Eu juro, mas eu juro que tento ser um cara tranquilo, por vezes tento esquecer que tenho poderes e que devo tentar ter uma vida pacata fazendo coisas normais, mas ontem foi mais daqueles dias que fui obrigado a me alimentar.

Atualmente como alguns sabem eu vivo com minha noiva, rodando pelo mundo sem ter um lugar fixo. Nós já tentamos viver pacatamente em uma casinha no campo, mas ela foi invadida e nos últimos meses precisamos cair na estrada.

Acontece que sou um vampiro e como tal preciso de tempos em tempos me alimentar de sangue principalmente humano para não enlouquecer ou fazer barbaridades deixando meu demônio aflorar. Até que esse meu martírio tem levado mais tempo para me atazanar, mas a cada 3 semanas, com uns dias a mais ou a menos eu preciso me nutrir.

Desta vez infelizmente não encontrei nenhum meliante, meu manjar predileto, então tive de recorrer às pessoas normais. Isso me deixa sempre ruim, pois é mais complicado, afinal preciso “mexer” na vida de uma pessoa justa, trabalhadora e quase sempre pertencente a uma família. Sem contar o fato de que terei de ir a um lugar público e possivelmente flertar.

Nessas ocasiões procuro lugares com grandes aglomerados de pessoas e que tenham pouca iluminação, tal qual as casa noturnas ou as populares “baladas”. Obviamente vou sozinho a Beth até já quis me acompanhar mas sempre argumento que é mais seguro para ela ficar em casa, afinal se algo der errado terei mais uma coisa para me preocupar além, dos seguranças, da polícia, caçadores, bruxas, metamorfos, anjos, demônios…

Nesta última noite de quinta para sexta, resolvi ir a uma casa de shows, dessa em que algumas mulheres fazem strip-tease e homens gastam fortunas com bebidas e sexo. Esse é sempre um ótimo lugar para encontrar bêbados que mal conseguem se manter sentados.

Aproveitei que a noite estava limpa sem ameaça de chuva e botei a moto na estrada. Sei que já falei disso, mas andar de moto para mim tem o mesmo efeito de um calmante para um humano e sempre faço isso para dar uma boa relaxada pondo as ideias em ordem.

O local ficava bem no centro mas as 3 da manhã foi fácil estacionar, paguei a pequena taxa de R$200,00 e adentrei o recinto. Quem já foi nesses lugares sabe que logo na entrada tu já viras alvo das periguetes, elas vêm pra cima se esfregando, nos empurrando gentilmente para uma mesa e praticamente nos obrigando a consumir algo: Bebidas ou elas mesmas.

Como eu havia recém chegado e não conhecia o lugar me acomodei e disse para a menina que por enquanto iria apenas ver o show. Era noite da tequila, então entre algumas meninas trajando apenas sombreiros e com garrafas de tequila nas mãos eu percebi um grupinho de homens felizes engravatados. Nessas horas alguns já estavam com as gravatas na testa, outros estavam abraçados quase caindo no colo de algumas biscates e um deles me chamou atenção pela grande aliança dourada na mãe esquerda.

Por mais que o cara não fosse um ladrão, bandido ou assassino, aquela traição me fez brilhar os olhos. Então o fitei por alguns instantes e percebi na sua ida ao banheiro uma chance de me alimentar. Observei a atentamente a minha volta, havia muitos seguranças e várias câmeras, mas o segui mesmo assim. Quando entrei no banheiro vi o cidadão em um dos mictórios e lavei as mãos em uma das pias para disfarçar. Aguardei ele se aproximar percebi que já estava meio tonto e puxei assunto:
– Cara só gostosa aqui hoje…

Ele começou a lavar as mãos, olhou meio de lado pra mim, levantou uma das sobrancelhas e comentou:
– Pow veio já to meio doido, mas cê não é daqui ne? Pow cara ta usando maquiagem…

E veio tentando colocar o dedo na minha cara. Nesse momento tive de agir rápido para não levantar suspeitas para quem estivesse vendo pela câmera e dei um passo para trás dizendo bravo:
– Hei bicho, tá louco, tá me estranhando?

Com a minha saída brusca para trás ele perdeu o apoio quase caiu e bateu forte com a mão em uma quina da pia. Com o impacto abriu um pequeno corte que logo corou e fez surgir o precioso líquido. Imediatamente senti minhas presas começarem a aflorar e precisei me conter. Peguei um pouco de papel higiênico, coloquei na mão do cara e disse para ele segurar apertado. Em seguida sai e voltei para mima mesa.

Permaneci ali por mais alguns minutos, o cara do banheiro voltou para junto de seus amigos e depois de meia hora resolveram ir embora. Cheguei até a olhar em volta em busca de alguma presa fácil mas resolvi segui o mesmo Zé Mané.

Eles saíram se despediram e cada um foi para o seu carro. Pensei então comigo: o cara já ta traindo a esposa e ainda é capaz de causar algum acidente, não é que consegui um lanche bom no fim das contas?

Segui-o de moto por alguns minutos e quando parou em um sinal encostei do seu lado e lhe apliquei um anestésico em seu braço que estava para fora da janela. Depois de alguns segundos ele até tentou esboçar uma reação, mas não resistiu e sucumbiu em uma perfeita letargia. Encostei a moto na calçada, fui até o carro e quando ia abrir a porta vejo os faróis de um carro se aproximando. Ao passar perto vejo um casal dentro que me olham, abrem um pouco a janela e a mulher me pergunta:
– Tudo bem?

Eu finjo um sorrisinho de lado e digo:
– Tudo certo minha querida, só to ajudando meu amigo que bebeu demais. Sou o motorista da rodada, fazer o que rsss.

Ela riu, fechou o vidro e fez sinal para o namorado sair. Então eu mais que prontamente, empurrei o cara para o banco do carona, olhei em volta e estacionei perto de uma garagem, como havia película nos vidros, decidi me alimentar ali mesmo. Suguei apenas o necessário, sem o matar, lambi a ferida para cicatrizar e o deixei ali. Inclusive fui muito legal ligando para polícia informando o seu estado. Quando era quase 5 horas eu já estava em casa contando a história para a patroa…