O colecionador de cada um

EdX19 é um cara pacato, do tipo Nerd, magro, olhos esbugalhados e jeito simples, bem do interior. Sujeito franzino e de poucos amigos, que gasta muita grana com figure actions, pack de jogos, que vai a eventos como CCXP e afins. Até mesmo seus estudos nas áreas forenses foram influenciados por várias horas vendo e revendo seriados como Arquivo X, Jornada nas estrelas e jogos de RPG.

A parte anterior desta história está aqui: https://www.vampir.com.br/os-cabelos-curtos-os-oculos-de-estudioso-e-a-camisa-larga/

Quem fez o primeiro contato com ele foi Pepe, depois Hector e por fim Franz. Que tentou ajudar sua cabeça com sugestões mentais, mas que para bom entendedor pioraram mais ainda suas emoções. Não que eu esteja reclamando, bem na verdade achei o trabalho tão bem feito, que até pensei em fazer dele um Ghoul da Pepe.

Foi pensando nisso e em nossa investigação sobre os jovens mortos por Embolia Gasosa, que retornamos o contato. Pepe marcou o encontro e deixei em suas mãos a escolha sobre o futuro do rapaz. Mesmo porque na pior das hipóteses aquele velho nerd teria sangue de sobra caso fosse necessário.

Três e tantos da manhã ela me liga, falando que ficou duas horas com ele na frente de um computador e bastou um decote e um chicote para capturar tudo o que precisávamos.

Quanto orgulho dessa minha cria…

– Olha aqui esses perfis, temos mais 350 indivíduos na faixa etária alvo.

– Tá, mas são muitos…

– Espera olha esse filtro aqui… Vamos tirar os inaptos, aqueles que moram a mais de 50 km da região dos incidentes e pa pum… Temos esses doze.

– Humm… imprime a ficha desses doze pra eu ver com calma.

Tira aqui, põe ali e sobraram sete para irmos atrás pessoalmente. Pepe ficou com três e eu com os demais. Algo que veríamos na noite posterior haja vista a proximidade do amanhecer.

Fui atrás de uma das possíveis vítimas e ela é de um bairro rico, estuda na melhor escola da cidade e está numa fase de foco nos estudos. Eu estava disposto a passar a noite cuidado dela(e), mas ao ouvir a distância que a rotina da semana seria casa > escola > casa. Acabei deixando o número um de lado e parti para o segundo.

Apartamento modesto de classe média, no qual tive de me transformar em névoa para chegar até o andar correto. Nos cômodos poucos móveis e pouca decoração. Deu a impressão de que haviam se mudado a pouco. Apenas a possível vítima e uma mãe moravam por ali e o que me chamou a atenção na pessoa, foi o fato de que pareceu rebelde. Em alguns momentos fez a própria comida, lavou a louça e reclamou por ter de recolher o lixo de um banheiro. Enrolou para fazer as tarefas da escola e estava muito a fim de sair com os amigos, antes do fim da noite.

Permaneci ao lado dele(a) durante toda aquela noite numa balada. Passei perto, tentei perceber indivíduos que flertaram ou cruzaram o caminho e a única pessoa que me chamou atenção foi uma garota mais velha que a possível vítima. Retraída e que não tirou os olhos dele(a) por todo o tempo em que ficaram na balada. Na saída percebi uma moderada perseguição que terminou quando ambos entraram em apartamentos diferentes, ou seja, era apenas uma vizinha.

Na noite seguinte fui atrás do(a) terceiro(a) suspeito(a) e foi uma noite tensa pois ao que tudo indicava, seria a noite do próximo assassinato.

A continuação está aqui: https://www.vampir.com.br/mais-uma-noite-aflito/

4 Comentários

Parou com os “vampirocast”?? Com o podcast em alta aí seria bom pra tu e pra nós, pois ler é bom demais e ouvir pra dá uma variada seria excelente!!

Deixe uma resposta