Uma festa com velhos conhecidos – 2 de 2

Depois de chegarmos a Berlin e de reencontrar velhos conhecidos como o “prefeito” vampiros da cidade, a noite ia-se. Julie chegou num momento propício e devido aos ocorridos que antecederam nosso encontro, resolvi lhe dar toda a minha atenção.

  • Falei com o pessoal e foi fácil achar vocês dois aqui, bem trivial eu diria…
  • Precisavas ter visto a chegada de Franz lá na torre do prefeito, parecia um new blood!
  • Deixa ele seu velho! Ele tá em casa…
  • Eu sei, eu sei, vem cá!

Abracei e dei um longo beijo naquela conhecida boca de lábios quentes, que por tantas vezes me serviu de abrigo. Sim, quentes em função dos seu poderes infernais. Ferdinand, você já falou aqui sobre os infernalistas e sobre como teu clã é contra… Cara, essa história com ela é longa e tem um pouco mais de detalhes aqui.

Ficamos mais um pouco juntos de Franz e suas tietes, mas depois de uma meia hora resolvemos nos atualizar em um outro canto.

Acordei na cama que havia arrumado antes do encontro do prefeito e Julie não estava mais ali. Olhei para o relógio e estava na hora de me arrumar para a festa, mandei mensagem para todos e apenas Franz não retornou.

Nos encontramos na recepção no horário combinado e partimos em uma limosine. Julie avisou que chegaria atrasada e Franz ainda não havia dado as caras, mesmo assim continuamos até a entrada do local do evento.

Nem preciso dizer que estava puto novamente com o sumiço de Franz, pois se há algo que preso, são os compromissos sociais de nossa sociedade.

Fomos recepcionados por uma bela vampira morena, com pele morena e jeito de new blood, que nos levou para um local indicado como VIPs. Lá estava o prefeito e um grupo de crias e puxa-sacos. Foi preciso muita paciência para aturar a piadinhas sobre os sul americanos, mas sempre que alguém ouvia falar o nome de nosso clã a coisa mudava de figura, alguns indo para o lado emocional e tantos outros querendo puxar um pouco de saco também.

Tudo ocorreu conforme o planejado, fomos homenageados, fiz um discurso breve, ressaltando as parecerias comerciais, os laços de sangue e falei muito sobre meu amigo prefeito, afinal o evento era para comemorar sua longa jornada. Tantos outros fizeram o mesmo e depois de umas 4 ou 4h30 de evento recebi uma mensagem de Franz, que mentalmente disse: “Corre pro hotel, deu merda com a Julie!”

Tudo estava tranquilo até…

Chamei um Uber que depois de 40 minutos me deixou na portaria do hotelzinho. Pepe estava comigo, preferi deixar os letrados Sebastian e H2 no evento nos representando.

Já no quarto Franz estava sentado numa cadeira olhado para a varanda e na cama inerte e coberta de sangue sujo, estava Julie.

  • Porra, o que vocês fizeram, cara?
  • Eu estava indo pra festa, mas ela me chamou no caminho, disse que não queria te incomodar e que precisava de ajuda. Marquei um lugar, era num desses guetos imundos e quando cheguei ela já estava assim no chão.
  • Já tentou dar sangue ou algo do tipo pra ela?
  • Não maninho, te chamei no caminho pra cá, chegamos faz pouco também…

Pepe estava com cara de preocupada e eu provavelmente com a mais bosta de todas, ponderei por alguns instantes e procurei perfurações no corpo de Julie e não havia nada. O sangue sobre suas roupas não eram humanos, também não eram de animais conhecido, então o mínimo das artes forenses que tenho indicavam que ela estava envolvida em seu rolos infernais.

Pedia para que Pepe cuidasse da limpeza e mesmo com 2 horas para o amanhecer fi para o lugar que ela havia sido encontrada junto de Franz. Nada, nenhum resquício de brigam arma ou de outro feridos. Ao que indicava ela havia sido deixada ali e o que aconteceu com ela ocorrera noutro local.

Voltamos para o hotel. Pepe disse que Julie havia vomitado algo preto, quando a colocou no chuveiro, porém logo em seguida ela desmaiou de novo. Foi um dia tenso, entre períodos de uma febre mágica e momentos de delírio…

11 Comentários

Quero ver qual foi o desfecho dessa história… Conheço um homem acima de todos os homens que eu já vi nessa terra e ele me explicou que esses seres que conhecemos por demônios na verdade são de carne e osso e estão aprisionados em “Realidades paralelas” e me apresentou tudo o que podem causar. Já vi muitos relatos aqui no site de envolvimento com esse tipo de ser, mas sempre quero saber mais, independentemente do quanto eu já sei. Não sei se nessas partes que você fala sobre voar, demônios, habilidades, entre outros, você fala só pra misturar realidade com ficção, mas pra mim isso tudo é tão real quanto o ar que eu respiro. Acredito 100%

Olha… me desculpe mas, voce não se cansa de fingir? Você é um ótimo escritor e tenho certeza que se contasse a verdade, teria vantagens… Seria mais fácil para você escrever, e sem dúvidas conseguiria maior público, etc…
O que você diz não condiz com a realidade, e eu não falo da realidade humana, essa pequena bolha a qual estão presos, por conta dela e de seus pecados, é necessário inventar coisas para fazer-los parar de pecar, etc… Se soubessem toda a verdade de uma vez, assim geraria-se caos, sinceramente acho que nem a atual limpeza adiantará muito, o jeito que a sociedade se formou, esse sim foi o erro. Por mais que comparada a certos planetas tenha condições extremamente precárias, não basta apenas desistir da humanidade, é necessária a mudança, sinceramente algo que deveria mudar é esse medo ridículo da morte, como se a morte fosse algo ruim… bem… isso depende é claro, quanto ao comentário de alefc sobre demônios, faz sentido, afinal o céu e o inferno são simples criações, é simples, se não pode-se contar a humanidade a verdade, deve se criar algo para substituir, o céu e o inferno foram o método, apesar de ter muitas falhas… alguns usam o inferno por exemplo: “desejo que ele queime no mais árduo fogo do inferno” assim pecando, outros usam ambos como forma de dinheiro, como a antiga igreja católica que cobrava dinheiro dizendo que era pra deus, sinceramente, acredito que a humanidade se encaminha á melhora, mas esse encaminhar ainda pode durar muitos anos…

Mas acho que entendo seu ponto, afinal algo que mais falta na humanidade é infelizmente o perdão, perdoar, não sei se eles te perdoariam se voltasse atrás agora

Deixe uma resposta