Status quo vampiro: Problemas – pt2

Algum tempo depois do papo com o Regrado. Encontrei-me com Julian num bairro de subúrbio. Tal lugar povoado em sua maioria por operários e suas famílias muito próximos dos galpões das fábricas, também servia de quartel general para as operações do seu clã.

– Aqui não é nosso “lar”, mas temos dois ou três velhos dormindo. Preferimos manter os coroas separados, sabe? Não temos tanto espaço como vocês na América…

– Sei, mas é uma estrutura antiga, pelo que vejo.

– Aye, esses prédios aqui e os prédios que tinha antes, têm algo perto de 1000 anos de construção. Da uma olhada ali na quela parede, tem uns desenhos, acho que foi algum Danish que fez.

– Viking?

-Aye, algum puto dinamarquês ou norueguês!

– Esse sentimento é próximo quando os brasileiros falam dos portugueses… mas e ai, acha que tudo certo pra gente viajar amanhã?

– Daqui a pouco a Megs tá aqui e vai ajudar a gente nessa. Ela é meu braço direito e esquerdo, acho até que ela manda em mim e eu deixo, cara!

– Tua cria?

– Nada tolo, foi transformada pelo meu coroa pouco tempo depois de mim, a gente aprendeu tudo junto. Sabe, os velhos querem dormir ai vão transformando geral, até achar alguém que cuide deles e dos negócios. Você sabe bem, eu acho?

– Sim, tô nessa depois daquela guerra maldita. Por que não conheço a Megs?

– Merda, não me lembra, foi por pouco que a gente se safou, mas foi bacana encher o cú daqueles putos de bala ou rasgar suas carnes podres! A Megs passou um tempo na América depois acho que veio pra cá e você deu uma de velho e foi dormir uns anos…

– Desencontros, meu amigo…

Uma vampira singular

Fomos interrompidos por uma passada firme de calçados femininos, de alguém que vinha até nós.

– E ai papinho tá bom heimm! Bora mexer essas bundas brancas, seus desgraçados!

Surgia por uma das portas Megs. Outra com sotaque daquela região. Loira de olhos azuis, pele branca com sardas e baixa estatura. Ela deve ter pouco mais de um metro e meio, mas tem uma energia que supera sua altura. Ah ela fala pelos cotovelos, mas quem sou eu para criticar isso rsss

– Meggie, que todos chamam de Megs, esse aqui é meu amigo Ferdinand…

Julian iria continuar, mas ela se antecedeu e me estendeu a mão. Apertamos com firmeza, enquanto eu me levantava da cadeira.

– Bloody hell! Não se levanta não, prazer em te conhecer. O moço ai sempre se gaba das histórias da guerra e de quantos endiabrados vocês mataram. Acho que ele só teve essa aventura depois. Que virou sanguessuga hahaha.

– Não enche o saco Megs! E ai, o avião tá pronto?

– Aye, but! Acho que já estão sabendo das investigações.

– Como assim? – Perguntei preocupado.

– Parece que teve gente estranha perguntando sobre o avião com destino a África. Pode ser algum curioso, mas é bom ficar com os dois olhos abertos.

Problemas num lugar inóspito

– Mayday… mayday… mayday… Perdemos a turbina… Iniciando procedimento de emergência!

Caímos!

Antes que o avião tocasse o solo consegui fazer minha transformação em névoa, mas Julian, o piloto e o copiloto não tiveram a mesma sorte. Alguns destroços se espalharam num rastro misturados a galhos, vegetais e alguns pedaços de corpos e vísceras.

Chamei por Julian e a sensação de proximidade com outro sobrenatural era muito fraca, quase imperceptível. Mesmo assim persisti e com a ajuda de alguns pontos de incêndio cheguei ao local onde a parte maior da aeronave estava. Junto a ela mais pedaços da fuselagem, misturados a restos animais e em próximo do que parecia ser uma poltrona estava o corpo de Julian bastante contorcido e quebrado. Ao menos inteiro.

– Hey, consegue me ouvir? –  Tentei por uma, duas, três vezes e não tive retorno. Fiz o que me era possível, improvisei uma maca, posicionei seu corpo de tal forma que me parecia o jeito mais correto e fui atrás de sangue.

13 comentários

  1. Caraca Ferdinand, que loucura tudo isso, e tadinho do Julian, e ele ficou bem ? Nossa parece que essa história tá só começando…. Bem, tô Triste com tudo isso, agora vou aguardar pra saber o desfecho desta aventura… Muito perigosa digamos… Todo cuidado é pouco.

    • Eu sinto muito pelo ocorrido! Eu espero que vocês estejam bem. E que Julian esteja recuperado. Imediatamente tenho crise de ansiedade… Vou roer as minhas unhas (Uma mania horrível quando estou ansiosa) aguardando o próximo capítulo.

    • Olá tudo bem? Pergunta interessante e que nunca me fizeram antes “se fui vampiro”… Desconheço seres que já forma vampiros e perderam ou deixaram de ter o vampirismo. Será que isso vem de algum seriado, filme ou livro? Bom aqui no vampir temos contos, histórias e relatos. Quais são e o que são fica a critério de cada leitor(a) 😉

Deixar uma resposta