forma. Sophie era simpática, gentil e tinha uma graciosidade em cada movimento conforme falava e gesticulava.  Em nada me lembrou Sr. Erner em toda nossa longa conversa, mas ao mesmo tempo revelou-se com grande personalidade. Bebemos muitos drinques e ao final, nos despedimos com um abraço, que surtiu um efeito fraternal. Voltei para casa, após uma noite estranhamente tranquila refletindo sobre as últimas palavras de Sophie naquela conversa:

“- Lembre-se, nós somos vampiros. Não precisamos nos arrepender de nossos atos. Mas se acha que deves ponderar sobre algo, tenha consciência, nem todos somos uma cópia de Sr. Erner. Podemos não ser completamente bons, mas não precisamos ser totalmente maus…”

Quando cheguei, tudo estava quieto. Sentei por alguns instantes, observando a noite e a cidade. Lembrei dos últimos acontecimentos. Eu gostava de Lorenzo, de sua companhia. Infelizmente, havia me apegado ao humano que em um momento impulsivo resolvi ajudar. Livrar-me dele não era o que eu queria. Após pensar por horas e já não sentindo tanta raiva, ponderei que só havia uma única solução para não colocar Lorenzo e o que eu era em risco, sem ligá-lo definitivamente a mim.

Torná-lo um Ghoul.