Mais algumas lembranças de Becky- Parte I

Já que me pediram detalhes, vou contar-lhes mais de minhas lembranças junto a alguns acontecimentos.

“Eu estava caminhando por uma estrada escura, tudo estava muito estranho e ao mesmo tempo muito real. Eu conseguia até mesmo sentir o cheiro das árvores. Ao longo do caminho avistei um menininho de olhos negros, imaginei o que ele estaria fazendo ali, àquela hora. Aproximei-me e o questionei se estaria perdido. Ele olhou-me nos olhos e logo se transformava em um homem com feições demoníacas, agarrou-me pelo braço. Eu tentei livrar-me dele, mas ele dizia que logo viria me buscar…”

– Rebeeecaaa, o que pensa que está fazendo? Pensa que não vejo os seus passos nesta casa? Quer voltar para o porão?

Ele e sua voz mansa e ao mesmo tempo assustadora me faziam paralisar.

-Minha doce e ingênua menina, além de tudo é tola. Se sair nesse horário o sol lhe fará cinzas.

-Não sou tão ingênua assim- Falei me aproximando – Nem ao menos tola.

Meus dedos caminharam por seu peito e subiram até seu queixo, em seguida, roçaram seus lábios fazendo com que suas presas aflorassem. Ele semicerrou os olhos que ardiam como fogo. Olhava-me com ódio e furor por eu conseguir tê-lo em minhas mãos nesses momentos. Com um movimento violento, agarrou-me pela cintura me fazendo sentar em cima da mesa. Suas mãos apertavam meu pescoço enquanto me beijava, sentindo o pouco sangue que havia em minhas veias. Esperei que ele me mordesse, mas suas mãos desceram e com força rasgavam o vestido que eu usava. Era incrível, mas ainda sentia-me arrepiar. Mas, algo além disso me fazia perder o controle, eu queria… Mordê-lo.

Em um movimento rápido, puxei seus cabelos e sem tempo para pensar senti minhas presas cravarem em seu pescoço. Senti uma dor terrível em minha cabeça enquanto bebia seu sangue. Pude ver algumas das memórias de Erner.

Foram frações de segundos, até um golpe violento me atingir e me jogar contra a parede.

-Sua vadia insolente! Jamais uma cria deve atacar o seu mestre como ataca a um humano! Eu devia matar você.

Limpei minha boca. Se pudesse chorar as lágrimas rolariam. Em seguida apanhei muito. Eu havia feito algo terrível, mas sabia que não era minha culpa e Erner também sabia disso, mas gostava de castigar-me. Porém, aquela foi à única vez que vi as memórias de alguém dessa maneira, e eu soube por meio disso que antes de mim, houve outra vítima nas garras de meu sádico mestre.  Pois depois daquela noite, mantive um nome gravado em minha mente por muitos anos.

Compartilhe com os amigos

50 comentários

  1. Nossaaaaaaaaaaa,50 tons de cinza é pra criança perto da história de “amor e dor”, da Becky e do idiota do Erner,esses momentos íntimos devem ter sido muito bons…. Agora outra vítima? Becky seu ego não ficou abalado por não ter sido a única a queridinha como muitas vezes pensava? E,depois de todo esse ” amor violento ” com o sr Erner,vc ja conseguiu ter algum relacionamento normal alguma vez,sem achar que enquanto arranha as costas da pessoa, ele vai te jogar na parede e te castigar?

    Sabe sou muuuuuuito curiosa,kisses.

    ^^

    • Realmente muito curiosa querida. Então, são muitas perguntas.. huahaua
      Como falei na história o nome dessa tal vitima ficou por muito tempo em minha memória, e eu nunca me senti a queridinha na realidade. Mas, tenho certeza que em cada situação, Erner tratou suas vitimas de maneiras muito distintas.
      Não sei definir o que seja um relacionamento normal, no momento estou apenas curtindo ^^

      Beijos.

      • Uiiii adooooirq piratas é,espero que o “tesouro” dele seja grande kkkkk kkkkkkk. E relacionamento normal tipo……fazer o q vc fazia com o Erner,mas sem tanta dor e sem ser forcada a apanhar,e sem ter que lamber os sapatos dele kkkk kkkkk.
        Se vc não fosse ficar um tempo com o Hector,te chamaria pra saírmos juntas para curtir esse fim de semana em SAMPA. Kkkkkkk

        • Eitaa imaginação… rsrs Bom, na verdade é como falei, estou apenas me divertindo agora. Cá entre nós, os homens é que sofrem nas minhas mãos kkkkk
          Humm, as noites em Sampa são loucas, mas com certeza não vai querer me acompanhar em minhas bagunças por ai. 😉

          • Kkkkkk,estou conhecendo bem ate demais a noite paulita,e contanto que meu sangue não “role” … eu adoraria te acompanhar, convite aceito kkkkk

            * a louca*

    • Kkkkkkk,indireta pra mim? Que lindo,realmente não tenho noção do perigo Becky,imaginando nós saindo juntas,com a Lily e a Claudia tbm,farra de mulher sabe,e vcs deixando os homens sob o efeito de vcs e eu ficando louca de tanto beber “de graça”, OK… To imaginando muuuito Vampire diares …..mas iria ser bemnnn divertido.

  2. Opa! Farra? Bagunça? Saída entre mulheres? Só chamar que eu vou! Sair pra bagunça é comigo mesmo! PS: Vou me controlar melhor da próxima vez @becky. Só não me pede pra prometer. RS 😉 E a @claudia-rizzi-de-fiore acho q não vai precisar cuidar tanto de mim e das minhas peripécias. Kisses 😀

  3. Nossa que historia linda e intrigante,gostaria de saber quem é a outra vítima,e o nome,e claro o que aconteceu depois. Esse nome ainda ecoa em sua mente Rebecca?

Os comentários estão encerrados.